Seguidores

TRADUTOR

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

PRECE DO DESEMPREGADO



Ó mãe amável, Nossa Senhora do Trabalho!
Prostrado(a) aos Vossos pés, suplico-vos humildemente, olhai com bondade para este Vosso servo desempregado.
Minha situação é muito difícil.
Não sei mais a quem recorrer.
Tudo é insegurança e escuridão ao meu redor.
Por isso estou em busca de uma luz.
Sei que posso encontrá-la batendo a porta do Vosso coração.
Quem recorre a Vós não fica de mãos vazias, desprotegido, pois sinto que encontro segurança em Vossas mãos, sob o Vosso olhar de ternura e abrigado por Vosso manto protetor.
Aceitai, portanto meu apelo concedendo-me a graça de um emprego.
Preciso trabalhar!
Prometo-Vos que o meu coração estará sempre aberto àqueles que precisam de minha ajuda.
Muito obrigado, ó mãe do divino trabalhador, por ouvirdes minha oração.

Que Assim Seja.

Fonte: Site Portal Angels.

VIDA E ORAÇÃO A SANTA FORTUNATA

SANTA FORTUNATA

(14 de OUTUBRO)

Às vezes chamada de Maria Fortunata da Caesarea, nasceu na cidade de Caesarea, na Palestina filha de família nobre. Virgem e mártir, foi convertida ao cristianismo em torno de  302 e presa com seus irmãos Carponius, Evaristo e Prisciano. Foi martirizada para renunciar a sua fé e oferecer sacrifícios aos deuses romanos e como não o fizesse foi martirizada e finalmente morta.

No reinado do imperador Diocleciano, o martírio era feito amarando-a a um poste e girava-se uma roda de madeira com pás de ferro junto ao seu corpo e as pás iam dilacerando a carne num suplicio infernal. Os estudiosos dizem que as pás eram feitas, na época, de ferro pelos mesmos ferreiros que faziam as ferraduras dos cavalos, de uma maneira grosseira, com a lamina sem corte, desta forma, a carne era dilacerada por impacto e não por corte, provocando dores lancinantes em especial na região dos seios. Santa Catarina de Alexandria sofreu na mesma roda e na arte litúrgica da Igreja ela é mostrada segurando a referida  roda com as pás de ferro.

As atas dos martírios eram escritas pelos escribas da época, que eram orientados no sentido de dar maior ênfase ao martírio e quase nenhuma ênfase ao cristão torturado. Os estudiosos dizem que era para que os cidadãos lessem as “Atas do Martírio” e se afastassem do cristianismo.

As relíquias de Santa Fortunata foram trasladadas para Nápoles no oitavo século e ela é muito venerada em Nápoles, Itália.

A Ata do Martírio de Santa Fortunata é autêntica e sua festa está no Calendário Romano após 1969/70, quando todos os santos foram extensivamente examinados e vários foram excluídos ou confinados a festa local, se havia alguma dúvida com relação à autenticidade do seu martírio ou dos milagres creditados a sua intercessão.

Sua festa é celebrada no dia 14 de outubro.

Fonte: Site Cadê Meu Santo.

ORAÇÃO A SANTA FORTUNATA

SANTA FORTUNATA PELO MARTÍRIO GLORIOSO E PELOS MÉRITOS DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO PEDIMOS QUE NOS CONCEDAIS A GRAÇA DE QUE TANTO PRECISAMOS.
( FAÇA O PEDIDO NO FIM).

Que Assim Seja.

domingo, 30 de outubro de 2011

VIDA DE SÃO ABILIO


(22 de FEVEREIRO)

Viveu no primeiro século e foi o terceiro bispo de Alexandria, Egito.
Ele sucedeu São Marcos (o apóstolo) e Anianus.

Euzébio historiador da época reporta que Abilius foi indicado bispo em torno de 84 DC.

Mais tarde foi feito prisioneiro e martirizado para renunciar a sua fé e como não o fizesse foi finalmente decapitado em 98 DC.

Sua festa é celebrada no dia 22 de fevereiro.

Tortura e martírio

A tortura era feita para que o cristão concordasse em renegar publicamente a sua fé e a oferecer sacrifícios aos deuses romanos e às vezes eram feitas às escondidas em calabouços.

Em geral as torturas eram suplícios terríveis, mas feitas de modo a não matar o torturado, e se ele cedesse era libertado e retornava para casa.

O martírio era um castigo, uma condenação, com sentença proferida pelo magistrado encarregado do julgamento, e era as claras, em público, brutal, feito para matar e em geral terminava com os condenados sendo queimados, ou esquartejados, desmembrados ou atirados as feras.

Mas antes, o condenado sofria açoites com vários tipos de varas e chicotes, alguns feitos com finos galhos de arbustos com espinhos, que cortavam a carne sem sangrar, arrancavam pedaços dos seios e a pele da planta dos pés, prolongando o sofrimento, tudo isto para deleite da multidão.

Em alguns casos, quando o condenado era figura importante ou soldado, tinham o privilégio de morrer degolado pela espada ou machado.
O martírio era documentado nos chamado “Atos de Martírio” e eram publicados na cidade onde ele ocorria, e arquivados na biblioteca  em Roma.

Conforme historiadores da época, os condenados comuns esperneavam, gritavam, berravam, prometendo tudo para parar o sofrimento, mas os santos, com uma fé inabalável, apenas oravam ou cantavam hinos de louvor a Deus, piedosamente aguardando seu encontro com Jesus. 
Segundo os martirologistas, somente uma pessoa santa e fé inabalável, poderia resistir ao martírio.

