Seguidores

TRADUTOR

terça-feira, 31 de maio de 2011

PAI NOSSO

PAI NOSSO
Pai nosso que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome!
Venha a nós o vosso reino!
Seja feita a vossa vontade assim na Terra como nos Céus!
O pão nosso de cada dia nos dai hoje!
Perdoai nossas dívidas como nós as perdoamos àqueles que nos devem!
Perdoai nossas ofensas como nós perdoamos àqueles que nos ofenderam!
Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal!
Que Assim Seja!

ORAÇÃO PARA TER UM BOM DIA

BOM DIA

Maria, minha querida e terna Mãe, colocai vossa mão sobre minha cabeça.

Guardai minha mente, coração e sentidos, para que eu não cometa o pecado.

Santificai meus pensamentos, sentimentos, palavras e ações, para que eu possa agradar a Vós e ao vosso Jesus e meu Deus.

E assim, possa partilhar da vossa felicidade no céu.

Jesus e Maria dai-me vossa bênção: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Que Assim Seja

sábado, 28 de maio de 2011

ORAÇÃO A VIRGEM MARIA

VIRGEM MARIA
(Maio mês de Maria)

Senhora mãe da humanidade
Maria de maio, de graças sem fim
Maria de todas as horas
Rainha do céu, Maria do Sim
Tu és a Serva do Senhor
Bendita entre todas as mulheres
Mãe do amor presente
Presente no sorriso e na dor
Maria meu porto seguro
Rosa mística, perfume da flor
Com teu  olhar materno
Olhai por nós filhos teus
Amparai com teu manto sagrado
Interceda ao teu Filho amado
Mãe  querida dos filhos de Deus.


Oração de autoria de Dora Duarte, publicado no Recanto dos Autores em 26/05/2011.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

VIDA E ORAÇÃO DE SÃO BRÁS


(03 DE FEVEREIRO)

ORAÇÃO A SÃO BRÁS

Ó bem-aventurado são Brás, que recebestes de Deus o poder de proteger os homens contra as doenças da garganta e outros males, afastai de mim a doença que me aflige, conservai a minha garganta sã e perfeita para que eu possa falar corretamente e assim proclamar e cantar os louvores de Deus.
Eu vos prometo, São Brás, que a fala que sair da minha garganta será sempre: de verdade e não de mentira.
De justiça e não de calúnias.
De bondade e não de aspereza.
De compreensão e não de intransigência.
De perdão e não de condenação.
De desculpa e não de acusação.
De respeito e não de desacato.
De conciliação e não de intriga.
De calma e não de irritação.
De desapego e não de egoísmo.
De edificação e não de escândalo.
De ânimo e não de derrotismo.
De conformidade e não de lamúrias.
De amor e não de ódio.
De alegria e não de tristeza.
De fé e não de descrença.
De esperança e não de desespero.
São Brás, conservai minha garganta livre daquela doença braba para que minhas palavras possam louvar a Deus, meu criador, e agradecer a vós, meu protetor.

Que Assim Seja.

VIDA DE SÃO BRÁS

O santo de hoje nasceu na cidade de Sebaste, Armênia, no final do século III. São Brás, primeiramente, foi médico, mas entrou numa crise, não profissional, pois era bom médico e prestava um ótimo serviço à sociedade. Mas nenhuma profissão, por melhor que seja, consegue ocupar aquele lugar que é somente de Deus. Então, providencialmente, porque ele ia se abrindo e buscando a Deus, foi evangelizado. Não se sabe se já era batizado ou pediu a graça do Santo Batismo, mas a sua vida sofreu uma guinada. Esta mudança não foi somente no âmbito da religião, sua busca por Nosso Senhor Jesus Cristo estava ligada ao seu profissional e muitas pessoas começaram a ser evangelizadas através da busca de santidade daquele médico.

