Seguidores

TRADUTOR

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO MARTO


(04 DE ABRIL)

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO MARTO

Meu querido São Francisco Marto, a pureza das crianças eu vos venho implorar, que seja conservada neste mundo de paixões, os inocente são agredidos de todas as formas, no corpo e na mente, destroem as suas esperanças antes mesmo que possam esboçá-las, quem não tem esperanças não tem fé, e desta forma os pequenos desta terra se encontram perdidos, sem rumo, sem leme.

Por isso venho a vós, que fostes um menino abençoado por Nossa Senhora, que em Fátima vos apareceu, dando a vós novos rumos, que em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, proteja nossas crianças, afaste delas todo o mal, abrindo-lhes os olhos para as verdadeiras verdades, os verdadeiros valores.

Saiba nossas crianças o rumo que devem seguir e que a maldade dos homens delas se aparte, abre-lhes sempre os caminhos, as mantendo pura em suas convicções e fé.

Que Assim Seja.

SÃO FRANCISCO MARTO

O beato Francisco Marto nasceu em Aljustrel, aldeia de Fátima, na diocese de Leiria-Fátima, Portugal, no dia 11 de junho de 1908.

Ainda muito pequeno acompanhou, com sua irmã Jacinta e sua prima Lúcia, também crianças, as aparições de Fátima, onde aprendeu a conhecer e a louvar a Deus e à Virgem Maria. 

Em 13 de maio de 1917, enquanto pastoreava o rebanho, eles tiveram a graça singular de ver a Santíssima Mãe de Deus, que, por desígnio divino, veio à procura dos pequeninos privilegiados do Pai na Cova da Iria.

Fala-lhes com voz e coração de mãe e convida-os a rezarem pelos pecadores e pela conversão da humanidade.

Foi então que das suas mãos maternas saiu uma luz que os penetrou intimamente, sentindo-se imersos em Deus. Mais tarde, Francisco, um dos três privilegiados, exclamava: "Nós estávamos a arder naquela luz que é Deus e não nos queimávamos". 

A Francisco, o que mais o impressionava e absorvia era Deus naquela luz imensa que penetrara no íntimo dos três. Só a ele, porém, Deus se dera a conhecer, tão triste, como Francisco dizia. 

Sua vida e das meninas sofre uma transformação radical; certamente não comum para suas idades. Entregam-se a uma vida espiritual intensa, em oração assídua e fervorosa, chegando a uma verdadeira comunhão com o Senhor. Caminham para uma progressiva purificação do espírito através da renúncia aos próprios gostos e até às brincadeiras inocentes de criança. 

Após um tempo os dois irmãos, Jacinta e Francisco, contraem pneumonia e são obrigados a permanecer de cama. Nessa ocasião, receberam, novamente, a visita da Virgem Maria, que avisa Jacinta que virá buscar Francisco muito em breve.
Não suportando os grandes sofrimentos da doença, morreu no dia 4 de abril de 1919. Tudo lhe parecia pouco para consolar Jesus, por isso morreu com um sorriso nos lábios. 

Francisco tinha um profundo desejo de reparar as ofensas dos pecadores, esforçando-se por ser bom e oferecendo sacrifícios e oração.

Ele foi enterrado no cemitério de Fátima e, em 1952, foi transferido para a basílica do santuário.

No dia 13 de maio de 2001, dia em que se comemora o dia de Nossa Senhora de Fátima, o papa João Paulo II, em visita a Portugal, esteve no Santuário de Fátima para beatificar Francisco Marto, cuja festa determinou para o dia de sua morte.

Na cerimônia estava presente irmã Lúcia de Jesus, a prima vidente, morta 13 de fevereiro de 2005.


domingo, 22 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO CARACCIOLO


(04 DE JUNHO)

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO CARACCIOLO

Meu bom e querido São Francisco Caracciolo, que Deus me dê permissão e que em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, vós possa me atender.

Venho a vossos pés pedir que eu jamais me desvie do caminho traçado a mim por Nosso Senhor, que as dificuldades não me abatam, que eu saiba esperar o momento certo para tudo em minha vida, que neste mundo onde o materialismo impera, eu saiba levar amor, fé, humildade, a todo o necessitado independente da fé religiosa que siga, pois para Deus todos somos iguais e todos nós valemos por nossas obras, e não pelo que saí de nossa boca.

Quero seguir uma missão de amor, e levar o evangelho de Nosso Senhor, através de meus atos, pois palavras são fáceis de serem ditas, que eu inicie esta missão dentro de meu próprio lar, e que ela se estenda a todos que cruzarem meu caminho. Sem que com isso eu me esqueça de minha obrigação para aqueles que de mim dependam.

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo,

Que Assim Seja.

VIDA DE SÃO FRANCISCO CARACCIOLO

Fundou a Ordem dos Clérigos Regulares Menores
Ascânio Caracciolo era um italiano descendente, por parte de mãe, de santo Tomás de Aquino, portanto, como ele, tinha vínculos com a elite da nobreza. Nasceu próximo de Nápoles, na Vila Santa Maria de Chieti, em 13 de outubro de 1563. A família, muito cristã, preparou-o para a vida de negócios e da política, em meio às festas sociais e aos esportes.