Por isto os mártires da época com “Atos de Martírio” autênticos, são considerados santos sem passar todo o longo processo de beatificação e canonização.

sábado, 29 de outubro de 2011

NOSSA SENHORA DA AGONIA

NOSSA SENHORA DA AGONIA

(20 de AGOSTO)

Existe em Viana do Castelo, Portugal, um Santuário que é dedicado a Nossa Senhora da Agonia e está situado próximo do mar.
A Virgem Mãe, foi invocada com o nome de Agonia pelos pescadores daquela cidade, em virtude de estarem tantas vezes em perigo de naufrágio. O mar ali é bravio e quando movido de tufões, atira as embarcações contra uma falésia denominada “Penedo Ladrão”. As famílias dos pescadores, no cais, assistem angustiadas à luta de sobrevivência daqueles homens. De joelhos, elas chamam pela Senhora da Agonia, numa fé comovedora. Lembram-Lhes, os seus maridos, filhos e irmãos, que além do amor que lhes votam, são o vosso sustento.
Os pescadores da costa marítima nortenha, ali, vão implorar ou agradecer as vidas, que Esta Virgem Mãe lhes consegue. Desde 1700, data da construção do Santuário, em Portugal, as peregrinações foram se sucedendo e aumentando de ano para ano. Assim, deram início aos grandes festejos da Senhora da Agonia. Tão notável se tornou essa festa, que de muitas nações da Europa se desloca muita gente para Viana do Castelo. Não vem só para implorar à Senhora, mas como turismo, assistindo aos fogos maravilhosos dos pirotécnicos vianenses que, orgulhosamente, na sua terra os ostentam.
Estão, em primeiro plano, as cerimônias religiosas, que incluem uma Procissão marítima em louvor a Senhora da Agonia, organizada por pescadores. É encantadora, original e comovente.
Efetuam-se as grandes touradas, atraindo especialmente as pessoas de origem espanhola, que animam com vivacidade e alegria, toda a cidade. Embora sejam divertimentos que não traduzem devoção, no entanto, quem vai até lá, não deixa de visitar o Santuário, rezar e homenagear a Virgem, que assumindo diversos nomes, é sempre a mesma e ''Grande Mãe''.
As sete estrelas da coroa de Nossa Senhora da Agonia simbolizam as SETE DORES DE MARIA SANTÍSSIMA, que são:

- A profecia de Simeão.
- A perseguição de Herodes e a fuga da Sagrada Família para o Egito.
- A perda do Menino Jesus no Templo de Jerusalém.
- O encontro desta Mãe admirável com Seu Filho, carregando a Cruz, no caminho para o Calvário.
- A crucifixão de Nosso Senhor.
- Quando recebeu nos Seus braços o Corpo de Jesus Cristo, descido da Cruz.
- Quando depositou Jesus no sepulcro, ficando Ela em triste solidão.
Santa Brígida diz-nos, nas suas Revelações aprovadas pela Igreja, que Nossa Senhora lhe prometeu conceder sete graças a quem rezar, em cada dia, sete Ave-marias em honra das Suas Dores e Lágrimas. Eis as promessas:

- Porei a paz em suas famílias.
- Serão iluminados sobre os Divinos Mistérios.
- Consolá-los-ei em suas penas e acompanhá-los-ei nas suas aflições.
- Conceder-lhes-ei tudo o que me peçam contanto que não se oponha à vontade adorável do Meu Divino Filho e à santificação das suas almas.
- Defendê-los-ei nos combates espirituais contra o inimigo infernal e protegê-los-ei em todos os instantes da vida.
- Assistir-lhes-ei visivelmente no momento da morte e verão o rosto da Sua Mãe Santíssima.
Obtive do Meu Filho que, os que propaguem esta devoção (às Minhas Lágrimas e Dores) sejam transladados desta vida terrena à felicidade eterna, diretamente, pois ser-lhes-ão apagados todos os seus pecados e o Meu Filho e Eu seremos a sua eterna consolação e alegria.

COROA DAS DORES DE NOSSA SENHORA

ORAÇÃO INICIAL

Virgem Dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de Vossas Dores. Vosso Divino Filho tem vinculado à devoção de Vossas Dores, particulares graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Alcançai-nos, Senhora, de vosso Divino Filho, pelos méritos de Vossas Dores e Lágrimas, a graça (...).
1 Creio, 1 Pai-Nosso e 3 Ave-Maria em honra da Santíssima Trindade.
1ª dor: Pela dor que sofrestes ao ouvir a profecia de Simeão, de que uma espada de dor transpassaria o Vosso Coração, Mãe de Deus, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
2ª dor: Pela dor que sofrestes quando fugistes para o Egito, apertando ao peito virginal o Menino Jesus, para o salvar das fúrias do ímpio Herodes, Virgem Imaculada, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
3ª dor: Pela dor que sofrestes quando da perda do Menino Jesus por três dias, Santíssima Senhora, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
4ª dor: Pela dor que sofrestes quando viste O querido Jesus com a Cruz ao ombro, a caminho do Calvário, Virgem Mãe das Dores, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
5ª dor: Pela dor que sofrestes quando assististes à morte de Jesus, crucificado entre dois ladrões, Mãe da Divina Graça, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
6ª dor: Pela dor que sofrestes quando recebestes em Vossos braços o Corpo inanimado de Jesus, descido da Cruz, Mãe dos Pecadores, ouvi a nossa prece!
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.
7ª dor: Pela dor que sofrestes quando o Corpo de Jesus foi depositado no sepulcro, ficando Vós na mais triste solidão, Senhora de Todos os Povos, ouvi a nossa prece.
Pai Nosso, 7 Ave-Marias, Glória.

