Seguidores

TRADUTOR

domingo, 19 de março de 2017

VIDA E ORAÇÃO DE SANTA QUITÉRIA


Santa Quitéria
O8-06


Segundo consta do hagiológio português e na história d Braga, Portugal, Quitéria foi uma das nove filhas nascidas de parto único de Cálsia Lúcia, mulher de Lúcio Caio Otílio, governador de Portugal e Galiza sob o Império Romano, no século II da nossa era.
 
Quitéria nasceu no ano de 120, em Bracara Augusta, na região do Minho, por ocasião em que seu pai acompanhava o imperador romano Adriano em viagem pela Península Ibérica.
 
Naquela época predominavam as superstições, a ponto de represália do marido, homem de procedimento muito rígido, levar Cálsia Lúcia a instruir a parteira de nome Cília que matasse as nove crianças. Mas, movida pelos sentimentos cristãos de piedade e amor ao próximo, Cília desobedeceu à patroa entregando as meninas ao arcebispo de Braga, Santo Ovídio, que as batizou e encomendou o seu cuidado e educação a diversas famílias cristãs, tudo a suas expensas.


Anos mais tarde, tomando conhecimento da existência das suas filhas e estando comprometido com um cortesão de nome Germano, Otílio desejou que a filha Quitéria com ele se casasse. Ante a recusa da filha, Otílio a condenou à morte, cuja execução foi perpetrada pelo próprio Germano no dia 22 de maio do ano de 135. Quitéria estava com 15 anos de idade.

 
Conta-se que os soldados, que a prenderam, ficaram cegos. Diz ainda a tradição que após ter a cabeça decepada, Quitéria a tomou em suas mãos e caminhou até a cidade vizinha onde caiu e foi sepultada


De Quitéria diz-se que tinha a graça de estar sempre perante a presença física do seu Anjo da Guarda, com quem conversava frequentemente e que a aconselhava em cada momento da sua vida.

A vida de Santa Quitéria se encontra envolvida em aspectos lendários, ainda pouco estudados.

O martírio é referido pela primeira vez no século XII, estando relatado nos Flos Sanctorum de Alonso de Villegas e de Diogo do Rosário e inscrito no Martirológio Romano (22 de maio).

 
Os primeiros milagres obtidos por sua intercessão datam do século VIII, altura em que começou a ser venerada como mártir. O culto de Santa Quitéria, promovido particularmente pelos jesuítas, encontra-se bem alicerçado na devoção popular que a invoca como advogada contra a raiva.


A arquidiocese de Braga celebra a sua memória no dia 8 de junho. Felgueiras não só lhe erigiu um santuário no local onde supostamente foi sepultada, como tem Santa Quitéria como padroeira.


A iconografia desta nobre donzela romana faz alusão a certos episódios da sua vida e revela o instrumento material do martírio, aspectos que nos propomos analisar bem como fazer referência ao culto e às dificuldades causadas pelas diversas lendas sobre a sua vida.

 
Segundo uma tradição espanhola, o corpo de Santa Quitéria foi recolhido e sepultado pelos cristãos perto das ruínas de um antigo mosteiro, São Pedro da Mata, da época visigótica, que fora mandado edificar por São Eugênio, bispo de Toledo, no século V. O rei visigodo Wamba, mandou reconstruir o mosteiro para render culto a Santa Quitéria.

Segundo esta versão espanhola da vida de Santa Quitéria, as relíquias da santa foram transladadas para o sul da França no ano de 711, quando da invasão dos árabes, por se temer que elas fossem profanadas. As relíquias foram levadas para a cidade de Aire-sur-Adour, a 100 km da fronteira espanhola. As relíquias foram colocadas em um sarcófago e ali permaneceram até o século XI, sendo seu túmulo confiado aos monges beneditinos da Abadia de Chaise-Dieu. Estes monges edificaram um mosteiro e uma bela igreja no local onde existira a velha igreja dedicada a Santa Quitéria. Em sua cripta românica há um belo sarcófago de mármore onde se guarda as relíquias da santa.
 
FONTE:HEROÍNAS DA CRISTANDADE


ORAÇÕES A SANTA QUITÉRIA


1-PROTEÇÃO CONTRA A IRA DE INIMIGOS


Santa Quitéria que fostes vítima da ira de teu pai, peço-te que rogue a Nosso Senhor Jesus, que me proteja contra a ira de meus inimigos, fazendo com que eu possa a eles me reconciliar, de forma a desfazer a inimizade, se isto não for possível que eu os perdoe do fundo de minha alma. Que assim seja.


