Seguidores

TRADUTOR

domingo, 21 de agosto de 2011

VIDA DE SANTA AMÉLIA

SANTA AMÉLIA

(05 de JANEIRO)

VIDA DE SANTA AMÉLIA

Amélia viveu no século IV e seu nome tem uma origem incerta. Pode ter vindo do germânico Amelberga, que significa amiga protetora; ou derivar do grego Amalh (amále), cujo sinônimo é terna, delicada, sensível. E se nos deixarmos levar apenas pelo som do nome, veremos nos remete ao amor.

Amélia pertence a um numeroso grupo de mártires cristãos, que são fervorosamente lembrados pela Igreja. De sua vida não se sabe praticamente nada. Ela morreu no dia cinco de janeiro na cidade de Gerona, na Catalunha, Espanha.

Esta notícia foi trazida para a tradição católica, de um antigo Breviário de Gerona que possibilitou sua localização no período entre os anos de 243 a 313, do governo do imperador romano Diocleciano, que patrocinou a implacável perseguição aos cristãos.

Em 1336, o bispo de Gerona, descobriu as relíquias mortais dos mártires e dedicou a eles um altar na catedral da cidade. Depois através dos séculos estes mártires, elençados naquela longa lista conhecida como Martirológio Geronimiano, passaram a ser celebrados em vários grupos e em datas diferentes.

Isto porque, de alguns deles, além do referido Martirológio, outros documentos e as inscrições das lápides, revelaram o nome e mais alguma informação. Ao que parece todos seriam africanos, mas também não se tem certeza. A exceção de São Paolino e Sicio, com festa no dia 31 de maio, que eram antíoques.

Assim, o nome de Santa Amélia, nos reporta em todos os sentidos ao amor. Ela serve de exemplo para todos os peregrinos que procuram a igreja da catedral de Gerona, para reverenciar sua memória, agradecendo as graças alcançadas por sua intercessão. Aos devotos, ela lembra que na vocação cristã o martírio aparece como uma possibilidade pré-anunciada na Revelação, que nunca deve ser esquecida durante a própria vida.

O mártir, sem dúvida, é o sinal daquele amor maior que contém em si todos os outros valores. A sua existência reflete a palavra suprema, pronunciada por Cristo na cruz: "Perdoa-lhes, ó Pai, porque não sabem o que fazem" (Lc 23, 34).

O culto litúrgico à Santa Amélia, no dia cinco de janeiro, foi mantido como indica o Martirológio. Ela que com o seu testemunho mostrou o que é o verdadeiro amor cristão, pois anunciou o Evangelho, dando a vida por amor.

Fonte: Site Quiosque Azul.

VIDA DE SANTA ELISABETE ANA BAYLEY SETON


(04 de JANEIRO)

VIDA DE SANTA ELISABETE ANA BAYLEY SETON

Elisabete Ana Bayley nasceu em Nova Iorque, onde cresceu e constituiu família dentro do protestantismo anticatólico dos Estados Unidos, no final do século dezoito. Catarina sua mãe, era filha de pastor anglicano e Ricardo seu pai, era um médico famoso e muito bem conceituado na comunidade. A menina veio ao mundo no dia 28 de agosto de 1774.

A infância de Elisabete foi muito infeliz, perdeu a mãe aos três anos de idade e sua madrasta a maltratou por anos e anos. Ela cresceu solitária pois, seu pai só pensava em seus compromissos profissionais, dando-lhe pouca atenção. Seu consolo era a Bíblia, que lia muito e sobre cujos ensinamentos meditava achando a paz. Enfim, aos dezenove anos casou-se com Guilherme Selton, um rico comerciante nova-iorquino e teve cinco filhos.

Mas uma grave tuberculose que acometeu o marido mudou sua vida. A família se transferiu para a Itália, onde ele esperava encontrar a cura. Lá ficaram hospedados na casa de uma família italiana, a dos amigos Felicchi. A cura do marido não veio e ele acabou falecendo. Entretanto, durante o tempo em que ficou naquela residência e país, Elisabete conheceu o catolicismo e se converteu. Era o ano 1805.

Ao voltar para a pátria, viúva e com os filhos para criar, seu calvário só aumentou. Contou sobre sua conversão à família, sendo então desprezada e depois abandonada. O mesmo o fez a sua comunidade. Elisabete, então com vinte e nove anos, passou inúmeras dificuldades materiais, sentindo na pele a marginalização a que era relegada a minoria católica. Até seus filhos deixaram de ter acesso à escola.

Elisabete, seguindo a orientação do Arcebispo de Baltimore e unindo-se a uma amiga de fé, Cecília da Filadélfia, criou em 1808, apesar de toda a oposição já citada, a primeira escola paroquial nos Estados Unidos. Esta escola de Baltimore é considerada um marco que muito contribuiria nos anos seguintes para a expansão da Igreja Católica naquele país.

Em junho de 1809, sempre sob a orientação do Arcebispo, ela fundou uma nova instituição religiosa feminina totalmente norte americana, a Ordem das Irmãs de Caridade de São José, para a qual doou todos os seus bens. A instituição, com a finalidade de proporcionar: educação cristã e cura de doentes, progrediu rapidamente. Assim, em 1812 obteve aprovação canônica para seguir as regras de São Vicente de Paulo. Atualmente a Ordem continuam cumprindo com suas funções em todo o território dos Estados Unidos e alguns países da América Latina, contando com milhares de integrantes.