Na adolescência, decidiu pela carreira militar. Mas foi acometido por uma doença rara na pele, parecida com a lepra e incurável também. Quando todos os tratamentos se esgotaram, Ascânio rezou com fervor a Deus, pedindo que ele o curasse e prometendo que, se tal graça fosse concedida, entregaria a sua vida somente a seu serviço. Pouco depois a cura aconteceu.

Cumprindo sua determinação, tinha então vinte e dois anos, foi para Nápoles, onde estudou teologia e ordenou-se sacerdote. Começou seu trabalho junto aos “Padres Brancos da Justiça”, que se dedicavam ao apostolado dos encarcerados, doentes e pobres abandonados.

Entretanto, Deus tinha outros planos para ele. Na organização dos “Padres Brancos” havia outro sacerdote que tinha exatamente o seu nome: Ascânio Caracciolo, só que era mais velho. Certo dia de 1588, o correio cometeu um erro, entregando uma carta endereçada ao Ascânio mais velho para o mais jovem, no caso ele. A carta fora escrita pelo sacerdote João Agostinho Adorno e por Fabrício Caracciolo, abade de Santa Maria Maior de Nápoles. E ambos se dirigiam ao velho Ascânio Caracciolo para pedir que colaborasse com a fundação de uma nova Ordem, a dos “Clérigos Regulares Menores”, dando alguns detalhes sobre o carisma que desejavam implantar.

O jovem Ascânio percebeu que a nova Ordem vinha ao encontro com o que ele procurava e foi conversar com os dois sacerdotes. Depois os três se isolaram no mosteiro dos camaldulenses, para rezar, jejuar e pedir a luz do Espírito Santo para a elaboração das Regras. Ao final de quarenta dias, com os regulamentos prontos, Ascânio propôs que fosse incluído um quarto voto, alem dos três habituais de pobreza, obediência e castidade: o de não aceitar nenhum posto de hierarquia eclesiástica. O voto foi aceito e incorporado à nova Ordem.

Quando a comunidade contava com doze integrantes, os três foram ao papa Xisto V pedir sua aprovação, concedida no dia 1o de junho de 1588. Um ano depois, Ascânio vestiu o habito dos Clérigos Regulares Menores tomando o nome de Francisco, em homenagem ao santo de Assis, no qual se espelhava.
Eles pretendiam estabelecer-se em Nápoles, mas o papa sugeriu que fossem para a Espanha, região que carecia de novas Ordens. Porém, ao chegarem em Madri, o rei não permitiu a sua fundação. Voltaram para Nápoles. Nessa ocasião morreu Adorno, que era o prepósito-geral da Ordem, tarefa que Francisco Caracciolo assumiu com humildade até morrer.

Fiel ao pedido do papa, não desistiu da Espanha, para onde voltou outras vezes. Entre 1595 e 1598, Francisco fundou, em Valadolid, uma casa de religiosos; em Alcalá, um colégio; e, em Madri, um seminário, no qual foi mestre dos noviços. Mais tarde, retornou para a Casa-mãe em Nápoles, que fora transferida para Santa Maria Maior devido ao seu rápido crescimento.
Foram atividades intensas de que seu corpo frágil logo se ressentiu. Adoeceu durante uma visita aos padres do Oratório da cidade de Agnone, morreu aos quarenta e quatro anos de idade, em 4 de junho de 1608. Canonizado em 1807 pelo papa Pio VII, são Francisco Caracciolo foi consagrado co-padroeiro de Nápoles em 1840.


sábado, 21 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE BORJA


(14 DE JULHO)

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE BORJA

Meu Pai, meu Criador com vossa permissão e em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, eu peço a proteção de São Francisco de Borja, para que eu também como ele consiga transformar-me em uma pessoa melhor.

São Francisco de Borja leve-me para os caminhos da verdadeira reforma íntima, sei que só conseguirei o caminho da verdadeira felicidade, quando conseguir reformar-me, principalmente meu São Francisco de Borja que eu aprenda a ser humilde, a aceitar os verdadeiros valores, a entender que todos nesta terra são iguais, que a riqueza material de nada vale se não fizermos dela uma arma poderosa para auxiliar os menos favorecidos, enfim que eu aceite que a Lei é igual para todos, e que não há desculpa aceitável por Deus para o seu não cumprimento.

Desta forma coloco-me aos seus pés, e como seu discípulo, seguirei meu coração de agora em diante, certo que sois vós que fala através dele comigo.

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que Assim Seja.

VIDA DE SÃO FRANCISCO DE BORJA

Francisco de Borja (aqui entra uma questão lingüística, já que no original é Bórgia e foi traduzido à língua portuguesa como Borja) era afortunado financeiramente, pois pertencia à corte real de Gândia, província de Valência, na Espanha.

Nasceu no dia 28/out/1510 e, mesmo no meio de tanto luxo, soube valorizar os princípios cristãos, o conhecimento e a vida espiritual plena e dedicada ao Criador. Quando tinha 18 anos, após findar os estudos, entrou para a corte de seu primo o imperador Carlos V e viu uma cena que o impressionou: um homem chamado Ignácio de Loyola conduzindo-se à prisão da inquisição.

No ano seguinte, casou-se com Leonor de Castro e aos seus oito filhos transmitiu a educação adquirida com os livros clássicos - a maioria sobre religião - que leu ao contrário de jogar, que era o passatempo preferido da juventude de sua época, até mesmo por isso deixou um importante legado de produção literária sobre espiritualização.