Numa outra etapa de sua vida, ele discerniu que precisava retirar-se. Para ele, o retiro era permanecer no Monte Argeu, na penitência, na oração, na intercessão para que muitos encontrassem a verdadeira felicidade como ele encontrou em Cristo e na Igreja. Mas, na verdade, o Senhor o estava preparando, porque, ao falecer o bispo de Sebaste, o povo, conhecendo a fama do santo eremita, foi buscá-lo para ser pastor. Ele, que vivia naquela constante renúncia, aceitou ser ordenado padre e depois bispo; não por gosto dele, mas por obediência.

Sucessor dos apóstolos e fiel à Igreja, era um homem corajoso, de oração e pastor das almas, pois ele cuidava da pessoa na sua totalidade. Evangelizava com o seu testemunho.

São Brás viveu num tempo em que a Igreja foi duramente perseguida pelo imperador do Oriente, Licínio, que era cunhado do imperador do Ocidente, Constantino. Por motivos políticos e por ódio, Licínio começou a perseguir os cristãos, porque sabia que Constantino era a favor do Cristianismo. O prefeito de Sebaste, dentro deste contexto e querendo agradar o imperador, sabia da fama de santidade do bispo São Brás, enviou os soldados para o Monte Argeu, lugar que São Brás fez de sua casa episcopal. Dali, ele governava a Igreja, embora não ficasse apenas naquele local.

São Brás foi preso e sofreu muitas chantagens para que renunciasse à fé. Mas por amor a Cristo e à Igreja, preferiu renunciar à própria vida. Em 316, foi degolado.

Conta a história que, ao se dirigir para o martírio, uma mãe apresentou-lhe uma criança de colo que estava morrendo engasgada por causa de uma espinha de peixe na garganta. Ele parou, olhou para o céu, orou e Nosso Senhor curou aquela criança.

Peçamos a intercessão do santo de hoje para que a nossa mente, a nossa garganta, o nosso coração, nossa vocação e a nossa profissão possam comunicar esse Deus que é amor.

São Brás, rogai por nós!

terça-feira, 24 de maio de 2011

ORAÇÃO PARA OS PAIS

PAIS

ORAÇÃO PARA OS PAIS 

Senhor, meu Deus, Vós quereis que respeite, ame e obedeça a meus queridos pais.

Peço-vos que Vós mesmo me inspireis o respeito e a reverência que lhes devo e fazei que lhes seja filho amante e obediente.

Recompensai-lhes todos os sacrifícios, trabalhos e cuidados, que por minha causa têm suportado e retribui-lhes todo o bem que me fizeram no corpo e na alma, pois eu por mim não posso pagar-lhes tudo isto.

Conservai-lhes uma longa vida no gozo de perfeita saúde do corpo e da alma. 

Deixai-os participar da benção piedosa, que derramastes sobre os patriarcas.

Fazei-os crescer na virtude, para que suas almas consigam efetuar a verdadeira reforma interior, afirmando os alicerces do Cristo amado a fim de que um dia tornemos a nos ver no céu, para cantar os Vossos louvores por todos os séculos dos séculos.

Que Assim Seja.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

ORAÇÃO PARA CONSEGUIR EMPREGO

JESUS E VIRGEM MARIA

ORAÇÃO 1


Jesus abre-me uma porta!

Senhor atende este clamor que brota do mais íntimo do meu coração: abre-me uma porta!

Só Tu sabes e conheces, Jesus, o momento de dificuldade pelo qual eu (diga aqui seu nome) e toda a minha família estamos passando por causa do desemprego.


Tu sabes também, Senhor, com quanta esperança eu me aproximo de Ti para pedir que vás à minha frente, abrindo uma porta e preparando um emprego, para que eu possa, através de um trabalho digno, dar à minha família "o pão de cada dia".

Por que tu és, ó meu Deus, minha esperança!

Peço ainda que me concedas todo ânimo, confiança, destemor e fortaleza para sair de minha casa em busca desse trabalho, na certeza de que Tuas mãos, estendidas em meu favor, baterão nas portas antes de mim, preparando a minha entrada num emprego segundo a Tua vontade.