Ainda jovem, aos quarenta e sete anos de idade, Elisabete Ana Bayley Selton morreu no convento de Maryland no dia quatro de janeiro de 1821. Ela foi à primeira cidadã norte americana a ser beatificada, em 1963, pelo Papa João XXIII. Depois, foi canonizada pelo Papa Paulo VI, em 1975, não por acaso no Ano Internacional da Mulher.

Fonte: Site Quiosque Azul.

VIDA DA BEATA MARIA ANA BLONDIN

BEATA MARIA ANA BLONDIN

(02 de JANEIRO)

VIDA DA BEATA MARIA ANA BLONDIN

Maria Ester Soureau Blondin nasceu na cidade de Terrebonne, na província de Quebeque, no Canadá, no dia 18 de abril de 1809, de uma família profundamente cristã. Primogênita de doze filhos, herdou da sua mãe, uma simples dona de casa, a piedade centrada na Providência e na Eucaristia, e do seu pai, um pobre agricultor, a fé sólida e uma grande paciência no sofrimento. Ela recebeu de seus pais a formação e os ensinamentos rudimentares, posto que todos eram vítimas do analfabetismo reinante no século dezenove no Canadá, então dominado pelos ingleses protestantes. De fato à época havia uma escassez imensa de escolas francesas católicas. Aos vinte anos de idade, foi contratada como empregada ao serviço das religiosas da Congregação de Nossa Senhora, que acabavam de chegar à sua cidade. Um ano mais tarde, inscreveu-se como interna desejosa de aprender a ler e a escrever. Depois, entrou no noviciado da mesma Congregação, mas teve de sair devido à sua saúde, que era extremamente frágil.

Em 1833, tornou-se professora na cidade de Vaudreuil, colaborando com a diminuição do analfabetismo e divulgando a aprendizagem do catolicismo romano. Depois de cinco anos tornou-se diretora daquela escola enquanto amadurecia a idéia de fundar uma congregação religiosa para alfabetização e evangelização infantil. Em 1848, apresentou ao seu bispo, Dom Inácio Bourget, o projeto que para a sua época era inovador, pareceu até mesmo "temerário e subversivo" em relação à ordem estabelecida. Contudo, o Estado favorecia este tipo de escolas, por isto o bispo deu a sua autorização. Maria Ester Soureau Blondin, tomando o nome de Maria Ana, junto com um grupo de religiosas, pronunciou os votos diante daquele bispo, em 1850. Assim deu início à Congregação das Irmãs de Santa Ana, fundada em Vaudreuil.

Madre Maria Ana era a superiora da casa-mãe da Congregação quando em 1853, foi transferida para a comunidade de Saint-Jacques de l'Achigan, a pedido do mesmo bispo. Ali o novo capelão, padre Luis Adolfo Marechal, decidiu interferir na vida interna da Congregação, tanto nos aspectos material como espiritual. O conflito entre o capelão e a superiora durou cerca de um ano, até que o bispo decretou como solução à "renúncia" da madre Maria Ana, em 1854. Depois, convocou novas eleições exigindo que ela não aceitasse o cargo, mesmo se fosse reeleita. Obedeceu humildemente ao seu bispo, que para ela representava o instrumento da vontade de Deus.

Foi afastada como superiora de um pequeno Convento em Santa Genoveva mas, com o pretexto de má administração, foi chamada a casa-mãe em 1858. Desde essa destituição durante trinta e dois anos, até à sua morte, mantiveram-na fora da responsabilidade administrativa e deliberativa, tendo sido designada para desempenhar as tarefas mais humildes, numa vida de renúncia total, dando contudo um grande exemplo de humildade e caridade heróica a muitas gerações de noviças. Certa vez, esclareceu a uma noviça admirada ao vê-la desempenhar tarefas tão humildes: "Quanto mais se aprofundar a raiz da árvore, tanto mais possibilidades ela tem de crescer e dar fruto". Despojada até de sua correspondência pessoal com o seu bispo, cedeu a tudo sem resistência, confiando sempre em Deus. Além disso, soube dar aos acontecimentos da sua vida um grandioso sentido evangélico, buscando em tudo unicamente a glória de Deus.

As autoridades que lhe sucederam proibiram que ela fosse chamada de madre. Aceitou o abandono pela vida da sua Congregação que viu receber a aprovação canônica em 1884. Entretanto, sem se apegar ao seu título de fundadora, não abdicou da sua vocação de "mãe espiritual". Viveu a perseguição, perdoando a todos. Este perdão evangélico era para ela a garantia da "paz na alma", o "bem mais precioso", do qual deu o último testemunho no seu leito de morte, perdoando ao capelão, padre Marechal.

Morreu, aos oitenta e um anos de idade, vítima de complicação pulmonar no dia 02 de janeiro de 1890, na Casa de Lachine, Canadá. Nesta ocasião a Congregação contava com 428 religiosas dedicadas ao ensino fundamental das crianças e à cura dos doentes das 43 Casas existentes em Quebeque, Colômbia Canadense, Estados Unidos e Alasca.
No ano 2001 em Roma, o Papa João Paulo II proclamou Beata, madre Maria Ana Blondin.

Fonte: Site Quiosque Azul.