2 - PARA LIVRAR-ME DE MINHA IRA

 
Santa Quitéria, vós que fostes perseguida e morta pela ira de teu pai, eu a ti peço que me ajude a me livrar deste sentimento tenebroso a ira, que tantas vezes me invade, em nome de Jesus quero me tornar uma pessoa melhor. Que assim seja.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

VIDA E ORAÇÃO BEATO MIGUEL PRO


BEATO MIGUEL AGUSTIN PRO JUAREZ
23-11



Quem é o padre Miguel Pro?
Miguel Agustín Pro nasceu em 13 de Janeiro de 1891, de uma família rica. Seu pai era um executivo em uma pequena cidade mineira, no estado de Zacatecas. No entanto, Miguel cresceu com um coração simples livre de preconceitos.

Desde a infância ele foi distinguido por um grande senso de humor, costumava sempre visitar as minas do pai e procurava sempre dialogar com os mineiros, ganhando a amizade deles naturalmente, tendo sempre demonstrado preocupação com os menos desvalidos da sorte.
Antes de terminar seus estudos Miguel começou a trabalhar com seu pai no escritório da mina. Não foram fortificados seus talentos naturais e aprendeu a fazer muitas coisas..

Ele foi capaz de captar, de forma exagerada, as características sobre os rostos das pessoa, tornando-se cartunista,também aprendeu a tocar violão e bandolim.

Miguel amava sua família, especialmente suas duas irmãs, que entraram na vida religiosa. Isto irritou Miguel. Vendo o quanto Miguel tinha afetado a entrada de suas irmãs no convento, sua mãe decidiu convidá-lo para um retiro. De lá veio Miguel transformado e decidiu se tornar um padre jesuíta.

Em 11 de agosto de 1911 entrou para o seminário em El Llano, Michoacan, tinha vinte anos. Nesta época, ele contraiu uma doença fatal, que sempre soube esconder bem atrás de seu rosto alegre.
Apesar de suas comédias e grande senso de humor, Miguel era um observador nato e muito religioso da Regra e seus estudos. Eram tempos difíceis devido à perseguição que o governo do México fazia à igreja..
O risco tornou-se o estilo de vida de sacerdotes e religiosos do México, e até mesmo havia sido proibida a celebração da Santa Missa. Muitos foram presos, torturados e deportados, Miguel muitas vezes conseguiu com seus disfarces fugir dos perseguidores.

Miguel, junto com outros seminaristas, recebeu a notícia de que todos  deveriam  sair do país e  continuar  os estudos na Califórnia. Essa foi a última vez que Miguel viu sua mãe neste mundo. Depois de um tempo, Miguel e seus companheiros navegaram para  Espanha, onde ficaram cinco anos..
Foi ordenado sacerdote em 31 de agosto de 1925.

Voltou  para a Igreja Catacumba, no México.
Pai Pro foi devolvido a um México devastado. Os cristãos resistiram aos abusos do governo; Calles decidira governar com mão de ferro. Miguel  veio em seguida, para a capital, que se tornou sua paróquia e cujos paroquianos viviam como em catacumbas, sempre em segredo, escondendo-se sempre, fugiam da polícia.
A primeira coisa que ele fez foi para encontrar seu pai e seus irmãos. Em seguida, ele planejou como orientar e operar levando os ensinamentos cristãos a todos.
Uma vez que começou a trabalhar, implementou todos os truques que tinha aprendido, cada traje para levar Cristo às almas em meio à perseguição severa. Seus truques para fugir da polícia eram muitos e de forma  contínua os diversificava assim como seus trajes.

Ele organizou estações Comunhão ao longo de toda a cidade; estas eram casas onde os fiéis vinham ao encontro da comunhão..
Missas foram celebradas por toda a cidade antes do amanhecer, organizavam guardas para que avisassem caso a polícia chegasse, com constante mudança de chaves, etc..

Os ricos e os pobres se reuniam em pequena sala para adorar ao Senhor e recebê-lo das mãos dos sacerdotes. Aqueles que queriam confessar, tinham de chegar aos locais designados, antes da missa; às vezes às 5h30, verdadeiramente era uma igreja catacumba,, como os primeiros cristãos. Um verdadeiro testemunho de fé.