Confiando inteiramente na Tua Palavra que diz "Batei e abrir-se-á (...), ao que bater se lhe abrirá", já agradeço de todo o meu coração, porque acredito que "a Deus nenhuma coisa é impossível.”

Que Assim Seja.

Reze várias vezes por dia e principalmente antes de sair para procurar um emprego repita estas palavras: "Jesus Misericordioso, abre-me uma porta e concede-me esta graça!"

ORAÇÃO 2

São Jorge, cavaleiro corajoso, intrépido e vencedor, abre os meus caminhos, ajuda-me a conseguir um bom emprego.

Faze com que eu seja bem quisto por todos
superiores, colegas e subordinados.

Que a paz, o amor e a harmonia estejam sempre presentes no meu coração, no meu lar e no meu serviço.

Vela por mim e pelos meus, protegendo-nos  sempre, abrindo e iluminando os nossos caminhos, ajudando-nos também a transmitirmos paz, amor e harmonia a todas os que nos cercam.

Que Assim Seja.

SIMPATIA PARA CONSEGUIR EMPREGO.

Em uma igreja, acenda todas as velas brancas do maço de uma vez, oferecendo a Santa Rita de Cássia.

Faça uma oração a santa e peça que lhe ajude a conseguir um emprego rápido.

Apague as velas antes que acabem de queimar embrulhe-as em um pedaço de papel azul, amarre com um metro do barbante e guarde o pacote com você.

Quando conseguir o emprego, acenda as velas novamente na igreja e repita a oração agradecendo a Santa Rita de Cássia, e deixe-as queimar ate o fim.

sábado, 21 de maio de 2011

ORAÇÃO PARA TER FORÇA E CORAGEM

FORÇA E CORAGEM
Que eu nunca peça para ficar livre dos perigos, mas coragem para enfrentá-los...
Que eu nunca mendigue paz para a minha dor,
mas coragem e coração forte para dominá-la...
Que eu não procure aliados na batalha da vida,
mas a minha própria força em Ti...
Que eu não anseie medrosamente pela salvação,
mas esperança e paciência para conquistar a
minha liberdade.
Senhor, garante que eu não seja tão covarde para sentir a Tua misericórdia apenas no meu triunfo... 
Permite-me encontrar o Teu aperto de mão no meio de meu fracasso.
Que Assim Seja.

ORAÇÃO PARA TER ÂNIMO

ÂNIMO

Meu Deus, a ti eu clamo: dentro de mim há trevas, mas em ti encontro a luz.
Estou sozinho, mas tu não me abandonas.
Estou desanimado, mas em ti encontro auxílio.
Estou inquieto, mas em ti encontro paz.
Dentro de mim há amargura, mas em ti encontro paciência.
Não compreendo teus planos, mas tu conheces o meu caminho.

Que Assim Seja.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE

SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE


(16 DE OUTUBRO)

VIDA DE SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE

Santa Margarida Maria Alacoque, nasceu em 22 de agosto de 1647,  na diocese de Autun (França).  Desde a mais tenra idade, até a sua adolescência sofreu as mais duras provações.  Já com saúde frágil, não tinha completado ainda oito anos quando perdeu o pai e logo em seguida a irmã. A mãe e os irmãos, eram vítimas das  perseguições diárias de tias rabugentas com as quais habitavam.  Sua mãe, sofrendo de longa e dolorosa doença, foi carinhosamente amparada pela pequena Margarida, apesar da repulsa que certos cuidados exigiam à sua extrema sensibilidade.

A sua mudança para o convento das Irmãs Clarissas, que cuidariam dela e de seu aprimoramento religioso, representou um período difícil pela separação da vista da mãe. A decisão de enviá-la para as Clarissas não foi tanto pelas inconveniências em cuidar da mãe, mas principalmente pela luta diária diante da falta de amabilidade e incompreensão dos que a rodeavam.  Permaneceu no convento das Clarissas, porém, ligada à vida secular até atingir a juventude.