ORAÇÃO POR UM AMIGO


Senhor.
Olhai pelo meu amigo!
Que as pedras sejam removidas do seu caminho.
Que tenha forças para carregar seus fardos.
Que encontre coragem para resistir ao mal.
Que possa ver o amor em todos os seres.
Que seja abraçado pela lealdade.
Que encontre conforto e saúde se estiver doente.
Que seja próspero e saiba partilhar.
Que tenha paz cobrindo seu espírito.
Que sua mente obtenha os conhecimentos.
Que use sabedoria para aplicá-los.
Que saiba distinguir o bem do mal.
Que tenha fé para manter-se forte na dor.

Senhor.
Olhai pelo meu amigo!
Protegei cada passo que ele der.
Que a cada novo dia ele aceite o novo.
Que saiba alegremente comunicar novidade.
Que Vos sinta em todos os momentos.
E que tenha o Vosso colo por toda a Eternidade.

Que Assim Seja.

Fonte: Site Quiosque Azul.


VIDA E ORAÇÃO A SANTA ZITA

SANTA ZITA

(27 de ABRIL)

ORAÇÃO A SANTA ZITA
Padroeira das Empregadas Domésticas.

Ó Santa Zita, que no humilde trabalho doméstico soubestes ser solícita como foi Marta, quando servia Jesus, em Betânia, e piedosa como Maria Madalena, aos pés do mesmo Jesus, ajudai-me a suportar com ânimo e paciência todos os sacrifícios que me impõem os meus trabalhos domésticos: ajudai-me a tratar as pessoas da família que sirvo como se fossem meus irmãos.
Ó Deus, recebei o meu trabalho, o meu cansaço e minhas tribulações, e pela intercessão de Santa Zita, dai-me forças para cumprir sempre meus deveres, para merecer o reconhecimento dos que sirvo e a recompensa eterna no céu.
Santa Zita, ajudai-me.

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA ZITA

Zita foi empregada doméstica durante trinta anos em Luca, na Itália. Hoje em dia, as comunidades de baixa renda sofrem grande injustiça social, principalmente quando trabalham em serviços domésticos como ela, mas no século XIII as coisas eram bem piores.

Zita nasceu em 1218, no povoado de Monsagrati, próximo a Luca, e, como tantas outras meninas, ela foi colocada para trabalhar em casa de nobres ricos. Era a única forma de uma moça não se tornar um peso para a família, pobre e numerosa. Ela não ganharia salário, trabalharia praticamente como uma escrava, mas teria comida, roupa e, quem sabe, até um dote para conseguir um bom casamento, se a família que lhe desse acolhida se afeiçoasse a ela e tivesse interesse em vê-la casada.

Zita tinha apenas doze anos quando isso aconteceu. E a família para quem foi servir não costumava tratar bem seus criados. Ela sofreu muito, principalmente nos primeiros tempos. Era maltratada pelos patrões e pelos demais empregados. Porém agüentou tudo com humildade e fé, rezando muito e praticando muita caridade. Aliás, foi o que tornou Zita famosa entre os pobres: a caridade cristã. Tudo que ganhava dos patrões, um pouco de dinheiro, alimentos extras e roupas, dava aos necessitados. A conseqüência disso foi que, em pouco tempo, Zita dirigia a casa e comandava toda a criadagem. Conquistou a simpatia e a confiança dos patrões e a inveja de outros criados.

Certa vez, Zita foi acusada de estar dando pertences da despensa da casa para os mendigos, por uma das criadas que invejavam sua posição junto aos donos da mansão. Talvez não fosse verdade, mas dificilmente a moça poderia provar isso aos patrões. Assim, quando o patriarca da casa perguntou o que levava escondido no avental, ela respondeu: "são flores", e soltando o avental uma chuva delas cobriu os seus pés. Esta é uma de suas tradições mais antigas citadas pelos seus fervorosos devotos.

A sua vida foi uma obra de dedicação total aos pobres e doentes que durou até sua morte, no dia 27 de abril de 1278. Todavia, sua interferência a favor deles não terminou nesse dia. O seu túmulo, na basílica de São Frediano, conserva até hoje o seu corpo, que repousa intacto, como foi constatado na sua última exumação, em 1652, e se tornou um lugar de graças e de muitos milagres comprovados e aceitos. Acontecimentos que serviram para confirmar sua canonização em 1696, pelo papa Inocêncio XII.

Apesar da condição social humilde e desrespeitada, a vida de santa Zita marcou de tal forma a história da cidade que ela foi elevada à condição de sua padroeira. E foi uma vida tão exemplar que até Dante Alighieria a cita na Divina Comédia. O papa Pio XII proclamou-a padroeira das empregadas domésticas.

Fonte: Site Quiosque Azul. 

VIDA E ORAÇÃO A SANTA VERÔNICA

SANTA VERÔNICA

(12 de JULHO)

ORAÇÃO A SANTA VERÔNICA

Ó Santa Verônica que guardastes o Santo Sudário.
Ele que não tinha aparência nem beleza para atrair o nosso olhar, nem simpatia para que pudéssemos apreciá-lo, desprezado, era escória da humanidade, homem das dores, experimentado nos sofrimentos; era amaldiçoado e não fazíamos caso dele.
Despertai vosso poder, ó nosso Deus e vinde logo nos trazer a salvação!
Convertei-nos; ó Senhor Deus do universo, e sobre nós iluminai a Vossa Face.
Se voltardes para nós, resemos salvos! 