Seu primo imperador o nomeou vice-rei da Catalunha onde estava a capital Barcelona, e levou a dedicação e atenção que tinha para com seu lar ao povo catalão; por isso, sua passagem por este nobre posto foi considerada leal e cristã; lá também aprendeu a ver os dois lados de uma negociação, mediar disputas e tomar importantes decisões que ele dizia ser uma preparação que o Todo poderoso colocara em sua vida para assumir a Companhia de Jesus.

Porém, quando seu pai faleceu e principalmente sua esposa, a quem ele muito amava, sua vida teve uma grande virada no percurso. Também quando teve de reconhecer o corpo da princesa Isabel, cujo corpo ele ficou encarregado de levar à sepultura real de Granada, já a tinha visto com todo o requinte de uma digna realeza, mas quando viu em estado de putrefação percebeu que de nada adiantava a vida cheia de riquezas, mas também uma alma santa.

No ano de 1548, abriu mão de todos os títulos passando a administração que tinha em mãos ao seu filho herdeiro, fez voto de pobreza, castidade e obediência, ingressando na recém-fundada Companhia de Jesus. Foi eleito superior-geral da ordem, após recusar humildemente a escolha para ser cardeal da Igreja.

Muito ativo que era, fundou o primeiro colégio jesuíta em Roma - a eterna cidade - e, logo após, uma escola também foi criada em sua cidade natal Gândia, somam-se a estes mais vinte instituições de ensino em todo o continente europeu.

Humildade, mortificação e uma grande devoção à eucaristia e à Virgem Maria são suas principais de santidade. O carisma original dos jesuítas da hora de meditação diária era uma de suas mais veementes exigências durante sua administração geral da Companhia de Jesus.

Faleceu em 30/set/1572. Em 1671, entrou para o cânone da Santa Igreja como São Francisco de Borja, um exemplo de santidade, devoção fervorosa e intelectualidade para todos os religiosos.


sexta-feira, 20 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO RÉGIS


(16 DE AGOSTO)

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO RÉGIS

Peço permissão ao meu Deus Todo Poderoso, meu criador, para pedir a intervenção de São Francisco Régis em nome de Nosso Sr. Jesus Cristo.
São Francisco Régis, vós que fostes uma arma que Nosso Senhor Jesus Cristo utilizou para aliviar o sofrimento dos pobres oprimidos, dos doentes e encarcerados, vos rogo em nome do santo evangelho que tanto pregastes que venha em meu socorro nesta hora de desamparo em que me encontro. (Faça o pedido)
Sei que somente receberei aquilo que tiver merecimento, por isso vos imploro que me torneis digno de receber tal graça, mostrando-me os meus erros, livrando-me do orgulho e de todo e qualquer preconceito que eu possa ter dentro de mim, para que eu possa entregar-me totalmente ao amor ao próximo, tornando-me também um soldado de Cristo.

Que Assim Seja

VIDA DE SÃO FRANCISCO RÉGIS

Francisco Régis nasceu, em 31 de janeiro de 1597, numa pequena aldeia de Narbone, na França. Filho de um rico comerciante foi educado num colégio dirigido por sacerdotes jesuítas desde pequeno. Nada mais natural que entrasse para a Companhia de Jesus quando, em 1616, decidiu-se pela vida religiosa. Desejava, ardentemente, seguir o exemplo dos jesuítas missionários que evangelizavam em terras pagãs estrangeiras.

Tornou-se rapidamente respeitado e admirado pela dedicação na catequização que fazia diretamente ao povo, auxiliando os sacerdotes, assim como nas escolas que a Companhia de Jesus dirigia. Aos trinta e três anos, ordenou-se sacerdote, tomando o nome de João Francisco. Só então o seu contagiante trabalho disseminou-se pela cidade, por meio das obras dedicadas aos marginalizados, necessitados e doentes. Essa era a missão importantíssima que o aguardava lá mesmo, na sua terra natal: atender aos pobres e doentes e converter os pecadores.

Entre os anos 1630 e 1640, duas epidemias de pestes assolaram a comunidade. Francisco Régis era incansável no atendimento aos doentes pobres e suas famílias. Nesse período, conscientizou-se de que a França precisava da sua ação apostólica e não o exterior. Assim, tornou-se um valente missionário jesuíta, e o mais freqüente sacerdote visitador de cárceres e hospitais. Os registros relatam às centenas os doentes que salvou e os pagãos que converteu ao mesmo tempo.

Bispos de seu tempo relataram que ele era dotado de um carisma muito especial. Onde pregava os ensinamentos de Cristo, as pessoas, invariavelmente, se convertiam. Conseguiu, com o auxilio da Virgem Mãe, como ele mesmo dizia, converter aldeias inteiras com o seu apostolado. Foram dez anos empregados nesse fatigante e profícuo trabalho missionário.

Francisco Régis foi designado para chefiar a missão enviada à La Louvesc, na diocese de Dauphine. Antes de iniciar a viagem, quis despedir-se dos companheiros jesuítas. Percebera, apesar da pouca idade, que sua morte estava muito próxima. A viagem até lá foi um tremendo sacrifício. Além de atravessar altas montanhas, o caminho foi trilhado debaixo de um rigoroso inverno.

Chegou a La Louvesc doente e perigosamente febril. Mas, como havia uma enorme multidão de fiéis que desejavam ouvir seus sermões, pregou por três dias seguidos. Os intervalos de descanso foram utilizados para o atendimento no confessionário. Finalmente, abatido por uma enorme fraqueza, que evoluiu para uma pneumonia fulminante, faleceu no dia 31 de dezembro de 1640, aos quarenta e três anos de idade.