Em relação à doença grave, Pai Pro  escreveu a seu Superior Provincial: ". Aqui o trabalho é contínuo e difícil eu só posso admirar o grande governante que me permite carregá-lo . ???  Refere-se a sua doença como se não tivesse tempo para pensar nela e que por ele continuaria na sua missão com as dores da doença até o fim do mundo e termina a carta com este pedido:

Estou disponível para qualquer coisa, mas se não houver objeção, gostaria de solicitar o poder para ficar aqui. "

O grande amor que animava o coração de Pai Pro: a fé em Deus; esquecia-se das dores físicas e do perigo que constantemente corria.

Presidente Calles através da polícia tentou parar essas organizações secretas. Prendeu  católicos praticantes e, especialmente, seus líderes, os quais eram  torturados e mortos.




Pai Pro  nunca deixou  seu ministério sacerdotal. Ele usou seus dons e, acima de tudo, sua profunda fé para continuar corajosamente seu ministério. Efetuou algumas manobras que confundiam a polícia. Aqui estão algumas delas.

I) Enquanto polícia  o busca em casa para matá-lo, ele, muito presunçosamente, foi em um teatro ditando conferências espirituais ao longo de um serviço de cem meninas. E nenhum deles disse a ninguém onde o padre Pro foi.

II) Pai Pro estava em  um táxi e de repente percebeu que a polícia o estava seguindo em um outro carro.
- "Você segue o seu caminho sem parar" - disse ao motorista - "Eu me jogo na rua." E ele fez.

Mas, para não ser pego na rua,  ele caminhava  com andar bêbado e dizendo  palavras sem nexo.  A polícia pensou que era um bêbado real e seguiu em frente. Poucos minutos depois eles perceberam os agentes que  o"bêbado" era o "Pai Pro", e voltaram correndo,mas ele já tinha fugido.

III)  Certo dia na rua percebeu que os policiais vinham atrás dele,  ele então foi para uma farmácia e tomando o braço de uma linda jovem, pediu que se passasse por sua namorada no que ela concordou para que ele não fosse preso.
A polícia viu o braço dele com uma menina (ele estava vestido com roupas civis) acreditaram que não poderia ser o pai que eles estavam procurando ... Poucos momentos depois veio o sargento e eles descrevem como era o "namorado "ele gritou com raiva:" Bem, este é o cura Pro! ". Eles correram para prendê-lo, mas ele já tinha escapado novamente.




IV) Enquanto Pai Pro estava num prédio alto, presidindo a uma reunião de meninos da Ação Católica, eles descobriram que a polícia tinha cercado o edifício. Pai escondeu-se em um armário no preciso momento em que o coronel entrou na sala com duas pistolas nas mãos, pedindo para "The Cure Pro". Os meninos disseram que não sabiam onde estaria tal padre, mas os militares, cheio de fúria gritaram: "Vocês tem um minuto para me dizer onde está  o pai, ou mato a todos.." Mas então ele sentiu um canhão frio no pescoço. Era o padre Pro, que havia deixado o gabinete.

-Abaixe essas armas ou morre", disse o padre. Coronel, tremendo, deu as armas, foram recolhidas pelos meninos. - "Agora vocês fogem", gritou o jovem Miguel Pro. E eles foram se esconder correndo para fora do prédio. Em seguida, o pai disse com tom travesso: "E você, o coronel, volte-se, para ver como ele o havia desarmado. O coronel se virou e viu com grande humilhação que o cano frio que sentira medo no pescoço foi o fundo de uma garrafa vazia. Com uma garrafa vazia simples tinha desarmado o pequeno pai um coronel que havia carregado pistolas em suas mãos.

Um mártir mexicano para a Igreja
O movimento teve como principal líder e Pai Pro slogan: "Viva Cristo Rey". Então, em meio esconderijos, incertezas, lutas, medo, fé, coragem, dor ... ele passou cerca de um ano e meio. Presidente Calles mandou prendê-lo, acusando-o de ser responsável por uma conspiração e ataques e ações revolucionárias contra o governo, com tudo absolutamente falso.
No final, para evitar que eles matassem vários católicos que estavam presos, Pai Pro foi entregue à polícia,

Ele foi preso e dado sentença de morte. Em 23 de novembro de 1927, em vez de disparar um dos policiais perguntou se ele o perdoava.. O pai respondeu: "Não só perdôo você, mas eu sou extremamente grato". Disseram-lhe qual era o seu último desejo.


Pai Pro disse: "Estou absolutamente desconhecendo todo este problema que me acusam, .. nego terminantemente qualquer envolvimento na trama." "Eu quero que me deixem alguns momentos para rezar e  me confiar ao Senhor". Ele se ajoelhou e disse, entre outras coisas. "Senhor, tu sabes que eu sou inocente, perdoo meus inimigos de coração.”