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA VERÔNICA

Santa Verônica viveu no primeiro século.
É a mulher de Jerusalém que enxugou a face de Jesus com um véu branco no seu caminho para o Calvário.
De acordo com a tradição o pano ficou com a impressão da imagem da face de Jesus.
Assim a historia de Santa Verônica tornou-se uma das mais populares da tradição Cristã e o seu véu é uma das mais amadas relíquias da Igreja.
De acordo com a tradição, Verônica levou o véu para fora da Terra Santa e teria usado para curar o Imperador Tibérius (14-37) de uma doença.
O véu foi subseqüentemente visto em Roma no século oitavo e foi transferido para a Basílica de São Pedro em 1297 pelo Papa Bonifácio VIII (1294-1303).
Quase nada é conhecido sobre Verônica embora os “Atos de Pilatos” considerado por muito apócrifos a identificam com a mulher mencionada no Evangelho de São Mateus (9:29-22) que teria sofrido de uma perda de sangue.
O nome Verônica significa “imagem verdadeira” como foi relatado pelo historiador e escolar bíblico Giraldus Cambrensis (1147-1223).
Alem disso Matthew de Westminster fala da impressão da imagem do Salvador como:

"Effigies Domenici vultus quae Veronica nuncupatur".

Assim a imaginação popular tomou o  nome Verônica como sendo o nome de uma pessoa. O nome assim denotaria como uma relíquia genuína o véu de Verônica, para diferenciá-lo de outras relíquias similares como aquelas guardadas em Milão.
A relíquia é ainda preservada na Basílica de São Pedro e a memória do ato de caridade de Santa Verônica é comemorado nas Estações da Via Sacra. Embora ela não seja incluída na Martirologia Romana, ela é honrada pela Igreja com um dia para a sua festa.
O seu símbolo é o véu com a face de Cristo e a Coroa de Espinhos.

Sua festa é celebrada no dia 12 de julho.

Fonte: Site Cadê Meu Santo. 

VIDA E ORAÇÃO A SANTA TERESA EUSTOCHIO VERZERI

SANTA TERESA EUSTOCHIO VERZERI

(03 de MARÇO)

ORAÇÃO A SANTA TERESA EUSTOCHIO VERZERI

Santa Teresa Eustochio Verzeri, que nas contradições da vida, repetias com grande confiança em Deus “Quem tudo espera, tudo obtém”, pede a Jesus por nós uma grande confiança e a graça que confiantes pedimos ao seu Divino Coração, se for para o bem de nossa vida.
Glória ao Pai...
Santa Teresa Verzeri, intercede a Deus por nós.
Santa Teresa Verzeri, que praticando a caridade do Coração de Jesus, socorreste as necessidades espirituais e materiais do teu próximo, ensina-nos a viver a misericórdia do Sagrado Coração de Jesus para orientar nossa vida conforme o Projeto do Pai.
Glória ao Pai...
Santa Teresa Verzeri, intercede a Deus por nós.
Santa Teresa Verzeri, que por amor ao Coração de Jesus, enfrentaste humilhações, injustiças e calúnias, suplica ao Coração Divino para que sejamos firmes na fé e constantes no amor.
Glória ao Pai...
Santa Teresa Verzeri, intercede a Deus por nós.

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA TERESA EUSTOCHIO VERZERI

Isabel Flores y de Oliva nasceu na cidade de Lima, capital do Peru, no dia 20 de abril de Ana Maria Teresa Eustochio Josefa Catarina Inácia Verzeri, ou como apenas Teresa Eustochio Verzeri, como ficou conhecida, nasceu no dia 31 de julho de 1801, em Bérgamo, Itália. Era a primogênita dos sete filhos de Antonio Verzeri e da condessa Helena Pedrocca-Grumelli. Desde criança, aprendeu de sua mãe, cristã muito devota, a conhecer e a amar a Deus acima de tudo e a qualquer preço.

Os estudos iniciais ela fez em casa. Inteligente, dotada de espírito aberto, quando menina queria ser rapaz, para empreender nobres façanhas, como Santo Inácio, nas fileiras de Cristo. Da infância até a idade madura, deixou-se iluminar pelo Espírito da Verdade, percorrendo o caminho de libertação, de pureza, de retidão e de simplicidade que a levou a buscar "Deus só". Interiormente, viveu a particular experiência mística da "ausência de Deus", enfrentando um dos problemas da experiência religiosa de hoje: o peso da solidão humana diante da sensação inquietante de distância e de silêncio de Deus.

Entretanto, com uma fé inabalável, Teresa não deixou de confiar e de se abandonar ao Deus Vivo, Pai providente e misericordioso, a quem entregou a própria vida, em atitude de obediência dialogante. Como em Jesus, seu grito de solidão se transformou em oferta total de si mesma por amor.

Após uma experiência de vida religiosa entre as monjas beneditinas de Santa Grata, em Bérgamo, percebeu que sua vocação era o apostolado ativo. Orientada pelo Mons. Benaglio, seu diretor espiritual, aos vinte e cinco anos iniciou obras de assistência às crianças pobres e abandonadas. Atraindo para seu ideal jovens generosas e disponíveis, com as quais em 1831, fundou a Congregação das Filhas do Sagrado Coração de Jesus.