O papa Clemente XII canonizou-o em 1737. São João Francisco Régis, ou apenas são Francisco Régis, como era chamado, teve sua festa marcada para o dia 16 de agosto.


segunda-feira, 16 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO SOLANO


(14 DE JULHO)

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO SOLANO

 Ó Deus, por São Francisco Solano conduzistes muitos povos da América ao seio da Igreja; por suas preces e méritos, uni mais estreitamente a vós os nossos corações e, por vossa bondade, fazei chegar aos povos que não vos conhecem o temor do vosso santo Nome.

Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Que Assim Seja.

VIDA DE SÃO FRANCISCO SOLANO

Apóstolo do Novo Mundo, Francisco nasceu em Montilla (Córdoba, Espanha) a 10 de março de 1549, terceiro filho de Mateus Sánchez Solano e de Ana Jiménez, família abastada e de nobre ascendência. Fez seus estudos em Córdoba, junto dos jesuítas onde mostrou ser pessoa dotada de viva inteligência, dada à contemplação e à caridade. Antes de concluir os estudos de medicina, que havia iniciado com brilhantismo, pediu para ingressar na Ordem dos Frades Menores da Província de Granada. Em 1569, vestiu o hábito dos frades e, no ano seguinte, emitiu a profissão religiosa.

Sempre muito austero, paciente, humilde e perfeito na observância da Regra, continuou os estudos de filosofia e teologia no Convento de Santa Maria de Loreto, em Sevilha, morando em minúsculo canto do coro. Celebrou sua primeira missa a 4 de outubro de 1576. Em 1581 foi nomeado mestre de noviços do convento de Arruzafa (Córdoba), ofício que continuou a desempenhar no Convento de São Francisco do Monte da Serra Morena para onde foi transferido em 1583 e onde exerceu depois as funções de guardião e de pregador. Em todas as partes, acompanhava-o a fama de santidade e de taumaturgo devido aos milagres que realizava. Quando ocorreu o alastramento da peste bubônica na vizinha cidade de Montoro, voluntariamente se ofereceu para cuidados dos empestados. Transferido em 1587 para o convento de São Luis da Zubia, perto de Granada, foi eloqüente e estimadíssimo pregador popular e apóstolo entre os doentes e presidiários em todo o território circunvizinho.

Uma vez abandonada a idéia de se dirigir aos países muçulmanos para morrer mártir querendo assim fugir da veneração do povo, pediu para fazer parte da expedição missionária destinada à América. No dia 28 de fevereiro de 1589, partiu no navio Sanlucar de Barrameda com outros onze confrades conduzidos pelo padre Baltazar Navarro, custódio de Tucuman, e chegou a Cartagena, na Colômbia, em maio do mesmo ano. Daí continuou até Nome de Deus, no Panamá, que atravessou a pé até atingir as margens do Pacífico.

Quando se dirigia ao Peru, o galeão em que viajava com o grupo, afundou perto da ilha de Górgona em frente à Colômbia. Francisco se considerou pastor desta comunidade de desesperados, entre as quais, muitos escravos. Depois de dois meses de sofrimento foram recolhidos em outra embarcação e levados até um porto ao norte do Peru. O santo frade continuou a viagem a pé até a cidade de Lima. Foi, então, designado imediatamente missionário na longínqua Tucuman, ao norte da Argentina. Para lá chegar deveria fazer a cansativa viagem de três mil quilômetros através dos Andes a pé ou sobre o lombo de um pobre animal.

Tendo chegado a Tucuman em novembro de 1590 foi lhe dada a incumbência da Custódia Franciscana de São Jorge, fundada em 1565, com a finalidade de ocupar-se das missões. Vencendo não poucas dificuldades de língua, fundou a missão ou redução de Socotonio e Madalena, das quais foidoctrinero (pároco missionário), exercendo ministério junto a indígenas Diaguitas, dos quais se tornou evangelizador, civilizador, pacificador e defensor, tendo sido muitas vezes agraciado com dom das línguas. Entre todas as suas grandezas conta-se a da pacificação desta população rebelde na quinta-feira santa de 1591. São atribuídos a Francisco duzentas mil conversões e batizados de infiéis. Em 1592 estendeu seu apostolado aos brancos e “crioulos”.

Em 1595 foi chamado pela obediência a dirigir-se ao Peru onde foi nomeado guardião do convento de recoleção de Santa Maia dos Anjos em Lima, cargo que renunciou considerando-se sem capacidade e sem méritos para o exercício. Em 1602 foi transferido para Trujillo, onde exerceu a função de guardião. Pregador enérgico e inspirado ficou célebre com o fato de ter profetizado em 12 de novembro de
1603 a destruição da cidade, que aconteceu em 14 de fevereiro de 1619. Tendo voltado a Lima e nomeado ainda uma vez guardião, no dia 20 de dezembro de 1604 percorreu ruas e praças da cidade com um crucifixo nas mãos provocando um tal estado de comoção que obrigou o vice-rei a intervir. Mesmo sendo muito austero, mostrava-se alegre e costumava tocar violino para alegrar-se a si mesmo e aos confrades e também como instrumento de pastoral para aproximar-se dos índios.