Antes de atirarem nele, Pai Pro orou por seus algozes: "Deus tenha misericórdia de vocês", e também abençoou:. "Deus os abençoe" Ele abriu os braços cruzados. Ele tinha o rosário em uma mão e um crucifixo na outra. Ele exclamou: "Viva Cristo Rei!". Essas foram suas últimas palavras. Em seguida, o golpe de misericórdia.

ORAÇÃO AO PAI PRO

Pai Venerável Pro, você aprendeu a viver a sua vocação nas circunstâncias mais difíceis, nos ajude com suas orações para sermos católicos (cristãos) corajosos e não ceder às tentações deste mundo. Que a nossa vida, como a sua, dê muito fruto para a glória de Deus e o bem das almas. Que assim seja




ORAÇÃO


Que Deus Pai Infinitamente misericordioso permita que em  nome de Jesus Cristo o Pai Pro nos ensine a amar o nosso próximo com toda a nossa alma, como Jesus nos ensinou, e que nossa Fé seja o nosso sustento e a certeza do nosso futuro. Pois com Deus e Jesus no coração alcançaremos a melhora do mundo em que vivemos. Que assim seja.


Obs: No México durante o governo do presidente Plutarco Elias Calles, o “Nero do México”, a história começa justamente em julho de 1926, quando Pro regressava do exterior, mergulhando numa crise que resultaria no fuzilamento de 160 padres. De fato, poucas semanas após sua chegada, publicou-se um decreto oficial que proibia todo culto público e sujeitava todos padres à prisão. O presidente Calles queria implantar o ateísmo.

FONTE:


domingo, 6 de setembro de 2015

LUIGI E MARIA BELTRAME QUATTROCCHI - CASAL BEATIFICADO





Luigi e Maria foram o primeiro casal beatificado por João Paulo II e isso aconteceu no dia 21 de outubro de 2001.


Na história da Igreja foi um acontecimento inédito. Um casal do século XX declarado beato, os filhos presentes na cerimônia de beatificação dos pais, dois deles sacerdotes concelebravam com João Paulo II, tudo isso na mesma Igreja onde cem anos atrás os pais deram-se um ao outro em matrimônio.

Estamos falando de Luigi e Maria Beltrame Quattrocchi, declarados beatos por João Paulo II no dia 21 de outubro de 2001, dia também em que a Igreja celebrou os vinte anos da Exortação Apostólica “Familiaris consortio”, documento que ainda hoje demonstra grande atualidade, pois, além de ilustrar o valor do matrimônio e as tarefas da família, convida a um particular empenho no caminho de santidade ao qual os esposos são chamados devido à graça sacramental, que “não se esgota na celebração do matrimônio, mas acompanha os cônjuges ao longo de toda a existência”

A vida desse casal é um sinal vivo do que afirma o Concílio Vaticano II sobre a vocação de todos os fiéis leigos à santidade, especificando que os cônjuges devem procurar esse objetivo seguindo o seu próprio caminho. Para eles a fidelidade ao Evangelho e a heroicidade das virtudes foram relevadas a partir da sua existência como cônjuges e como pais.

Luigi e Maria Beltrame Quattrocchi nasceram ambos na Itália, ele na Catânia, no dia 12 de janeiro de 1880, ela em Florença, no dia 24 de junho de 1884.
Luigi era um brilhante advogado que culminou sua carreira sendo vice-advogado geral do Estado italiano.
Maria Corsini, nascida numa família nobre de Florença era professora e escritora, apaixonada pela música. Trabalhou como enfermeira voluntária da Cruz Vermelha durante a guerra da Etiópia e a Segunda Guerra Mundial. Catequista, era também comprometida com várias associações de caridade, como a Ação Católica Feminina. Os dois se conheceram em Roma e se casaram na Basílica de Santa Maria Maior no dia 25 de novembro de 1905. Receberam com docilidade a graça matrimonial que os levou a santificar-se apoiando-se um ao outro e acolhendo com alegria os frutos do seu amor: quatro filhos, a quem deram afeto, educação e, de forma especial, um testemunho de fidelidade e generosa caridade.
Não eram raras as vezes em que seus filhos os viram acolhendo em casa refugiados da guerra e organizando grupos de “scouts” com jovens dos bairros pobres de Roma durante o pós-guerra.