A primeira metade de 1800 foi um período de grandes transformações na história da Itália, da sociedade de Bérgamo e do mundo, marcado por mudanças políticas, por revoluções, por perseguições que não pouparam a Igreja, atingida, também, pela crise de valores, resultante da Revolução Francesa. Ela percebeu com clareza a urgência e as necessidades do seu tempo e abraçou sua missão, de orientadora espiritual, evangelizadora e pedagoga.

Após consolidar sua obra em várias cidades italianas, Teresa faleceu no dia 03 de março de 1852, num gesto total de oblação a Deus. Foi beatificada pelo Papa Pio XII em 1946, e canonizada pelo Papa João Paulo II, em 2001. As suas relíquias são veneradas na capela da escola das Filhas do Sagrado Coração de Jesus, em Bérgamo; recebendo as homenagens no dia de sua morte.

Como educadora, pautou sua ação e seus escritos na pedagogia do elogio, concretizada no binômio: bondade-firmeza e no respeito à liberdade. Animadas por esse espírito, as Filhas do Sagrado Coração de Jesus continuam, hoje, a missão de Santa Teresa Eustochio Verzeri, na Itália, no Brasil, na Argentina e Bolívia, na República Centro-Africana e em Camarões, na Índia e na Albânia.

Fonte: Site Quiosque Azul.


VIDA E ORAÇÃO A SANTA ROSA DE LIMA

SANTA ROSA DE LIMA

(23 de AGOSTO)

ORAÇÃO A SANTA ROSA DE LIMA

Santa Rosa de Lima.

Flor de santidade nos jardins do Senhor intercede junto ao Pai pela família humana nesta hora de tanta treva e tanta dor.

Inspira no coração de cada pai e cada mãe um amor sincero e comprometido para com os filhos e de um para com o outro.

Roga junto ao Deus da vida para que, sempre mais, a família latino-americana possa crescer em sabedoria, força e compromisso junto aos irmãos. 

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA ROSA DE LIMA

Isabel Flores y de Oliva nasceu na cidade de Lima, capital do Peru, no dia 20 de abril de 1586. A décima dos treze filhos de Gaspar Flores e Maria de Oliva. À medida que crescia com o rosto rosado e belo, recebeu dos familiares o apelido de Rosa, como ficou conhecida. Seus pais eram ricos espanhóis que se haviam mudado para a próspera colônia do Peru, mas os negócios declinaram e eles ficaram na miséria.

Ainda criança, Rosa teve grande inclinação à oração e à meditação, sendo dotada de dons especiais de profecia. Já adolescente, enquanto rezava diante da imagem da Virgem Maria, decidiu entregar sua vida somente a Cristo. Apesar dos apelos da família, que contava com sua ajuda para o sustento, ela ingressou na Ordem Terceira Dominicana, tomando como exemplo de vida santa Catarina de Sena. Dedicou-se, então, ao jejum, às severas penitências e à oração contemplativa, aumentando seus dons de profecia e prodígios. E, para perder a vaidade, cortou os cabelos e engrossou as mãos, trabalhando na lavoura com os pais. 

Aos vinte anos, pediu e obteve licença para emitir os votos religiosos em casa e não no convento, como terciária dominicana. Quando vestiu o hábito e se consagrou, mudou o nome para Rosa e acrescentou Santa Maria, por causa de sua grande devoção à Virgem Maria, passando a ser chamada Rosa de Santa Maria.

Construiu uma pequena cela no fundo do quintal da casa de seus pais, levando uma vida de austeridade, de mortificação e de abandono à vontade de Deus. A partir do hábito, ela imprimiu ainda mais rigor às penitências. Começou a usar, na cabeça, uma coroa de metal espinhento, disfarçada com botões de rosas. Aumentou os dias de jejum e dormia sobre uma tábua com pregos. Passou a sustentar a família com as rendas e bordados que fazia, pois seu confessor consentiu que ela não saísse mais de sua cela, exceto para receber a eucaristia. Vivendo em contínuo contato com Deus, atingiu um alto grau de vida contemplativa e experiência mística, compreendendo em profundidade o mistério da Paixão e Morte de Jesus.

Rosa cumpriu sua vocação, devotando-se à eucaristia e à Virgem Maria, cuidando para afastar o pecado do seu coração, conforme a espiritualidade da época. Aos trinta e um anos de idade, foi acometida por uma grave doença, que lhe causou sofrimentos e danos físicos. Assim, retirou-se para a casa de sua benfeitora, Maria de Uzátegui, agora Mosteiro de Santa Rosa, para cumprir a profecia de sua morte. Todo ano, ela passava o Dia de São Bartolomeu em oração, pois, dizia: "este é o dia das minhas núpcias eternas". E assim foi, até morrer no dia 24 de agosto de 1617. O seu sepultamento parou toda a cidade de Lima.

Muitos milagres aconteceram por sua intercessão após sua morte. Rosa foi beatificada em 1667 e tornou-se a primeira santa da América Latina ao ser canonizada, em 1671, pelo papa Clemente X. Dois anos depois, foi proclamada Padroeira da América Latina, das Filipinas e das Índias Orientais, com a festa litúrgica marcada para o dia 23 de agosto. A devoção a santa Rosa de Lima propagou-se rapidamente nos países latino-americanos, sendo venerada pelos fiéis como Padroeira dos Jardineiros e dos Floristas.

Fonte: Site Quiosque Azul. 

PRECE AO PAI PARA FACILITAR OS CAMINHOS

CAMINHOS

Ó! Poder de Pai que resides em mim, aplanai os caminhos e facilita-me andar por eles com os meus pés.