Certo dia, quando participava de uma missa, mesmo sem conhecer o sentido exato, pronunciou inspiradas palavras de consagração ao Senhor: "Ó meu Deus", disse, "consagro-vos a minha pureza e faço-vos voto perpétuo de castidade".

Uma doença, porém, passou a lhe atormentar por um período de quatro anos, de modo que o sofrimento tornou-se constante, já que nenhum medicamento era eficaz para abrandar as intensas dores no organismo.   Foi quando, milagrosamente, a doença regrediu até a cura, e por este motivo consagrou-se à Virgem Maria, prometendo entrar no serviço religioso.

Estava decidida a ingressar na Congregação das Ursulinas, quando uma voz secreta disse-lhe: "Não a quero lá, mas em Santa Maria!” Estava claro que o Senhor destinara ela para a Congregação das Irmãs da  Visitação e isto já era prefigurativo de como ela iria glorificar o Senhor na propagação do Coração de Jesus. As palavras do fundador da Ordem da Visitação, São Francisco de Sales, quando escreveu a Santa Jeanne de Chantal em 10/06/1611, demonstravam já a devoção da congregação aos Corações de Jesus e Maria:  "Realmente, a nossa  pequena congregação é uma obra do Coração de Jesus e de Maria".   Devoção correlatada por Santa Jeanne de Chantal: "As Irmãs da Visitação são bem humildes e fiéis a Deus, e terão o Coração de Jesus como residência e estada neste mundo".

Santa Margarida foi acolhida no convento das Irmãs da Visitação de Paray-le-Monial. Ali mesmo o Senhor se manifestaria a ela em revelações distintas, relativas à difusão da consagração e amor ao Seu Coração.  Apareceu-lhe por numerosas vezes, e deu a conhecer que seria ela o instrumento para arrebanhar o maior número de pessoas ao Amor de Seu Coração. A essência da mensagem, porém, agrupa-se em três  revelações.

A primeira ocorreu em 27 de dezembro de 1673, conforme relatou Santa Margarida: "Diversas vezes, diante do Santíssimo Sacramento... encontrei-me inteiramente investida desta divina presença... eu abandonei-me ao Seu Divino Espírito, por força do Amor o Seu divino Coração... Ele me fez repousar de forma extrema e por um longo tempo sobre o Seu divino peito, onde pude descobrir as maravilhas do Seu amor, e os segredos mais profundos e inexplicáveis do Sagrado Coração... Ele me disse”: "O Meu divino Coração transborda de amor para os homens, de modo especial por você, que não poderá mais conter para si a luz das chamas da brilhante caridade; é necessário que seja difundida aos homens, e que lhes seja manifesto para enriquecê-los dos preciosos tesouros que te revelei...".

A segunda, provavelmente deu-se em uma das primeiras sextas-feiras do ano 1674: "E numa das vezes, entre tantas outras, em que o Santíssimo Sacramento estava exposto, após ser eu retirada do interior de mim mesma... Jesus Cristo, Meu suave Mestre, apresentou a mim, repleto da sua glória, suas cinco chagas, brilhantes como cinco sóis, e destas sagradas chagas saíam chamas de todas as partes, sobretudo do Seu adorável peito, semelhante a uma fornalha; neste instante revelou-me todo o amor e todo o seu amável Coração e o estado da fonte viva destas chamas. Ele revelou-me as  maravilhas inexplicáveis de seu Puro Amor,  excessivamente entregue aos homens,  dos quais recebia apenas frieza e ingratidão...".