ORAÇÃO FINAL

Dai-nos, Senhora, a graça de compreender o oceano de angústias que fizeram de Vós a "Mãe das Dores", para que possamos participar de Vossos sofrimentos e Vos consolemos pelo nosso amor e nossa fidelidade. Choramos convosco, ó Rainha dos Mártires, na esperança de ter a felicidade de um dia nos alegrarmos convosco no Céu.

Que Assim Seja.

Pode-se também com este mesmo "tercinho" (de 7 mistérios com 7 contas cada) rezar a:

COROA DAS LÁGRIMAS DE NOSSA SENHORA

ORAÇÃO INICIAL 
Eis-nos aos Vossos pés, ó dulcíssimo Jesus Crucificado, para Vos oferecer as Lágrimas d'Aquela que, com tanto amor, Vos acompanhou no caminho doloroso do Calvário. Fazei, ó bom Mestre, que nós saibamos aproveitar a lição que elas nos dão, para que, realizando a Vossa Santíssima Vontade na terra, possamos um dia Vos louvar por toda a eternidade no Céu. Amém.
NAS CONTAS MAIORES DO TERÇO:
Vede, ó Jesus, quantas são as Lágrimas d'Aquela que mais Vos amou na terra e que mais Vos ama no Céu.
E NAS CONTAS MENORES DO TERÇO:
Meu Jesus, ouvi os nossos rogos. Pelas lágrimas de Vossa Mãe Santíssima.
NO FINAL (TRÊS VEZES):
Vede, ó Jesus, quantas são as lágrimas daquela que mais Vos amou na terra e que mais Vos ama no Céu.
ORAÇÃO FINAL
Virgem Santíssima e Mãe das Dores, nós Vos pedimos que junteis os Vossos rogos aos nossos, a fim de que Jesus, Vosso Divino Filho, a quem nos dirigimos, em nome das Vossas Lágrimas de Mãe, ouça as nossas preces e nos conceda, com as graças que desejamos, a Coroa Eterna.

Que Assim Seja.

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DA AGONIA

Ó Maria, Rainha dos Mártires, Senhora da Agonia, Vós que permanecestes de pé junto à Cruz de vosso Divino Filho Jesus, e às suas palavras: "Mulher, eis o teu filho"- "Filho, eis tua Mãe", - tornastes-vos nossa Mãe; acolhei, com bondade, nossa prece filial.

Ó Senhora da Agonia, assim como o discípulo acolheu-Vos em sua casa, também nós queremos abrir-Vos as portas de nossos corações, de nossos lares, CONSAGRANDO-VOS toda a nossa vida: passada, presente e futura.

Exercei, pois, Vossa função de Mãe, ensinando-nos a viver, em todos os momentos, a vontade de Deus, levando-nos, assim, a imitar o Vosso SIM de Nazaré, que culminou com o SIM do Calvário.

Vinde, ó Mãe, em socorro de nossas angústias, não permitindo que nos desviemos do caminho do bem, da verdade, do amor!

Que Assim Seja.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ORAÇÃO PARA AS CRIANÇAS


ORAÇÃO PARA AS CRIANÇAS

Meu querido São Francisco Marto, a pureza das crianças eu vos venho implorar, que seja conservada neste mundo de paixões, os inocente são agredidos de todas formas, no corpo e na mente, destroem as suas esperanças antes mesmo que possam esboçá-las, quem não tem esperanças não tem fé, e desta forma os pequenos desta terra se encontram perdidos, sem rumo, sem leme.

Por isso venho a vós, que fostes um menino abençoado por Nossa Senhora, que em Fátima vos apareceu, dando a vós novos rumos, que em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, proteja nossas crianças, afaste delas todo o mal, abrindo-lhes os olhos para as verdadeiras verdades, os verdadeiros valores.

Saibam nossas crianças o rumo que devem seguir e que a maldade dos homens delas se apartem, abre-lhes sempre os caminhos, as mantendo puras em suas convicções e fé.

Que Assim Seja.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA FLÁVIA DOMITILA

SANTA FLÁVIA DOMITILA

(7 de MAIO)

VIDA DE SANTA FLÁVIA DOMITILA

Há muito mais tradições envolvendo a existência de Flávia Domitila do que documentos históricos comprovados. Seu nome e santidade tanto se espalharam, nos primeiros tempos do cristianismo, que sua vida se mesclou a essas tradições pela transmissão dos próprios fiéis que fixaram o seu culto.

Flávia Domitila teria sido convertida ao cristianismo por dois eunucos. Enquanto ela se preparava para o casamento com o filho de um cônsul, Nereu e Aquiles lhe falaram sobre Cristo e a beleza da virgindade, "irmã dos Anjos". Ela teria abandonado o casamento e se convertido imediatamente.

Contudo o próprio imperador, inconformado, tentou vencer a recusa pelo compromisso da jovem com uma tarde dançante em sua homenagem. A morte repentina do próprio noivo aconteceu em meio às danças. Segundo a tradição, Flávia Domitila morreu queimada num incêndio criminoso que destruiu sua casa, sendo provocado por um irmão do noivo.