Com o Vosso amor agindo sobre mim, nada será difícil.

Ó Pai! Fazei todas as coisas por meu intermédio, assim, minha vida  será bem mais calma e livre de responsabilidades pesadas.

Que Assim seja. 

Fonte: Site Portal Angels.

sábado, 20 de agosto de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA PAULA FRASSINETTI

SANTA PAULA FRASSINETTI

(12 de JUNHO)

ORAÇÃO A SANTA PAULA FRASSINETTI

Protetora da Família e da Juventude.

Ó Santa Paula, que com humildade e ardente fé, te abandonaste toda à vontade de Deus, sempre segura de sua bondade e das suas promessas, faze pela tua intercessão que ternamente confiando na misericórdia do Senhor, obtenha do seu Coração a graça que desejo.

Ó Santa Paula, que durante os dias de prova, nos sofrimentos do corpo e nas angústias da alma, sempre esperaste com firme confiança na infinita misericórdia de Deus, faze pela tua intercessão que, esperando filialmente da generosidade do Senhor o socorro nas minhas misérias, obtenha do seu coração a graça que desejo.

Ó Santa Paula, que colocaste toda a tua alegria em amar o Senhor e a sua cruz, para saber socorrer com fraterno e materno coração a todas as misérias, faze pela tua intercessão que amando fervorosamente a Deus e o próximo por amor de Deus, obtenha do seu Coração a graça que tanto desejo.

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA PAULA FRASSINETTI

Paula Ângela Maria Frassinetti nasceu em 3 de março de 1809, na cidade de Gênova, Itália. Com a morte da sua mãe, seu pai e seus quatro irmãos assumem sua educação. Seu pai incutiu nos filhos um forte sentido cristão e todos seguiram a vida sacerdotal. O mais velho foi o fundador da Congregação dos Filhos de Maria Imaculada.

Paula tinha uma inteligência aguçada e uma preferência para o estudo da filosofia e da teologia. Em 1827, ela foi residir com seu irmão José, que era o pároco da aldeia de Quinto, perto de Gênova. Junto com ele, Paula apressou-se em fundar uma escola paroquial, iniciando uma ação fecunda de apostolado com um pequeno grupo de fiéis seguidoras. Depois, em 1834, com elas Paula fundou uma congregação religiosa, com o nome de Filhas da Santa Fé, com o propósito de "estar plenamente disponíveis nas mãos de Deus para evangelizar por meio da educação, com preferência pelos jovens e pelos mais pobres".

Em visita a Gênova, o sacerdote Luca de Passi, que criava na Itália comunidades apostólicas de Santa Dorotéia, convidou a congregação recém-fundada para executar os trabalhos de sua instituição. Paula aceitou e o antigo Instituto das Filhas da Santa Fé passou a ser chamado de Irmãs de Santa Dorotéia. Sucessivamente, foram abertos novos colégios pelas religiosas. Primeiro em Gênova, depois em Roma, sendo que o de Santo Onofre, instituído em 1844, em Roma, foi mais tarde escolhido para ser a Casa-mãe da instituição.

Inspirada nas regras de santo Inácio, fundador da Companhia de Jesus, dos célebres padres jesuítas, Paula elaborou os estatutos das Irmãs de Santa Dorotéia à semelhança das religiosas francesas do Sagrado Coração. Estabelecida em Roma com seu instituto, madre Paula foi recebida pela primeira vez pelo papa Gregório XVI, por quem foi abençoada, recebendo novo estímulo para sua obra.

Muito cedo a força de sua ação evangelizadora foi reconhecida e difundiu-se com a criação de novas casas por toda a Itália. Em 1866, chegou ao Brasil e logo depois a Portugal. Daí por diante se propagou por todos os continentes, com suas missionárias animadas por suas palavras, que ainda ecoam entre elas: "O Senhor as encha do seu Espírito e as converta em outras tantas chamas ardentes que, onde tocarem, acendam o fogo do amor de Deus".

No dia 11 de junho de 1882, aos setenta e três anos de idade, madre Paula morreu em Roma, sendo enterrada no cemitério de São Lourenço. Em 1903, quando da exumação do seu corpo, este foi encontrado intacto. Três anos depois, foi transferido para a capela da Casa-mãe do Instituto de Santo Onofre, em Roma.

Muitas foram as graças e milagres atribuídos à intercessão de madre Paula, e sua veneração tornou-se vigorosa entre os fiéis. Em 1930, foi beatificada pelo papa Pio XI. Depois, em 1984, Paula Frassinetti foi declarada santa pelo papa João Paulo II, durante uma comovente cerimônia solene em Roma.

Fonte: Site Quiosque Azul. 

VIDA E ORAÇÃO A SANTA MÔNICA

SANTA MÔNICA

(27 de AGOSTO)

ORAÇÃO A SANTA MÔNICA (1)

Ó Esposa e Mãe exemplar, Santa Mônica:
Tu que experimentastes as alegrias e as dificuldades da vida conjugal;
Tu que conseguiste levar à fé a teu esposo Patrício, homem de caráter desregrado e irascível;
Tu que chorastes tanto e oraste dia e noite por teu filho Agostinho e não o abandonaste mesmo quando te enganou e fugiu de ti.
Intercede por nós, ó grande Santa, para que saibamos transmitir a fé em nossa família; para que amemos sempre e realizemos a paz.
Ajuda-nos a gerar nossos filhos também à vida da Graça; conforta-nos nos momentos de tristeza e alcança-nos da Santíssima Virgem, Mãe de Jesus e Mãe nossa, a verdadeira paz e a Vida Feliz.