Na terceira, ocorrida durante o mês de junho de 1675, Jesus exigiu que fosse feita uma festa especial ao Seu Sagrado Coração: "Numa das tantas vezes em que encontrava-me diante do Santíssimo Sacramento, revelou-me Deus as  graças excessivas de Seu Amor... Então, mostrando-me Seu divino Coração, disse”: "Aí está o Coração que tanto tem amado os homens, a ponto de nada poupar até exaurir-se e  consumir-se para demonstrar-lhes o seu amor;  ... eu te exijo mais,  que  na primeira Sexta-feira de acordo com a oitava do Santíssimo Sacramento, seja dedicada e junte-se à esta festa por honra ao Meu Sagrado Coração, fazendo que seja de igual honra  àquele dia, a fim de reparar as indignidades e ultrajes durante o tempo em que o viram exposto sobre os altares”.

Santa Margarida, porém, enfrentaria diversos  obstáculos na propagação das revelações feitas a ela por Nosso Senhor.  Não tardou que fossem levantadas  críticas e  colocadas  em dúvida as suas experiências místicas. Submetida às mais duras provações e intensas humilhações, Deus enviou ao mosteiro um santo sacerdote que, a princípio passou a estudar minuciosamente os fenômenos relatados. Posteriormente, tornaria-se ele propagador e apóstolo do Sagrado Coração de Jesus: Padre Cláudio de La Colombiere.

No último ano da sua vida, Santa Margarida teve a oportunidade de ver a propagação da devoção ao Sagrado Coração de Jesus; viu também um grande número de críticos e opositores tornarem-se fervorosíssimos propagadores da santa devoção. Deus revelou-lhe o mistério da Santíssima Trindade, durante uma das suas aparições.

Jesus deixou grandes promessas às pessoas que, aproveitando-se da Sua divina misericórdia, participassem das comunhões reparadoras das primeiras sextas-feiras: "Prometo-te, pela Minha excessiva misericórdia e pelo amor todo-poderoso do meu Coração, conceder a todos os que comungarem nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, a graça da penitência final; não morrerão em minha inimizade, nem sem receberem os sacramentos, e meu divino Coração lhes será seguro asilo nesta última hora". Tais manifestações divinas, sucederam num período em que a heresia jansenista, retratava um braço do protestantismo a propagar seus erros no seio da Igreja, tentando aniquilar a concepção da misericórdia de Deus e  da confiança dos fiéis em relação ao Pai Celeste.  A mensagem misericordiosa de Cristo, que aos poucos foi se impondo no convento da Visitação, acabou espalhando-se rapidamente entre as nações e em seguida instituída a sua prática em toda a Igreja Universal.

Santa Maria Margarida Alacoque morreu jovem, aos 43 anos de idade, em 17 de outubro de 1690 e foi canonizada em 1920, pontificado do Papa Bento XV.

Reflexões

A história de Santa Margarida nos transporta ao Evangelista e Apóstolo João, que tinha por costume reclinar sua cabeça junto ao peito de Jesus.  Ali encontrava abrigo e proteção, com íntima pureza de criança, ouvia as batidas do Sagrado Coração, penetrando em todos os seus insondáveis mistérios, na plenitude de Sua misericórdia, do Seu Amor infinito.  Os evangelistas referem-se a ele como "o discípulo que Jesus amava".  Ele que, junto a Maria Santíssima fez-se presente aos pés da Santa Cruz, ele, que representando toda a humanidade, recebeu das mãos de Jesus a Maria.  A Mãe de Deus, naquele momento, era a ele confiada como Mãe de todos os homens. É certo que São João foi Maternalmente consolado e amparado, encontrando  junto ao Imaculado Coração, o mesmo aconchego filial que recebera carinhosamente do Divino Mestre.