Mas o que existe de real sobre a vida de santa Flávia Domitila é que ela era uma nobre dama romana, esposa do cônsul Flávio Clemente e sobrinha do imperador Vespasiano, pai de Domiciano. Esses dados foram encontrados em uma inscrição da época, conservada na basílica dos santos Nereu e Aquiles, que também morreram decapitados pelo testemunho em Cristo.

No primeiro século, ela enfrentou a ira da corte por não esconder sua fé em Cristo. Banida do convívio social foi depois julgada e condenada ao exílio, sendo deportada para a ilha de Ponza.

Sua morte aconteceu de forma lenta, cruel e dolorosa, numa ilha abandonada, sem as menores condições de sobrevivência, conforme escreveu sobre ela São Jerônimo

Fonte: Site Quiosque Azul.

ORAÇÃO A SANTA FLÁVIA DOMITILA

Senhor, pelos méritos de Santa Flávia Domitila, eu Vos peço perdão por todas as vezes em que não fui coerente com os ensinamentos de Jesus.

Pelo meu egoísmo, pelas vezes em que julguei e condenei meus irmãos, por não ver as necessidades dos que estão a minha volta.

Peço-Vos a graça da fidelidade e perseverança na Vossa Palavra para que na prática de caridade eu descubra a alegria de ser cristão.

Que Assim Seja.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTO ADALBERTO DE PRAGA

SANTO ADALBERTO DE PRAGA

(23 de ABRIL)

VIDA DE SANTO ADALBERTO DE PRAGA

Santo Adalberto de Praga, Bispo e Mártir.

Adalberto era de ilustre família da Boêmia. Nascido no ano de 956 foi vítima de grave moléstia na meninice. Curado miraculosamente por Nossa Senhora, os pais consagraram-no ao serviço da Igreja.

O Santo, cujo nome de batismo era Woytiech, de origem eslava, passou a viver sob os cuidados de Adalberto, arcebispo de Magdeburgo - daí, em reconhecimento ao prelado, tomar-lhe o nome, quando recebeu o sacramento da confirmação.
Adalberto somente deixou Magdeburgo depois da morte do bom arcebispo, em 981. Estava então com vinte e cinco anos.

Em 983, recebeu das mãos do bispo de Praga, Dithmar, as ordens sagradas. Naquele mesmo ano, morto o bispo, Adalberto sucedeu-o. Era a 29 de Junho, e o Santo, impressionado com tal morte, uma vez que Dithmar se recriminava por ter levado vida inútil, resolveu entregar-se à penitência e às austeridades.

Desde aquela época, diz-se, jamais o viram rir. E, quando fez entrada em Praga, fê-la descalço. O povo, vivamente impressionado, cheio de simpatia, logo previu no sucessor de Dithmar um santo bispo.

De renda que lhe era dado dispor, dez quatro partes: uma para as necessidades da igreja; outra para os cônegos; uma terceira para os pobres; e a quarta para si mesmo e para sua casa. Todos os dias alimentava o santo bispo doze pobres, em honra dos doze apóstolos.

Santo Adalberto, na terra nua, dormia sobre um cilício. Macerava o corpo com longas vigílias e duros jejuns. E, quase todos os dias, pregava com calor, docemente fazia visitas aos doentes, nas prisões consolava com imensa ternura os prisioneiros.

Quando tomou as rédeas da diocese, tudo jazia em estado deplorável. Quantos diocesanos pagãos! Quantos convertidos dados aos mais variados hábitos pagãos! Pôs-se, então, a convertê-los verdadeiramente. Mas, em seis anos, pouco ou quase nada conseguiu: achavam-no muito exigente e muito santo.

Em 989 partiu para Roma. E ali, ao Papa João XV, falou longamente da triste posição em que se encontrava, acabando por lhe suplicar a graça de desligá-lo do cargo, porque, ardentemente, desejava encerrar-se num mosteiro. O Santo Padre concedeu-lhe a demissão solicitada. E Adalberto, com um irmão, Gaudêncio, tomou o hábito religioso de São Bonifácio, mosteiro pelo qual, desde algum tempo, vinha suspirando.

Adalberto passou cinco anos naquela casa, todo ocupado em orar pelos diocesanos. Ora, o arcebispo de Mayence vivia desolado com o estado de abandono em que Praga jazia, e, escrevendo ao Papa, rogou-lhe ordenasse que Adalberto retornasse àquela sede.

O Santo, a princípio alegando que os frutos a colher seriam como os da primeira vez, isto é, irrisórios, acabou por consentir na volta, com a condição de tornar ao mosteiro se não encontrasse o povo menos agreste.

Desgostoso com os habitantes de Praga, que não lhe correspondiam, voltou para o mosteiro, tristíssimo. Ali, pouco depois, era nomeado prior pelo abade Leão.

Daqueles tempos data a grande amizade que o uniu ao imperador Otto III. Eis que, por segunda vez, o arcebispo de Mayence insistia com o Papa, então Gregório V, para que Praga tivesse o seu pastor. Adalberto, obediente à ordem do Sumo Pontífice, rumou para a sua sede. Desta vez, os diocesanos receberam-no com desagrado, chegando mesmo a ir até a Boêmia, onde, maltratando os parentes do santo bispo, pilharam-lhes os bens e incendiaram o castelo dos pais do futuro mártir.

Refugiou-se, então, Adalberto na Polônia, no palácio do amigo Boleslau, filho do duque daquele país, o qual enviou deputados a Praga para concertar com o povo o recebimento de seu bispo. O resultado colhido pelos embaixadores foi nulo. E Adalberto resolveu permanecer na Polônia onde se pôs a trabalhar pela conversão dos idólatras.