Santa Mônica, rogai por nós.

Que Assim Seja.


ORAÇÃO A SANTA MÔNICA (2)

 Para pedir a conversão de um filho.

Ó Santa Mônica, que pela oração e pelas lágrimas, alcançastes de Deus a conversão de vosso filho transviado, depois santo, Santo Agostinho, olhai para o meu coração, amargurado pelo comportamento de meu filho desobediente, rebelde e inconformado, que tantos dissabores causou ao meu coração e a toda a família. Que vossas orações se juntem com as minhas, para comover o bom Deus, a fim que ele faça meu filho entrar em si e voltar ao bom caminho.
Santa Mônica fazei que o Pai do céu chame de volta à casa paterna o filho pródigo. Dai-me esta alegria e eu serei agradecido (a).
Santo Agostinho, rogai por nós.
Santa Mônica, atendei-me.

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA MÔNICA

Mônica nasceu em Tagaste, atual Argélia, na África, no ano 331, no seio de uma família cristã. Desde muito cedo dedicou sua vida a ajudar os pobres, que visitava com freqüência, levando o conforto por meio da Palavra de Deus. Teve uma vida muito difícil. O marido era um jovem pagão muito rude, de nome Patrício, que a maltratava. Mônica suportou tudo em silêncio e mansidão. Encontrava o consolo nas orações que elevava a Cristo e à Virgem Maria pela conversão do esposo. E Deus recompensou sua dedicação, pois ela pôde assistir ao batismo do marido, que se converteu sinceramente um ano antes de morrer.

Tiveram dois filhos, Agostinho e Navígio, e uma filha, Perpétua, que se tornou religiosa. Porém Agostinho foi sua grande preocupação, motivo de amarguras e muitas lágrimas. Mesmo dando bons conselhos e educando o filho nos princípios da religião cristã, a vivacidade, inconstância e o espírito de insubordinação de Agostinho fizeram que a sábia mãe adiasse o seu batismo, com receio que ele profanasse o sacramento.

E teria acontecido, porque Agostinho, aos dezesseis anos, saindo de casa para continuar os estudos, tomou o caminho dos vícios. O coração de Mônica sofria muito com as notícias dos desmandos do filho e por isso redobrava as orações e penitências. Certa vez, ela foi pedir os conselhos do bispo, que a consolou dizendo: “Continue a rezar, pois é impossível que se perca um filho de tantas lágrimas".

Agostinho tornou-se um brilhante professor de retórica em Cartago. Mas, procurando fugir da vigilância da mãe aflita, às escondidas embarcou em um navio para Roma, e depois para Milão, onde conseguiu o cargo de professor oficial de retórica.

Mônica, desejando a todo custo ver a recuperação do filho, viajou também para Milão, onde, aos poucos, terminou seu sofrimento. Isso porque Agostinho, no início por curiosidade e retórica, depois por interesse espiritual, tinha se tornado freqüentador dos envolventes sermões de santo Ambrósio. Foi assim que Agostinho se converteu e recebeu o batismo, junto com seu filho Adeodato. Assim, Mônica colhia os frutos de suas orações e de suas lágrimas.

Mãe e filho decidiram voltar para a terra natal, mas, chegando ao porto de Hóstia, perto de Roma, Mônica adoeceu e logo depois faleceu. Era 27 de agosto de 387 e ela tinha cinqüenta e seis anos.

O papa Alexandre III confirmou o tradicional culto à santa Mônica, em 1153, quando a proclamou Padroeira das Mães Cristãs. A sua festa deve ser celebrada no mesmo dia em que morreu. O seu corpo, venerado durante séculos na igreja de Santa Áurea, em Hóstia, em 1430 foi trasladado para Roma e depositado na igreja de Santo Agostinho.

Fonte Site Quiosque Azul.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SÃO LUCAS

SÃO LUCAS

(18 DE OUTUBRO)

ORAÇÃO A SÃO LUCAS

Ó Deus que  escolhestes São Lucas para revelar em suas palavras e escritos o mistério do vosso amor para com os pobres, concedei aos que já se gloriam do vosso nome, perseveras num só coração e numa só alma e a todos os povos do mundo ver a vossa salvação.

Por vosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo.

Ó Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal, nos conduza a vida eterna.

São Lucas evangelista, rogai por nós. 

Que Assim Seja.

VIDA DE SÃO LUCAS

Lucas é um dos quatro evangelistas. O seu Evangelho é reconhecido como o do amor e da misericórdia. Foi escrito sob o signo da fé, nos tempos em que isso podia custar à própria vida. Mas falou em nascimento e ressurreição, perdão e conversão, na salvação de toda a humanidade. Além do terceiro evangelho, escreveu os Atos dos Apóstolos, onde registrou o desenvolvimento da Igreja na comunidade primitiva, relatando os acontecimentos de Jerusalém, Antioquia e Damasco, deixando-nos o testemunho do Cristo da bondade, da doçura e da paz. 