Devido às suas penitências, nos últimos tempos de sua vida, viveu no convento-enfermaria conhecido como Máximo de Jesus (hoje São Francisco),
em Lima. Durante o terremoto de 1609, padre Francisco levantando-se com dificuldade queria confortar a população com sua palavra de fé. Não conseguiu mais recuperar a saúde. Morreu santamente em Lima a 14 de julho de 1610, enquanto, a seu pedido, os frades cantavam o Credo. Suas últimas palavras foram: “Glorificetur Deus”. Foi sepultado na igreja do convento. Seu corpo foi carregado pelo arcebispo de Lima, pelo vice-rei e por outros personagens ilustres.

Foi canonizado por Bento XIII a 27 de dezembro de 1726.


domingo, 15 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE SALES


(24 DE JANEIRO)

VIDA DE SÃO FRANCISCO DE SALES

Nasceu no Castelo de Sales em 1567. Sua mãe, a condessa, buscou formar muito bem o seu filho com os padres da Companhia de Jesus, onde aprendeu línguas. Muito cedo, fez um voto de viver a castidade e buscar sempre a vontade do Senhor. Ao longo da história deste santo muito amado, vamos percebendo o quanto ele buscou e o quanto encontrou o que Deus queria.

Mais tarde, São Francisco escreveu “Introdução à vida devota” e, vivendo do amor de Deus, escreveu também o “Tratado do amor de Deus”. 

Atacado por uma tentação de desconfiar da misericórdia do Senhor, a resposta ele buscou com o auxílio de Nossa Senhora; por isso, foi dissipada aquela tentação. Estudou direito em Pádua, mas, contrariando familiares, quis ser sacerdote. E foi um sacerdote buscando a santidade não só para si, mas também para os outros. 

No seu percorrer de pregações, de zelo apostólico e de evangelização, semeando a unidade e espalhando, com a ajuda da imprensa, a sã doutrina cristã. Foi escolhido por Deus para o serviço do episcopado em Genebra. Primeiro, como coadjutor, depois, sendo o titular. Um apóstolo do amor e da misericórdia. Um homem que conseguiu expressar, com o seu amor e a sua vida a mansidão do Senhor. 

Diz-se que, depois de sua morte, descobriu-se que sua mesa de trabalho estava toda arranhada por baixo, porque, com seu temperamento forte, preferia arranhar a mesa a responder sem amor, sem mansidão para as pessoas. 

Foi fundador da 'Ordem da Visitação', mas também um exemplo para tantos religiosos como os salesianos de Dom Bosco. Eles são chamados assim por causa do testemunho de São Francisco de Sales. 

Ele morreu com 56 anos, sendo que 21 anos foram vividos no episcopado como servos para todos e sinal de santidade. 

Peçamos a intercessão desse grande santo para que, numa vida devota e vivendo do amor de Deus, possamos percorrer o nosso caminho em busca de Deus em todos os caminhos. 

São Francisco de Sales, rogai por nós! 

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE SALES
AUTOR: SÃO FRANCISCO DE SALES

Ó Deus eterno, Pai de infinita bondade, que instituístes o casamento para propagar o gênero humano e povoar o Céu, e destinastes principalmente o nosso sexo para essa tarefa, querendo que nossa fecundidade fosse uma das marcas de vossa benção sobre nós, eu me prosterno, suplicante, diante de Vossa Majestade, que eu adoro.

Eu Vos dou graças pela criança que eu levo, à qual Vós destes o ser. Senhor estenda a Vossa mão e completai a obra que Vós começastes: que Vossa Providência leve comigo, por meio de uma contínua assistência, a frágil criatura que Vós me confiastes, até a hora de sua chegada ao mundo. Nesse momento, ó Deus de minha vida, assisti-me e sustentai minha fraqueza com Vossa mão poderosa. Recebei então Vós mesmo meu filho e guardai-o até que ele tenha entrado, pelo batismo, no seio da Igreja Vossa Esposa, a fim de que ele Vos pertença pelo duplo título da Criação e da Redenção.

Ó Salvador de minha alma, que durante Vossa vida mortal tanto amastes as crianças e tantas vezes as tomastes nos braços, tomai também a minha, a fim de que tendo a Vós por Pai, e Vos chamando seu Pai, ela santifique o Vosso nome e participe de Vosso Reino. Eu Vo-la consagro de todo o meu coração, ó meu Salvador, e a entrego a Vosso amor.

Vossa justiça submeteu Eva e todas as mulheres que nascem dela a grandes dores; eu aceito, Senhor, todos os sofrimentos que vós me destinais nessa ocasião e Vos suplico humildemente, pela santa e feliz concepção de Vossa Mãe Imaculada, que me sejais benigno no momento de dar à luz meu filho, abençoando a mim e a essa criança que Vós me dareis, bem como concedendo-me o Vosso amor e uma inteira confiança em Vossa bondade.

E Vós, bem-aventurada Virgem, Santíssima Mãe de nosso Salvador, honra e glória de nosso sexo, intercedei junto a Vosso Divino Filho a fim de que ele atenda, em sua misericórdia, a minha humilde oração.

Eu Vo-lo peço, ó mais amável das criaturas, pelo amor virginal que tivestes por José, vosso santo esposo, e pelos méritos infinitos do nascimento de vosso Divino Filho.