Da Polônia, Santo Adalberto, com Gaudêncio e outro companheiro, o Padre Bento, passou para a Prússia, onde missionário algum jamais havia penetrado. Ali, encontrou a morte. Foi em Tenkitten, um campo sagrado dos pagãos, que se viu assaltado por um bando de ímpios.

Santo Adalberto foi decapitado em 997. Gaudêncio e Bento, todavia, conseguiram fugir e chegar até a Polônia, onde deram a triste notícia a Boleslau.

O duque, imediatamente, tratou de resgatar o corpo do santo amigo.

Enterrado primeiramente na igreja de Tremezno, em 998 foi o corpo do Santo transferido para Nossa Senhora de Gnesen, onde muitos milagres foram operados por sua intercessão. No ano 1000, o imperador Otto III visitou-lhe a tumba, obtendo-lhe uma relíquia do corpo. Foi este imperador que, no mesmo ano, construiu em honra de Santo Adalberto, em Aix-la-Chapelle, uma igreja. No ano seguinte, erigia outra, em Roma, atualmente de São Bartolomeu, que conserva a relíquia dada por Otto III.

ORAÇÃO A SANTO ADALBERTO DE PRAGA

Ó glorioso Santo Adalberto, padroeiro da Boêmia, Polônia, Hungria e Prússia, que em vida corajosamente proclamou Cristo como Deus na Terra; Rogai por nós! Oremos por intercessão de Santo Adalberto, verdadeira e fiel testemunha de Jesus Cristo, para que interceda por nós junto a Cristo nosso senhor.

Ó Deus, Tu reforçou as nações para que professam Teu Nome através da instrução e martírio de Santo Adalberto, nós vos suplicamos, tende piedade de nós. Adalberto, aquele que anunciou a fé de nossos ancestrais, intercedais agora por nós no Céu. Ó Glorioso Santo Adalberto, honrado pela Virgem Maria, a portadora de Deus, que possamos aprender através de seu ensinamento e exemplo.

Que esta oração por nós ora oferecida, a vossa Divina Majestade e memória; em sua honra, nosso querido Santo Adalberto, nos ajude a ter a força moral necessária para professar a nossa fé com coragem. Que possamos através de Cristo prosseguir no caminho, sem desvios, à nossa recompensa eterna. Nós vos pedimos por Cristo nosso Senhor.

Que Assim Seja.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA ACHIROPITA

NOSSA SENHORA ACHIROPITA

(15 de AGOSTO)

APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA ACHIROPITA

Em 580 depois de Cristo, o capitão Maurício, desviado pelos ventos, chegou a uma aldeia calabresa, na Itália. O monge Éfrem foi-lhe ao encontro e lhe disse: "Não foram os ventos que te conduziram para cá, mas Nossa Senhora, para que tu - uma vez Imperador - lhe construas um templo". Em 582, Maurício tornou-se de fato Imperador e, cedendo à insistência do monge, decretou a construção do Santuário, que bem depressa chegou ao término.

Um fato estranho chamou a atenção da comunidade. A imagem de Nossa Senhora que era pintada durante o dia, de noite desaparecia da tela.

Uma noite, apareceu uma belíssima senhora que falou com o vigia e pediu para entrar no santuário. E como ela demorasse para sair, preocupado, ele entrou e não encontrou mais aquela senhora, mas viu que estava pintada no fundo da parede interna do templo, uma imagem lindíssima de Nossa Senhora.

 Ao saber disso, o povo acorreu àquele local e, entre lágrimas e cantos, aclamava: Achiropita! Achiropita!... O que significa: imagem não pintada pela mão do homem.

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA ACHIROPITA

Virgem Santíssima, Mãe de Deus e nossa Mãe Achiropita volvei o vosso olhar piedoso para nós e para as nossas famílias.
Através dos séculos, pelos milagres e pelas aparições, mostrastes ser Medianeira perene de graças.
Tende compaixão das dificuldades em que nos encontramos e das tristezas que amarguram a nossa vida.
Vós, coroada Rainha, à direita do Vosso Filho, cheia de glória imortal, podeis auxiliar-nos. Tudo o que está em nós e em volta de nós, receba as vossas bênçãos maternais.
Ó Rainha Achiropita, prometemos dedicar-vos toda a nossa vida para a honra do vosso culto e a serviço de nossos irmãos.
Solicitamos de vossa maternal bondade os auxílios em nossas necessidades e a graça de viver sob a vossa constante proteção, consolados em nossas aflições e livres das presentes angústias.
Com confiança podemos repetir que, não recorre a vós inutilmente aquele que Vos invoca sob o título de "Achiropita".

Que Assim Seja.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

ORAÇÃO PARA ACABAR COM A DEPRESSÃO

DEPRESSÃO

Amado Senhor, às vezes sinto-me tão deprimido que não consigo nem rezar.
Por favor, liberta-me deste cativeiro.
Eu Te agradeço, Senhor, Pelo Teu poder libertador e, no poderoso nome de Jesus, expulse de mim o maligno: espírito de depressão, de ódio, de medo, de auto-piedade, de opressão, de culpa, de falta de perdão e qualquer outra força negativa que tenha investido contra mim.
Eu os amarro e expulso em nome de Jesus.
Senhor, arrebenta todas as cadeias que me prendem.
Jesus, peço-Te que voltes comigo até o momento em que esta depressão me atacou e me libertes das raízes deste mal.
Cura todas as minhas lembranças dolorosas.
Enche-me com o Teu amor, a Tua paz, a Tua alegria.
Peço-Te que restaures em mim a alegria da minha salvação.
Senhor Jesus permite que a alegria jorre como um rio das profundezas do meu ser.
Eu Te amo, Jesus, eu Te louvo.
Trazei ao meu pensamento todas as coisas pelas quais posso agradecer-Te.
Senhor, ajuda-me a alcançar-Te e a tocar-Te; a manter meus olhos postos em Ti e não nos problemas.
Eu Te agradeço, Senhor, por me guiares até a saída do vale.
É em nome de Jesus que suplico.