Dos quatro filhos que tiveram, três seguiram a vida religiosa, Stephania, sua primeira filha, tornou-se monja beneditina e recebeu o nome de Maria Cecília, ambos os filhos sentiram-se chamados ao sacerdócio, Filippo, hoje padre Tarcísio, é padre diocesano de Roma, e Cesare tornou-se monge trapista.
Quando Maria estava grávida de sua última filha viveu um tempo de grande prova. Tendo sido acometida por um problema grave de saúde e por uma gravidez complicadíssima, foi aconselhada pelos médicos a abortar para que ao menos sua vida fosse poupada. A possibilidade de sobrevivência com esse diagnóstico era de 5%, no entanto Maria e Luigi preferiram arriscar e colocaram toda a sua confiança no Senhor. Enrichetta nasceu com saúde e está hoje com 89 anos, estando inclusive presente na cerimônia de beatificação dos pais.

Em novembro de 1951, aos 71 anos, Luigi faleceu vítima de uma parada cardíaca. Quatorze anos mais tarde, aos 81 anos, Maria faleceu nos braços de Enrichetta, em sua casa nas montanhas. Em 1993, sua filha mais velha, irmã Maria Cecília, se uniu aos pais.

Lendo sobre a vida desse casal podemos nos questionar por que somente depois de 2000 anos um casal foi beatificado pela Igreja? E por que precisamente este casal foi digno de tão alto reconhecimento? Com certeza, tudo está relacionado ao mistério dos desígnios de Deus, mas acreditamos que a Igreja viva um tempo de graça especial e que muitos outros casais serão também reconhecidos pela sua santidade de forma pública e universal – já que muitos o são no escondimento do dia-a-dia –, sem necessariamente precisarem esperar tantos séculos por isso.

Ao lermos a homilia de João Paulo II no dia da beatificação compreendemos que o segredo da santidade na vida matrimonial consiste em viver a vida ordinária de forma extraordinária. Luigi e Maria, entre as alegrias e preocupações de uma família normal, que os casais conhecem tão bem, souberam realizar uma existência rica de espiritualidade. Viviam a Eucaristia de forma cotidiana, também a devoção à Virgem Maria quando a família, que era consagrada ao Sagrado Coração de Jesus, unida, rezava todas as noites o rosário. Nunca faltavam os momentos de lazer e esporte, gostavam de passar as férias nas montanhas e no mar. Sua casa era sempre aberta aos amigos numerosos e àqueles que batiam em sua porta em busca de alimento.

Maria dizia sobre os filhos: “Educamo-los na fé, para que conhecessem e amassem a Deus”. Os mesmos recordam que a vida familiar era marcada pelo sentido do sobrenatural. “Um aspecto que caracteriza nossa vida em família – recorda o filho mais velho – era o clima de normalidade que nossos pais haviam suscitado na busca diária pelos valores transcendentes”. “Nunca havia imaginado que os meus pais seriam proclamados santos pela Igreja, mas posso afirmar com sinceridade que sempre percebi a extraordinária espiritualidade deles. Em casa sempre se respirou um clima sobrenatural, sereno, alegre, não careta.”

João Paulo II diz ainda que “Luigi e Maria viveram, à luz do Evangelho e com grande intensidade humana, o amor conjugal e o serviço à vida. Assumiram com responsabilidade total a tarefa de colaborar com Deus na procriação, dedicando-se generosamente aos filhos a fim de os educar, guiar e orientar na descoberta dos seus desígnios de amor. Deste terreno espiritual tão fértil surgiram vocações para o sacerdócio e para a vida consagrada, que demonstram como o matrimônio e a virgindade, a partir do comum enraizamento no amor esponsal do Senhor, estão intimamente relacionados e se iluminam reciprocamente. Foram cristãos convictos, coerentes e fiéis ao seu próprio batismo; foram pessoas cheias de esperança, que souberam dar o justo significado às realidades terrenas, tendo os olhos e o coração postos sempre na eternidade. Fizeram da sua família uma autêntica igreja doméstica, aberta à vida, à oração, ao testemunho do Evangelho, ao apostolado social, à solidariedade com os pobres, à amizade”.



O testemunho de vida de Luigi e Maria nos confirma que o caminho de santidade percorrido como casal é possível e belo, é caminho de felicidade, mesmo em meio às dores e provações do dia-a-dia. Peçamos ao Senhor a graça de existirem cada vez mais casais que, seduzidos por Cristo e invadidos pelo Espírito Santo, façam transparecer, na santidade da sua vida, toda a beleza do amor conjugal manifestado através do sacramento do matrimônio. E que cresça de forma generosa o número de casais beatificados e canonizados pela Igreja, para que os casais tenham modelos a seguir e intercessores a quem suplicar.