Ó Santos Anjos que sois encarregados de velar por mim e por meu filho, protegei-nos e conduzi-nos a fim de que, pela vossa assistência, possamos um dia chegar à glória da qual vós já gozais, e louvar convosco nosso Senhor comum, que vive e reina por todos os séculos dos séculos.

Que Assim Seja.

sábado, 14 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SANTA EFIGÊNIA

SANTA EFIGÊNIA

(21 DE SETEMBRO)

ORAÇÃO A SANTA EFIGÊNIA (1)

Ó gloriosa santa Efigênia eis-no aos pés de vosso altar cheios da mais sincera confiança.
Vós que sois o amparo dos aflitos, atendei as súplicas que humildemente vos dirigimos - queremos Ter uma fé viva uma esperança firme e uma caridade ardente é nosso insaciável desejo estender o reino de Cristo nas almas a fim de que ele seja o único rei de nossos corações.
Convertei os pecadores endurecidos; salvai os que estão nas trevas do pecado; dai-nos a pureza de vida e socorrei-nos em nossas necessidades.
Se for da vontade divina dai-nos a graça que hora humildemente suplicamos.

Que Assim Seja.

ORAÇÃO A SANTA EFIGÊNIA (2)

Ó Virgem Santa Efigênia, nós vos imploramos que ilumineis nosso espírito e esclareçais nossa razão, guieis nossos passos e abençoais nossos esforços, derrameis sobre nós toda ternura de vossa alma luminosa e santa, para que sejam purificados nossos sofrimentos.
Intercedei por nós junto ao Divino Cordeiro, e guiai-nos neste caminho espinhoso da vida, para que possamos, como vós ajudados com o auxílio da divina graça, vencer os embustes do inimigo infernal e gozar convosco a bem-aventurança eterna do céu.

Que Assim Seja. 

VIDA DE SANTA EFIGÊNIA

Efigênia e Efrônio eram filhos de Égipo e Eufenisa, Reis da Noba, um dos pequenos reinos da antiga Etiópia. 
O nome Efigênia significa em grego "Nascida Forte".
Os Carmelitas dizem-se descendentes dos Israelitas que viviam em comunidade no Monte Carmelo. Desde o tempo do Profeta Elias. Quando aceitaram o Evangelho acompanhavam os Apóstolos, incentivando os primeiros cristãos a viver como eles. Eis porque Santa Ifigênia veste hábito carmelita em suas representações.
Efigênia aderiu a fé assim que São Mateus começou a pregar em Noba. Nessa época surgiu uma terrível peste e os sacerdotes da antiga religião convenceram o rei a sacrificar a princesa, para aplacar a ira dos deuses e salvas o povo da peste. Efigênia foi, então, atada sobre a fogueira. Logo que o fogo foi aceso, clamou pelo nome de Jesus. Apareceu-lhe um anjo que a salvou das chamas e a levou ao palácio real, junto a sua mãe.
Neste mesmo dia, o príncipe Efrônio, seu irmão adoeceu gravemente. E, apesar dos esforços dos sacerdotes Magos, veio a falecer. O imperador Égipo permitiu que São Mateus viesse visitar o seu filho. São Mateus chamado por Efigênia impôs suas mãos sobre Efrônio restituiu-lhe a vida curando-o da peste mortal, e em seguida evangelizou e batizou toda a família. Então o imperador permitiu que o Evangelho fosse pregado na Etiópia. A virtuosa Efigênia tornou-se colaboradora do Apóstolo, decidindo consagrar sua virgindade a Deus. Mais tarde foi morar com outras jovens em uma casa construída pelo pai.
Essa comunidade chegou a possuir 200 religiosas, lideradas por Efigênia.
Falecendo Égipo, seu Hirtaco prendeu Efrônio, usurpando o trono. Começou, assim, a perseguir todos os cristãos e exigiu que a sobrinha dissolvesse a comunidade e se casasse com ele. Defendeu-a  São Mateus, e por isso foi morto a mando do tirano.
Vendo que Efigênia ainda resistia ao seu desejo, o indigno rei pôs fogo em sua casa. Quando as chamas cercavam toda a casa, Efigênia e as companheiras invocaram o nome de Jesus. Na mesma hora o fogo se apagou e o palácio real começou a arder, destruindo tudo.
Diante de mais esse sinal da Providência Divina, o povo revoltou-se contra Hirtaco, quem fugiu. Em seguida, libertou Efrônio, o legítimo herdeiro, fazendo-o assumir o poder. Teve início, então, um governo orientado e estruturado nos princípios evangélicos da Justiça e do Direito. O Rei contava com os sábios conselhos da veneranda irmã.
Efigênia morreu bem idosa, vendo o Evangelho espalhar-se pelos reinos vizinhos. Perto de Noba havia um reino chamado Abissínia. Seu rei era Elesbão, que também se converteu a fé Cristã.
O duplo triunfo sobre a voracidade das chamas fez de Santa Efigênia ADVOGADA CONTRA INCÊNDIOS E PROTETORA DA MORADIA. Sendo muito ligada a São Mateus, a quem deve sua conversão, Santa Efigênia tem a sua festa celebrada aos 21 de Setembro, um dia depois da festa de São Mateus. Esta devoção começou entre os Carmelitas de Cádiz, na Andaluzia. Dessa região espanhola passou a Portugal e de lá ao Brasil. Por ser africana, Santa Efigênia logo despertou a atenção e o amor do sofrido povo negro, que começou a receber abundantes graças, por sua poderosa intercessão.
Possa o exemplo e testemunho dessa primeira Santa africana incentivar, entre nós, um conhecimento mais profundo da pessoa e da mensagem de Jesus que para nós, seus discípulos, é, foi e será para sempre, CAMINHO, VERDADE, E VIDA.