Fonte: Site Portal Angels.

domingo, 23 de outubro de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA FAUSTINA

SANTA FAUSTINA

(5 de OUTUBRO)

VIDA DE SANTA FAUSTINA

Conhecida também como Maria Faustina Kowalski.

Não podemos dizer que exista alguma novidade numa irmã que fale sobre a Misericórdia Divina e do nosso dever de ser misericordioso. Assim como sabemos que, sob a insígnia da Misericórdia, nasceram muitas comunidades e instituições cristãs, ao longo de todos os tempos. O diferencial de santa Faustina foi ter dado vida, sob essa insígnia, a um grande movimento espiritual, justamente quando a humanidade mais carecia de misericórdia: entre as duas guerras mundiais.

Nascida na aldeia Glogowiec, na Polônia central, no dia 25 de agosto de 1905, em uma numerosa família camponesa de sólida formação cristã, foi batizada com o nome de Helena, terceira dos dez filhos de Mariana e Estanislau Kowalski. Desde a infância, sentiu a aspiração à vida consagrada, mas teve de esperar diversos anos antes de poder seguir a sua vocação. Mas desde aquela época só fez percorrer a via da santidade.

Aos dezesseis anos deixou a casa paterna e começou a trabalhar como doméstica, na cidade de Varsóvia, da Polônia independente. Lá, maturou na oração a sua verdadeira vocação de religiosa. Assim, em 1925, ingressou na Congregação das Irmãs da Bem-Aventurada Virgem Maria da Misericórdia, adotando o nome de Maria Faustina. O carisma desse Instituto está voltado para a educação das jovens e para a assistência das mulheres necessitadas de renovação espiritual. Após concluir o noviciado e emitir os votos perpétuos, percorreu diversas casas, exercendo as mais diversas funções, como cozinheira, jardineira e porteira. Teve uma vida espiritual muito rica de generosidade, de amor e de carismas, que escondeu na humildade do seu cotidiano.

Irmã Faustina, como era chamada, ofereceu-se a Deus pelos pecadores, sobretudo por aqueles que tinham perdido a esperança na Misericórdia Divina. Nutriu uma fervorosa devoção à eucaristia e à Virgem Maria, e amou intensamente a Igreja. Com freqüência, era acometida por visões e revelações, até que seu confessor e diretor espiritual lhe sugeriu anotar tudo. Assim, em 1934 ela começou a escrever um diário, intitulado "A Divina Misericórdia em minh'alma", mais tarde traduzido e publicado em vários países.

Em seu diário, irmã Faustina escreveu que à perfeição chegamos através da união íntima da alma com Deus, e não por meio de graças, revelações ou êxtases. Ela se manteve sempre tão humilde que não acreditava, na sua própria experiência mística, um sinal de santidade. Expressou todo o seu amor ao Senhor por meio de uma fórmula muito simples, que fez questão de propagar entre os fiéis: "Jesus, confio em vós".

Consumida pela tuberculose, ela morreu no dia 5 de outubro de 1938, com apenas trinta e três anos de idade, na cidade de Cracóvia, Polônia. Beatificada em 1993, foi proclamada santa Maria Faustina Kowalski pelo papa João Paulo II em 2000. As suas relíquias são veneradas no Santuário da Divina Misericórdia, de Cracóvia. 

Fonte: Site Quiosque Azul.

ORAÇÃO A SANTA FAUSTINA

Nosso Senhor Vos concedeu um grande privilégio quando vos disse que:
"Distribuísse as graças como vós quisésseis, a quem vós quisésseis e quando vós quisésseis"
Confiando nesta promessa, vos peço vossa intercessão pelas graças que necessito, especialmente...(se faz o pedido).
Ajudai-me, sobre tudo, a confiar em Jesus como vós o fizestes e assim glorificar sua misericórdia a cada instante de minha vida.
Rezar um Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.
Repete-se três vezes:
Santa Maria Faustina, rogai por nós.

Que Assim Seja.


A NOVENA À DIVINA MISERICÓRDIA

(O DIÁRIO de santa Irmã Faustina)
"NOVENA à Misericórdia Divina que Jesus me mandou escrever e rezar antes da Festa da Misericórdia   (clique FESTA DA MISERICÓRDIA)  . Começa na sexta-feira santa.
Desejo que, durante estes nove dias, conduzas as almas à fonte da Minha misericórdia, a fim de que recebam força, alívio e todas as graças de que necessitam nas dificuldades da vida e, especialmente na hora da morte. Cada dia conduzirás ao Meu Coração um grupo diferente de almas e as mergulharás nesse oceano da Minha misericórdia. Eu conduzirei todas essas almas à Casa de Meu Pai. Procederás assim nesta vida e na futura. Por Minha parte, nada negarei àquelas almas que tu conduzirás à fonte da Minha misericórdia. Cada dia pedirás a Meu Pai, pela Minha amarga Paixão, graças para essas almas.