Santa Margarida, ao ser milagrosamente curada, propôs-se a entrar no Convento das Irmãs Ursulinas, mas Jesus como que "cochichando" em seu ouvido, mandou que ingressasse no Mosteiro de Santa Maria da Visitação, pela devoção que a congregação cultivava pelos Corações de Jesus e Maria.  Assim como São João, Santa Margarida conheceu o Coração de Jesus de perto, penetrando nas suas mais íntimas maravilhas, impossíveis de serem assimiladas pelo nosso frágil discernimento.  Mas é justamente para nós que está direcionada esta graça, a graça de obter os favores espirituais através da devoção ao Sagrado Coração de Jesus. É mais um dom precioso que o Senhor nos deixou por herança. Não passemos indiferentes diante deste tesouro valiosíssimo, capaz de proporcionar abundantes graças não só para nós ou para nossas famílias, mas extensiva a todas as pessoas que andam mais afastadas da fé em Cristo e particularmente, às almas que ainda padecem no purgatório.

Sua festa é celebrada no dia 16 de outubro.

ORAÇÃO A SANTA MARGARIDA MARIA ALACOQUE

Santa Margarida, tu que fostes participante dos tesouros divinos do Sagrado Coração de Jesus, alcançai-nos, suplicamos-te, as graças que urgentemente precisamos.

Nós pedimos estas graças com confiança ilimitada.

Que o Divino Coração de Jesus nos conceda, por sua interseção, que mais uma vez possamos amá-Lo e glorificá-Lo através de ti.

Que assim seja.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTO ANTÃO OU SANTO ANTONIO DO DESERTO



(17 DE JANEIRO)

ORAÇÃO A SANTO ANTÃO (1)
(Para curar moléstias da pele)

Deus, Todo-poderoso, que sentis prazer em glorificar Vossos servidores, eu Vos peço, humildemente, socorrei-me em minha aflição, pela intercessão de Santo Antão, Eremita, que hoje estou implorando.
Ouvi a minha prece, Senhor Deus, pelo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que assim seja.

(Rezar Creio em Deus Pai, Pai-Nosso e Ave-Maria.)

Repetir três vezes: Santo Antão, Eremita, que nunca faltais com o vosso socorro aos que vos invocam, rogai por nós.

ORAÇÃO A SANTO ANTÃO (2)

Ó Deus, que permitistes que, mesmo na solidão de uma gruta, no deserto, o demônio perturbasse Santo Antão com violentas tentações, mas lhe destes força de vencê-las, enviai-me, do céu, o vosso socorro, porque eu vivo num ambiente minado de tentações que me agridem, pelo rádio, televisão, novelas, bailes, cinemas, revistas, propagandas e maus companheiros.

Santo Antão, ficai sempre ao meu lado; vós que vencestes o demônio, na aparência de um bicho imundo, me dareis força na tentação. Na hora da tentação, socorrei-me Santo Antão. 

Que assim seja.

VIDA DE SANTO ANTÃO

Antonio do Deserto nasceu na cidade de Conam, no coração do antigo Egito, em 251, e batizado com o nome de Antão. Era o primogênito de uma família cristã de camponeses abastados e tinha apenas uma irmã.

Aos vinte anos, com a morte dos pais, herdou todos os bens e a irmã para cuidar. Mas, numa missa, foi tocado pela mensagem do Evangelho em que Cristo ensina a quem quer ser perfeito: "Vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro nos céus. Depois, vem e me segue". Foi exatamente o que ele fez. Distribuiu tudo o que tinha aos pobres, consagrou sua irmã ao estado de virgem cristã e se retirou para um deserto não muito longe de sua casa.

Passou a viver na oração e na penitência, dedicado exclusivamente a Deus. Como, entretanto, não deixava de atender quem lhe pedia orientação e ajuda, começou a ser muito procurado. Por isto, decidiu se retirar ainda para mais longe, vivendo numa gruta abandonada, por dezoito anos. Assim surgiu Antonio do Deserto o único discípulo do santo mais singular da Igreja: São Paulo, o ermitão.

Mas seus seguidores não o abandonavam. Aos cinqüenta e cinco anos, atendeu o pedido de seus discípulos, abandonando o isolamento do deserto. Com isto, nasceu uma forma curiosa de eremitas, os discípulos viviam solitários, cada um em sua cabana, mas todos em contato e sob a direção espiritual de Antonio.