Imitando o exemplo de Santa Efigênia, Saibamos invocar o santo nome de Jesus em nossas dificuldades. Ela se colocará ao nosso lado para orar conosco a Deus.

VIDA E ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE PAULA



(2 DE ABRIL)

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE PAULA (1)

Ó são Francisco de Paula, que vos distinguistes na Igreja pelo grande espírito de penitência, e em vida convertestes tantos pecadores com vossa palavra, socorrestes tantos necessitados com os vossos prodígios, alcançai-nos também aversão aos vícios e verdadeira contrição dos nossos pecados.

Vós que fizestes tudo por caridade, pela caridade reconciliastes tantos homens fazendo-os abandonar o ódio e a inimizade, concedei a paz a cada um de nós, às nossas famílias e ao mundo inteiro, e fazei que também nós, seguindo vosso exemplo, nos amemos uns aos outros como irmãos e amemos a Deus sobre todas as coisas.


Que Assim Seja.

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO DE PAULA (2)

Ó glorioso São Francisco de Paula que tanto vos aprofundastes na humildade, único alicerce de todas as virtudes, alcançando através dela um grande prestígio junto de Deus, a tal ponto de jamais lhe terdes pedido graça alguma que prontamente não vos fosse concedida.

Aqui venho aos vossos pés para suplicar-vos extinga do meu coração todo afeto de soberba e vaidade e em seu lugar floresçam os preciosos frutos da humildade para que possa ser verdadeiro devoto e imitador vosso e merecer o grande patrocínio que de vossa eficaz intercessão espero e rogo me alcance de Deus a graça de que tanto necessito não sendo contra a vontade do Altíssimo.

Que Assim Seja.

Pai Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai.

VIDA DE SÃO FRANCISCO DE PAULA

São Francisco nasceu em Paula, na Calábria em 1416. Seus pais eram devotos de São Francisco de Assis e a ele pediram ajuda para ter filhos. O mais velho de seus três filhos recebeu o nome de Francisco em homenagem ao santo.

Ainda bebê, Francisco adoeceu e perdeu a visão de um dos olhos; mais uma vez seus pais recorreram a São Francisco de Assis e prometeram que, se o menino curasse, ele iria passar um ano em um convento de sua ordem. A criança foi curada imediatamente. Desde cedo Francisco dava sinais de santidade e, ao treze anos, entrou em um convento Franciscano para cumprir a promessa de seus pais.

No convento ele aprendeu o amor pela oração e pela mortificação, a humildade e a obediência. Passado um ano, ele foi peregrinar por Assis, Roma e outras cidades de devoção juntamente com seus pais. De volta a Paula, ele se retirou para um lugar retirado na propriedade de seu pai para viver em solidão e depois encontrou uma caverna próxima do mar onde foi viver como ermitão por seis anos, dedicado à oração e à mortificação.

Em 1435, dois companheiros se juntaram a ele no retiro e para acomodá-los Francisco construiu três celas e uma capela. O número de discípulos aumentava e, em torno de 1454, o Arcebispo de Cosenza permitiu a construção de um mosteiro e de uma igreja. A regra de vida adotada por São Francisco e seus religiosos caracterizava-se por uma extraordinária severidade. Eles observavam eterna abstinência e viviam em extrema pobreza. A marca da ordem era a humildade e São Francisco conseguiu da Santa Sé permissão para fundar a ordem. Em 1474, Sixtus IV lhe deu permissão para escrever a regra da comunidade e para assumir o título de Eremitas de São Francisco; essa regra foi formalmente aprovada por Alexandre VI, que mudou o nome da ordem para Mínimos. Depois da aprovação da ordem, São Francisco fundou mosteiros na Calábria e na Sicília. Estabeleceu ainda um convento para freiras e uma terceira ordem para os leigos, seguindo o exemplo de São Francisco de Assis.

Ele tinha o dom da profecia e previu a captura de Otranto pelos turcos em 1480 e a sua recuperação pelo rei de Nápoles.

Quando Luis XI, rei da França, adoeceu, ele enviou uma comitiva para a Calábria com o objetivo de levar o santo à França para curar o rei com um milagre. Foi preciso intervenção papal para São Francisco ir mas, ao invés de curá-lo, preparou-o para aceitar seu destino e morrer. Carlos VIII, sucessor do rei, admirava muito o santo e durante seu reinado manteve-o próximo à corte e freqüentemente o consultava. Ele construiu um mosteiro para os Mínimos em Plessis-les-Tours e um em Roma, no Monte Pinciano. Luis XII, que sucedeu o Rei Carlos em 1498, tinha o mesmo apreço por São Francisco e não permitiu sua volta à Itália, temeroso de perder seus conselhos e direcionamento.

Os últimos três meses da vida de São Francisco se passaram em total solidão, como preparação para a morte. Na Quinta-feira Santa ele reuniu a comunidade e os exortou a ter caridade mútua e a manter o rigor da vida, especialmente a abstinência perpétua. No dia seguinte, 2 de abril, Sexta-feira da Paixão, ele deu as últimas instruções e designou um vigário-geral. Recebeu os últimos sacramentos e pediu para que lessem a Paixão segundo São João. Ele morreu durante a leitura.