Primeiro dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me a humanidade inteira, especialmente todos os pecadores e mergulha-os no oceano da minha Misericórdia. Com isso Me consolarás na amarga tristeza em que Me afunda a perda das almas.
[Oração de Santa Faustina]
Misericordiosíssimo Jesus, de quem é próprio ter compaixão de nós e nos perdoar, não olheis os nossos pecados, mas a confiança que depositamos em Vossa infinita bondade. Acolhei-nos na mansão do vosso compassivo Coração e nunca nos deixeis sair dele. Nós vo-lo pedimos pelo amor que Vos une ao Pai e ao Espírito Santo.
Eterno Pai olhai com misericórdia para toda humanidade, encerrada no Coração compassivo de Jesus, mas especialmente para os pobres pecadores. Pela Sua dolorosa Paixão, mostrai-nos a Vossa Misericórdia, para que glorifiquemos a onipotência da Vossa Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Segundo dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me as almas dos sacerdotes e religiosos e mergulha-as na minha insondável Misericórdia. Elas Me deram força para suportar a amarga Paixão. Por elas, como por canais, corre para a humanidade a minha Misericórdia. 
[Oração de Santa Faustina]
 Misericordiosíssimo Jesus, de quem provém tudo que é bom, aumentai em nós a graça, para que pratiquemos dignas obras de misericórdia, a fim de que aqueles que olham para nós, glorifiquem o Pai da Misericórdia que está no Céu. 
Eterno Pai dirigi o olhar da vossa Misericórdia para a porção eleita da vossa vinha: para as almas dos sacerdotes e religiosos. Concedei-lhes o poder da vossa bênção e, pelos sentimentos do Coração de vosso Filho, no qual estão encerradas, dai-lhes a força da vossa luz, para que possam guiar os outros nos caminhos da salvação e juntamente com eles cantar a glória da vossa insondável Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Terceiro dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me todas as almas piedosas e fiéis e mergulha-as no oceano da minha Misericórdia. Estas almas consolaram-Me na Via-sacra; foram aquelas gotas de consolações em meio ao mar de amarguras. 
[Oração de Santa Faustina]
Misericordiosíssimo Jesus, que concedeis prodigamente a todos as graças do tesouro da vossa Misericórdia, acolhei-nos na mansão do vosso compassivo Coração e não nos deixeis sair dele pelos séculos; suplicamo-Vos pelo amor inconcebível de que está inflamado o vosso Coração para com o Pai Celestial. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas fiéis, como a herança do vosso Filho. Pela sua dolorosa Paixão concedei-lhes a vossa bênção e cercai-as da vossa incessante proteção, para que não percam o amor e o tesouro da santa fé, mas com toda a multidão dos Anjos e dos Santos glorifiquem a vossa imensa Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Quarto dia 
[As palavras de Jesus]
 Hoje traze-Me os pagãos e aqueles que ainda não Me conhecem e nos quais pensei na minha amarga Paixão. O seu futuro zelo consolou o meu Coração. Mergulha-os no mar da minha Misericórdia. 
[Oração de Santa Faustina]
Misericordiosíssimo Jesus, que sois a luz de todo o mundo, aceitai na mansão do vosso compassivo Coração as almas dos pagãos que ainda não Vos conhecem. Que os raios da vossa graça os iluminem para que também eles, juntamente conosco, glorifiquem as maravilhas da vossa Misericórdia e não os deixeis sair da mansão do vosso compassivo Coração. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas dos pagãos e daqueles que ainda não Vos conhecem e que estão encerrados no Coração compassivo de Jesus. Atraí-as à luz do Evangelho. Essas almas não sabem que grande felicidade é amar-Vos. Fazei com que também elas glorifiquem a riqueza da vossa Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Quinto dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me as almas dos Cristãos separados da Unidade da Igreja e mergulha-as no mar da minha Misericórdia. Na minha amarga Paixão dilaceravam o meu Corpo e o meu Coração, isto é, a minha Igreja. Quando voltam à unidade da Igreja, cicatrizam-se as minhas Chagas e dessa maneira eles aliviam a minha Paixão. 
[Oração de Santa Faustina]
 Misericordiosíssimo Jesus que sois a própria Bondade, Vós não negais a luz àqueles que Vos pedem, aceitai na mansão do vosso compassivo Coração as almas dos nossos irmãos separados, e atraí-os pela vossa luz à unidade da Igreja e não os deixeis sair da mansão do vosso compassivo Coração, mas fazei com que também eles glorifiquem a riqueza da vossa Misericórdia. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas dos nossos irmãos separados que esbanjaram os vossos bens e abusaram das vossas graças, permanecendo teimosamente nos seus erros. Não olheis para os seus erros, mas para o amor do vosso Filho e para a sua amarga Paixão, que suportou por eles, pois também eles estão encerrados no Coração compassivo de Jesus. Fazei com que também eles glorifiquem a vossa Misericórdia por toda a eternidade. Amém.