A fama de sua extraordinária experiência de vida santa no deserto, correu o mundo. Passou a ser o modelo do monge recluso e chamado, até hoje, de "pai dos monges cristãos". Antonio não deixou de ser procurado também pelo próprio clero, por magistrados e peregrinos que não abriam mão de seus conselhos e consolo. Até o imperador Constantino e seus filhos estiveram com ele.

Mas, o corajoso Antonio esteve em Alexandria duas vezes: em 311 e 335. A primeira para animar e confortar os cristãos perseguidos por Diocleciano. E a segunda, para defender seu discípulo Atanásio, que era o bispo, e estava sendo perseguido e caluniado pelos arianos e para exortar os cristãos a se manterem fiéis à doutrina do Concílio de Nicéia de 325.

Ele também profetizou sua morte, depois de uma última visão de Deus com seus santos, que ocorreu aos cento e cinco anos, em 17 de janeiro de 356, na cidade de Coltzum, Egito. Antonio do Deserto ou Antão do Egito, foi colocado no Livro dos Santos para ser cultuado no dia de sua morte. Santo Atanásio foi o discípulo e amigo que escreveu sua biografia, registrando tudo sobre o caráter, costumes, obras e pensamento do monge mais ilustre da Igreja Católica antiga.

As suas relíquias são conservadas na igreja de Santo Antonio de Viennois, na França, onde os seus discípulos construíram um hospital e numerosas casas para abrigar os doentes abandonados. Mais tarde, se tornaram uma congregação e receberam o nome de "Ordem dos Hospedeiros Antonianos", que atravessou os séculos, vigorosa e prestigiada.

Frases e ensinamentos de Santo Antão:

"A maior obra dos homens é esta: ser capaz de manter seus pecados diante de Deus e estar preparado para a tentação até o último suspiro."

"Quem não tiver sido tentado, não poderá entrar no reino do céu. Se suprimires a tentação, ninguém se salvará."

"Aquele que senta-se em solicitude e quietude, escapou de três batalhas: ouvindo, falando e vendo. Mas mesmo assim ele tem uma constante guerra: no seu próprio coração."

Sua festa é celebrada no dia 17 de janeiro.

domingo, 15 de maio de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA ESCOLÁSTICA


(10 DE FEVEREIRO)

Escolástica, irmã gêmea de São Bento, grande fundador das Ordens monásticas no Ocidente, nasceu em Spoleto, na Itália, e teve como o irmão, uma educação primorosíssima de pais piedosos e tementes a Deus.

Modelo de donzela cristã, Escolástica era piedosa, virtuosa, cultivadora da oração, temente a Deus e inimiga do espírito do mundo e das vaidades.

Igual ao irmão nutria o desejo de dedicar a vida exclusivamente ao serviço de Deus.

Bento tinha fundado o mosteiro no Monte Cassino, e em sua companhia já viviam muitos religiosos, que observavam a regra por ele elaborada.

Ao irmão se dirigiu Escolástica, com o pedido de indicar-lhe o caminho a tomar, para realizar seu plano.

São Bento mandou construir uma pequena cela perto do mosteiro e deu-lhe uma norma de vida, nos traços principais igual à dos monges.

À eremita associaram-se, pouco a pouco, muitas pessoas de seu sexo e a construção de um grande convento impôs-se como necessária.

É esta a história da fundação da Ordem das Beneditinas, que teve uma aceitação simpática em todo o mundo, chegando a contar 14.000 mosteiros. Escolástica foi a primeira Superiora Geral. Nesta qualidade não só trabalhou para sua santificação, mas zelou também pela fiel observação da regra em todos os mosteiros.

Nos conventos das monjas beneditinas era observada rigorosamente a clausura, sendo proibida a entrada a homens.

Só uma vez por ano Escolástica recebia a visita do irmão.