Leão X canonizou São Francisco de 1519. Em 1562, os Huguenotes abriram sua tumba e encontraram o seu corpo incorrupto. Eles arrastaram e queimaram o corpo, mas alguns de seus ossos foram preservados pelos católicos e guardados nas várias igrejas da ordem.

A Ordem dos Mínimos não foi muito extensa, mas tinha casas em muitos países. A regra definitiva foi aprovada em 1506 por Julio II, que também aprovou a regra das freiras da ordem.

Como muitos dos milagres de São Francisco de Paula estão relacionados com o mar, ele foi declarado patrono dos marinheiros em 1943.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

VIDA E ORAÇÃO A SANTA EDWIGES

SANTA EDWIGES
(16 DE OUTUBRO)


ORAÇÃO A SANTA EDWIGES

Ó Santa Edwiges, vós que na terra fostes o amparo dos pobres, a ajuda dos desvalidos e o socorro dos endividados, e no céu agora desfrutais do eterno prêmio da caridade que em vida praticastes, suplicante te peço que sejais minha advogada, para que eu obtenha de Deus o auxílio de que urgentemente necessito (fazer o pedido).

Alcançai-me também a suprema graça da salvação eterna.

Santa Edwiges, rogai por nós.

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA EDWIGES

Nasceu em uma região na Europa Central chamada Silésia, entre Alemanha Oriental e Polônia, no século XVI, ano de 1174. Filha de Bertoldo de Andech, Marquês de Meran e Conde do Tirol e de Inês, filha do Conde de Rottech, família muito numerosa e dotada de grandes riquezas e poderes. Edwiges foi criada com carinho, conforto e uma boa base religiosa.

Aos seis anos foi internada no Mosteiro de Kicing, onde recebeu uma rígida educação, aprendeu as Sagradas Escrituras e foi preparada para vida.
Ao completar doze anos, seu pai arranjou-lhe um noivo chamado Henrique, Duque da Silésia, mais tarde Duque da Polônia. Seu encantamento foi grande ao conhecer sua Noiva dotada de grande beleza interior.

Seu casamento aconteceu no ano de 1186, com a presença de nobres famílias, este acontecimento marcou a época, com longas comemorações de grande estilo. No final, Edwiges parte com seu marido, tornando-se a grande Duquesa da Silésia e da Polônia.
Em seu novo lar, ela assumiu seu papel de dona de casa, e em pouco tempo conquistou todos os que estavam sobre suas ordens através da forma carinhosa de tratá-los. Transformou seu lar num grande templo de Deus, onde era respeitada e amada por todos. Aos treze anos foi mãe pela primeira vez, trazendo felicidade e luz, com o passar do tempo sua família cresceu ainda mais, ficando com o total de seis filhos. Alguns anos passaram, e por razões de rivalidades, ocorreram grandes conflitos no seio de sua família. Infelizmente por causa destas contendas a Duquesa Edwiges derramou muitas lágrimas.

Apesar de todo sofrimento ela encontrou na sua fé em Deus, forças para consolar parentes seus mais próximos. Com o passar do tempo Edwiges desapegou-se das coisas materiais e foi morar com seus amigos nas dependências do Mosteiro.
Seu marido tinha construído o Mosteiro de Trebnitz, e após sua morte, Edwiges continuou sua obra com dedicação.

Edwiges dedicou inteiramente sua vida aos pobres, doentes e aos trabalhos monásticos. Foi a personificação da humildade, amor, solidariedade, caridade e fé! Era fiel a todas as regras monásticas, mas não fez os votos religiosos! Pois queria beneficiar, pessoalmente e melhor, seus irmãos com suas riquezas.
Ela possuía virtudes de grande nobreza celestial! E as punha em prática sempre nos momentos conturbados em que conservava sua serenidade e paciência. Sua vida foi bastante austera, com penitências e jejuns. Sua vida era uma grande oração, pois seguia os exemplos dos Santos de sua Igreja. Quando Edwiges se recolhia para orar entrava num estado de graça que a fazia levitar, e certa vez foi flagrada por um Ministro de nome Boguslau que ficou deslumbrado com o quadro angelical que vira.

Sua missão na terra, com seus irmãos carentes de pão material e espiritual, consumiu inteiramente sua vida; pois ela renunciou a tudo para seguir os ensinamentos de Deus!

Certo dia Edwiges recebeu uma nobre visita de uma senhora chamada Myleísa, e passaram muito tempo a conversar. Quando chegou a hora da despedida Edwiges queria beijá-la pela última vez, pois já previa sua ida para a eternidade.

Quando se aproximava o momento de sua enfermidade, ela avisou a todos do seu convívio, chamou seu confessor Frei Mateus para ministrar o Sacramento da Unção dos Enfermos.


Foram dias de preparação para o dia de sua partida, com dias de muitas orações. Edwiges recebeu visitas de muitos Santos, foram momentos de graça e luz para todos, e finalmente no dia 15 de Outubro de 1243 ela caminhou rumo ao Pai Celestial.
Após sua morte milhares de pessoas conseguiram muitas graças por sua intercessão, e foram feitos longos estudos de sua vida e finalmente ela foi canonizada numa Missa solene no dia 15 de Outubro de 1267. Podendo ser chamada de Santa Edwiges “Protetora dos Endividados”.