Sexto dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me as almas mansas, assim como as almas das criancinhas, e mergulha-as na minha Misericórdia. Estas almas são as mais semelhantes ao meu Coração. Elas reconfortaram-Me na minha amarga Paixão da minha agonia. Eu as vi quais anjos terrestres que futuramente iriam velar junto aos meus altares. Sobre elas derramo torrentes de graças. Só a alma humilde é capaz de aceitar a minha graça; às almas humildes favoreço com a minha confiança. 
[Oração de Santa Faustina]
 Misericordiosíssimo Jesus, que dissestes: "Aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração", aceitai na mansão do vosso compassivo Coração as almas mansas e humildes e as almas das criancinhas. Estas almas encantam o Céu todo e são a especial predileção do Pai Celestial, são como um ramalhete diante do trono de Deus, com cujo perfume o próprio Deus se deleita. Estas almas têm a mansão permanente no Coração compassivo de Jesus e cantam sem cessar um hino de amor e misericórdia pelos séculos. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas mansas e humildes e para as almas das criancinhas, que estão encerradas na mansão compassiva do Coração de Jesus. Estas almas são as mais semelhantes a vosso Filho; o perfume destas almas eleva-se da Terra e alcança o vosso trono. Pai de Misericórdia e de toda bondade suplico-Vos pelo amor e predileção que tendes para com estas almas, abençoai o mundo todo, para que todas as almas cantem juntamente a glória à vossa Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Sétimo dia
[As palavras de Jesus]
 Hoje traze-Me as almas que veneram e glorificam de maneira especial a minha Misericórdia e mergulha-as na minha Misericórdia. Estas almas foram as que mais sofreram por causa da minha Paixão e penetraram mais profundamente no meu espírito. Elas são a imagem viva do meu Coração compassivo. Estas almas brilharão com especial fulgor na vida futura. Nenhuma delas irá ao fogo do Inferno; defenderei cada uma delas de maneira especial na hora da morte. 
[Oração de Santa Faustina]
 Misericordiosíssimo Jesus, cujo Coração é o próprio amor, aceitai na mansão do vosso compassivo Coração as almas que honram a glorificam de maneira especial a grandeza da vossa Misericórdia. Estas almas tornadas poderosas pela força do próprio Deus, avançam entre penas e adversidades, confiando na vossa Misericórdia. Estas almas estão unidas com Jesus e carregam sobre os seus ombros a humanidade toda. Elas não serão julgadas severamente, mas a vossa Misericórdia as envolverá no momento da morte. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas que glorificam e honram o vosso maior atributo, isto é, a vossa inescrutável Misericórdia; elas estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Estas almas são o Evangelho vivo e as suas mãos estão cheias de obras de misericórdia; suas almas repletas de alegria cantam um hino de misericórdia ao Altíssimo. Suplico-Vos, ó Deus, mostrai-lhes a vossa Misericórdia segundo a esperança e confiança que em Vós colocaram. Que se cumpra nelas a promessa de Jesus, que disse: “As almas que veneram a minha insondável Misericórdia, Eu mesmo as defenderei durante a vida, especialmente na hora da morte, como minha glória.  Amém”.

Oitavo dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me as almas que se encontram na prisão do Purgatório e mergulha-as no abismo da minha Misericórdia; que as torrentes do meu Sangue refresquem o seu ardor. Todas estas almas são muito amadas por Mim, pagam as dívidas à minha Justiça. Está em teu alcance trazer-lhes alívio. Tira do tesouro da minha Igreja todas as indulgências e oferece-as por elas. Oh se conhecesses o seu tormento, incessantemente oferecerias por elas a esmolas do espírito e pagarias as suas dívidas à minha Justiça. 
[Oração de Santa Faustina]
 Misericordiosíssimo Jesus, que dissestes que quereis misericórdia, eis que estou trazendo à mansão do vosso compassivo Coração as almas do Purgatório, almas que Vos são muito queridas e que, no entanto devem dar reparação à vossa Justiça; que as torrentes de Sangue e Água que brotaram do vosso Coração apaguem as chamas do fogo do Purgatório, para que também ali seja glorificado o poder da vossa Misericórdia. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas que sofrem no Purgatório e que estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Suplico-Vos que, pela dolorosa Paixão de Jesus, vosso Filho, e por toda a amargura de que estava inundada a sua Alma santíssima, mostreis vossa Misericórdia às almas que se encontram sob o olhar da vossa Justiça; não olheis para elas de outra forma senão através das Chagas de Jesus, vosso Filho muito amado, porque nós cremos que a vossa bondade e Misericórdia são incomensuráveis. Amém.

Nono dia
[As palavras de Jesus]
Hoje traze-Me as almas tíbias e mergulha-as no abismo da minha Misericórdia. Estas almas ferem mais dolorosamente o meu Coração. Foi da alma tíbia que a minha Alma sentiu repugnância no Horto. Elas levaram-Me  a dizer: Pai afasta de Mim este cálice, se assim for a vossa vontade. Para elas, a última tábua de salvação é recorrer a minha Misericórdia. 
[Oração de Santa Faustina]
 Ó compassivo Jesus, que sois a própria Compaixão, trago à mansão do vosso compassivo Coração as almas tíbias; que se aqueçam no fogo do vosso amor puro estas almas geladas, que, semelhantes a cadáveres, Vos enchem de tanta repugnância. Ó Jesus, muito compassivo, usai a onipotência da vossa Misericórdia e atraí-as até ao fogo do vosso amor e concedei-lhes o amor santo, porque Vós tudo podeis. 
Eterno Pai olhai com Misericórdia para as almas tíbias e que estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Pai de Misericórdia, suplico-Vos pela amargura da Paixão do vosso Filho e por sua agonia de três horas na Cruz, permiti que também elas glorifiquem o abismo da vossa Misericórdia. Amém. 

(Diário de Santa Faustina, nºs. 1209-1229)




NOVENA
"O Senhor me disse para rezar o Terço [da misericórdia] por nove dias antes da Festa Misericórdia (...) Através desta novena concederei às almas toda espécie de graças" (Diário 796).


Fonte: Site Jesus Mesiricordioso.