O lugar onde realizava esse encontro, era uma casa, nas proximidades do Monte Cassino.

Em uma dessas visitas, quando tinham já tomado a refeição da tarde, e São Bento se aprontava para voltar ao mosteiro, Escolástica lhe disse: “Peço-te, meu irmão, que te detenhas esta noite aqui, para que possamos conversar sobre as coisas celestes”.

São Bento, não querendo passar a noite fora do mosteiro, não a quis atender.

Escolástica pôs as mãos sobre a mesa, inclinou a cabeça sobre elas e nesta posição pediu a Deus que lhe proporcionasse o consolo de conversar sobre coisas religiosas com o irmão até o dia seguinte.

Eis que inesperadamente se anuviou o céu, desabou forte tempestade e a chuva caiu com tanta quantidade, que São Bento e os companheiros se viram obrigados a ficar.

Embora o Santo reconhecesse a intervenção de Deus no efeito da oração da irmã, disse-lhe em tom de repreensão: “Deus te perdoe, minha irmã, o que fizeste”.

Escolástica, porém, respondeu: “Eu te pedi e não quiseste atender-me; dirigi-me a Deus e fui ouvida”.

Tendo ambos passado a noite em piedosos colóquios, no dia seguinte se separaram e para sempre.
Três dias depois Escolástica trocou esta pátria provisória pela eterna, entregando a alma a Deus.
São Bento viu a alma da irmã, qual uma pomba, subir ao céu.

O corpo de Escolástica foi transportado para o mosteiro de São Bento, e sepultado no túmulo que o santo abade tinha mandado preparar para si. Escolástica morreu em 543, na idade de 60 anos.

No século sétimo, suas relíquias, com as de seu santo irmão, foram levados para Mans, na França.

Uma donzela que tinha morrido naquela ocasião, voltou à vida quando se lhe impuseram as relíquias da santa.

Terminemos os traços biográficos de Santa Escolástica com referência a uma prática por ela usada, quando se achava em grandes tribulações: era fixar o olhar no Crucifixo.

Este olhar trazia-lhe consolo e coragem para vencer todas as dificuldades.

“Um único olhar sobre a imagem do Crucificado – confessou a mesma - tira-me toda a aflição e suaviza-me o sofrimento”.

Sua festa é celebrada no dia 10 de fevereiro.


ORAÇÃO A SANTA ESCOLÁSTICA (1)

Ó Deus, Pai de misericórdia, Santa Escolástica mostrou que nossa missão é servir, é carregar os fardos uns dos outros, é promover a harmonia e a paz entre todos os homens.
 Dá-nos compreender em profundidade esses teus desígnios, para que nos aproximemos de Ti, para que Te reconheçamos nos irmãos e para que Te louvemos e bendigamos sem cessar.

Que Assim Seja.


ORAÇÃO A SANTA ESCOLÁSTICA (2)

Ò Deus de Misericórdia dá-nos compreensão para aceitar e entender os teus desígnios, para que nos aproximemos de Ti, como Santa Escolástica que nos mostrou que nossa missão é servir e ajudar a carregar os fardos uns dos outros, reconhecendo neles a Tua Divindade e Te louvar e bendizer incessantemente.
Santa Escolástica rogai por nós.

Que Assim Seja.


ORAÇÃO A SANTA ESCOLÁSTICA (3)

Meu Deus, autor de todos os bens, recorremos a Vós, por intermédio dos méritos de Santa Escolástica.
Concedei-nos o tempo favorável de que temos necessidade.
Em nossas aflições, concedei-nos a participação nos favores e consolo que Santa Escolástica concede aos vossos servidores.
Assim rogamos por Nosso Senhor Jesus Cristo.
(Repetir três vezes: Santa Escolástica, que concedeis um tempo favorável àqueles que vos invocam, rogai por nós e obtende-nos o auxílio do Senhor)
(Um Pai Nosso e uma Ave Maria)

Que Assim Seja.