Lucas nasceu na Grécia. Era médico e pintor, muito culto, e foi convertido e batizado por são Paulo. No ano 43, já viajava ao lado do apóstolo, sendo considerado seu filho espiritual. Escreveu o seu Evangelho em grego puro, quando são Paulo quis pregar a Boa-Nova aos povos que falavam aquele idioma. Os dois sabiam que mostrar-lhes o caminho na própria língua facilitaria a missão apostólica. Assim, através de seus escritos, Lucas tornou-se o relator do nascimento de Jesus, o principal biógrafo da Virgem Maria e o primeiro a expressá-la através da pintura.

Quando das prisões de são Paulo, Lucas acompanhou o mestre, tanto no cárcere como nas audiências. Presença que o confortou nas masmorras e deu-lhe ânimo no enfrentamento do tribunal do imperador. Na segunda e derradeira vez, Paulo escreveu a Timóteo que agora todos o haviam abandonado. Menos um. "Só Lucas está comigo" E essa foi a última notícia certa do evangelista.

A tradição cristã diz-nos que depois do martírio de são Paulo o discípulo, médico e amigo Lucas continuou a pregação. Ele teria seguido pela Itália, Gália, Dalmácia e Macedônia. E um documento traduzido por são Jerônimo trouxe a informação que o evangelista teria vivido até os oitenta e quatro anos de idade. A sua morte pelo martírio em Patras, na Grécia, foi apenas um legado dessa antiga tradição.

Todavia, por sua participação nos primeiros tempos, ao lado dos apóstolos escolhidos por Jesus, somada à vida de missionário, escritor, médico e pintor, transformou-se num dos pilares da Igreja. Na suas obras, Lucas dirigia-se a um certo Teófilo, amigo de Deus, que tanto poderia ser um discípulo como uma comunidade, ou todo aquele que entrava em contato com a mensagem da Boa-Nova através dessa leitura. Com tal recurso literário, tornou seu Evangelho uma porta de entrada à salvação para todos os povos, concedendo o compartilhamento do Reino de Deus por todas as pessoas que antes eram excluídas pela antiga lei. 

Fonte: Site Quiosque Azul. 

VIDA E ORAÇÃO A SANTA MARTA

SANTA MARTA

(29 DE JULHO)

ORAÇÃO A SANTA MARTA

Ó gloriosa Santa Marta, entrego-me confiante em vossas mãos, esperando o vosso amparo.
Acolhei-me sob a vossa proteção, consolai-me nos meus sofrimentos.
Em prova do meu afeto e devoção, ofereço-vos esta luz (acende-se uma vela), a acenderei todas as terças-feiras desta novena.
Pela felicidade que tivestes em hospedar em vossa casa o Divino Salvador do mundo, consolai-me em minhas penas.
Intercedei hoje e sempre por mim e por minha família, para que tenhamos o auxílio de Deus Todo-Poderoso nas dificuldades da nossa vida.
Suplico-vos, gloriosa santa, que em vossa grande bondade, me consigais especialmente a graça que ardentemente vos peço e que tanto preciso (pedido).
Rogo-vos que me ajudeis a vencer todos os obstáculos que se apresentarem em meu caminho, com a mesma sinceridade e fortaleza que vós tivestes ao transpassar o dragão que tendes em vossos pés. 

Que Assim Seja.

VIDA DE SANTA MARTA

As Escrituras contam que, em seus poucos momentos de descanso ou lazer, Jesus procurava a casa de amigos em Betânia, local muito agradável há apenas três quilômetros de Jerusalém. Lá moravam Marta, Lázaro e Maria, três irmãos provavelmente filhos de Simão, o leproso. Há poucas, mas importantíssimas citações de Marta nas Sagradas Escrituras.

É narrado, por exemplo, o primeiro momento em que Jesus pisou em sua casa. Por isso existe a dúvida de que Simão fosse mesmo o pai deles, pois a casa é citada como se fosse de Marta, a mais velha dos irmãos. Mas ali chegando, Jesus conversava com eles e Maria estava aos pés do Senhor, ouvindo sua pregação. Marta, trabalhadora e responsável, reclamou da posição da irmã, que nada fazia, apenas ouvindo o Mestre. Jesus aproveita, então, para ensinar que os valores espirituais são mais importantes do que os materiais, apoiando Maria em sua ocupação de ouvir e aprender.

Fala-se dela também quando da ressurreição de Lázaro. É ela quem mais fala com Jesus nesse acontecimento. Marta disse a Jesus: "Senhor, se tivesses estado aqui, o meu irmão não teria morrido. Mas mesmo agora, eu sei que tudo o que pedires a Deus, Deus dará".

Trata-se de mais uma passagem importante da Bíblia, pois do evento tira-se um momento em que Jesus chora: "O pranto de Maria provoca o choro de Jesus". E o milagre de reviver Lázaro, já morto e sepultado, solicitado com tamanha simplicidade por Marta, que exemplifica a plena fé na onipotência do Senhor.

Outra passagem é a ceia de Betânia, com a presença de Lázaro ressuscitado, uma prévia da última ceia, pois ali Marta serve a mesa e Maria lava os pés de Jesus, gesto que ele imitaria em seu último encontro coletivo com os doze apóstolos.

Os primeiros a dedicarem uma festa litúrgica a santa Marta foram os frades franciscanos, em 1262, e o dia escolhido foi 29 de julho. Ela se difundiu e o povo cristão passou a celebrar santa Marta como a Padroeira dos Anfitriões, dos Hospedeiros, dos Cozinheiros, dos Nutricionistas e Dietistas.

Fonte: Site Quiosque Azul.