Seguidores

TRADUTOR

domingo, 25 de maio de 2014

O TERÇO DA DIVINA MISERICÓRDIA



Jesus Cristo ditou a irmã Faustina o Terço da Divina Misericórdia em Vilna (Lituânia), nos dias 13-14 de setembro de 1935, como uma oração para aplacar a ira Divina e pedir perdão pelos nossos pecados e pelos pecados do mundo inteiro.

“Por ele [o Terço da Divina Misericórdia] conseguirás tudo, se o que pedires estiver de acordo com a Minha vontade” (Diário, 1731).

“Recita, sem cessar, este Terço que te ensinei. Todo aquele que o recitar alcançará grande misericórdia na hora da sua morte. Os sacerdotes o recomendarão aos pecadores como a última tábua de salvação. Ainda que o pecador seja o mais endurecido, se recitar este Terço uma só vez, alcançará a graça da Minha infinita misericórdia” (Diário, 687).

“Pela recitação deste Terço, agrada-Me dar tudo o que Me peçam. Quando os pecadores empedernidos o recitarem, encherei de paz as suas almas, e a hora da morte deles será feliz. Escreve isto para as almas atribuladas: Quando a alma vir e reconhecer a gravidade dos seus pecados, quando se abrir diante dos seus olhos todo o abismo da miséria em que mergulhou, que não se desespere, mas antes se lance com confiança nos braços da Minha misericórdia, como uma criança no abraço da sua querida mãe. Essas almas têm prioridade no Meu Coração compassivo, elas têm primazia à Minha misericórdia. Diz que nenhuma alma que tenha invocado a Minha misericórdia se decepcionou ou experimentou vexame. Tenho predileção especial pela alma que confiou na Minha bondade. “Escreve que, quando recitarem esse Terço junto aos agonizantes, Eu Me colocarei entre o Pai e a alma agonizante não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso”
(Diário, 1541).

“Defendo toda alma que recitar esse terço na hora da morte, como se fosse a Minha própria glória, ou quando outros o recitarem junto a um agonizante, eles conseguem a mesma indulgência. Quando recitam esse terço junto a um agonizante, aplaca-se a ira de Deus, a misericórdia insondável envolve a alma...”
(Diário, 811).

Para ser rezado nas contas do terço. No começo:

Pai nosso, que estais nos céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém.

Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por n6s, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.
Creio em Deus Pai, todo-poderoso, criador do Céu e da Terra; e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor; que foi concebido pelo poder do Espirito Santo; nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos. Creio no Espirito Santo, na santa Igreja Cristã, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

Nas contas de Pai Nosso, dirás as seguintes palavras:
Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos do mundo inteiro.

Nas contas da Ave-Maria rezarás as seguintes palavras:
Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
No fim, rezarás três vezes estas palavras:


Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro” (Diário, 476).


O terço da Divina Misericórdia é para ser rezado na Novena da Misericórdia, clique para saber o que se deve falar no início de cada dia antes de rezar o terço como aqui Sta. Faustina ensinou.



quinta-feira, 22 de maio de 2014

JESUS MISERICORDIOSO - FESTA DA MISERICÓRDIA



JESUS MISERICORDIOSO


“Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício. Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores.”
(São Mateus 9,13)

Meditando nestas palavras acima, percebemos que o Pai nos direciona a buscar uma vivência da Misericórdia em nosso meio cada vez mais constante, isto porque nós temos uma barreira muito grande em relação ao Perdão, tendo como exemplo a atitude do irmão mais velho do filho pródigo, vemos o reflexo de nossas próprias atitudes, porque nossa opção primordial seria a condenação e não o perdão.

Perdoar é um ato de misericórdia, perdoar é esquecer o pecado e a ofensa de nosso irmão, porém perdoar vem intimamente ligado ao arrependimento e a um reconhecimento daquele que nos ofendeu, mas a misericórdia vai muito além de apenas isso, é um perdão incondicional e mesmo sem méritos do beneficiário do perdão.

 É neste ponto que não compreendemos o que significaria perdoar setenta vezes sete, que equivaleria a um perdão eterno, continuo e permanente.

Na verdade, é desta forma que Deus nos perdoa e age de misericórdia para com a multidão de pecados que cometemos todos os dias, nós apreciamos o seu perdão para conosco, mas não usamos desta mesma misericórdia com o irmão que vive ao nosso lado e quando ele dá um escorregão, ao invés de ajudá-lo a se levantar, queremos que permaneça mesmo no mesmo lugar onde caiu, como se no céu houvesse cadeiras numeradas e limitadas, sendo que nossa vida seria uma competição de “BBB”s” para ver quem ganharia o premio máximo.

Bem sabemos que no céu existem muitas moradas e que na terra deveríamos ajudar nossos irmãos a ganharem o premio máximo, porque quanto mais ajudarmos os outros, maior será o nosso premio, quanto mais amarmos o irmão, mais seremos amados, quanto mais perdoarmos e agirmos com misericórdia nesta vida, mais e mais, Deus derramará sua misericórdia em nossas vidas.

A misericórdia de Deus é infinita e assim também deveria ser a nossa atitude, se não conseguimos perdoar quem nos ofendeu, devemos agir com sinceridade e pedir a Deus que derrame sobre nós esta misericórdia infinita, para que possamos ser para nossos irmãos um exemplo de Cristo nesta terra.

Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o amam.


NOVENA DA MISERICÓRIDIA

Foi passada a Santa Faustina, em uma de suas visões e se encontra em seu diário.

 (O DIÁRIO de Santa Irmã Faustina)

“Através desta novena concederei às almas toda espécie de graças” (Diário 796).


            "NOVENA à Misericórdia Divina que Jesus me mandou escrever e rezar antes da Festa da Misericórdia, Começa na sexta-feira Santa. (A Festa da Misericórdia Divina acontece no primeiro domingo após a Páscoa.)

            Desejo que, durante estes nove dias, conduzas as almas à fonte da Minha misericórdia, a fim de que recebam força, alívio e todas as graças de que necessitam nas dificuldades da vida e, especialmente na hora da morte. Cada dia conduzirás ao Meu Coração um grupo diferente de almas e as mergulharás nesse oceano da Minha misericórdia.

Eu conduzirei todas essas
almas à Casa de Meu Pai. 

Procederás assim nesta vida e na futura. Por Minha parte, nada negarei àquelas almas que tu conduzirás à fonte da Minha misericórdia. Cada dia pedirás a Meu Pai, pela Minha amarga Paixão, graças para essas almas.

PARA VER A NOVENA CLIQUE




domingo, 18 de maio de 2014

SANTA RICTRUDE


12-05

     Santa Rictrude nasceu na Gasconha (França) em 612, em uma família basca tão rica quanto devota. Bem jovem teve como diretor espiritual Santo Amando de Maastricht, que estava exilado naquela região pelo Rei Dagoberto, a quem tinha condenado a conduta licenciosa. Amando vivia naquele período como hóspede da família de Rictrude e a partir daquela casa o santo franco iniciou sua obra de evangelização da Gasconha.

     Um outro nobre franco, Adalbaldo, Duque de Douai, chegou também àquela região, ganhando logo o favor do Rei Clóvis II, e, apesar da oposição dos nobres bascos, obteve a mão de Rictrude em casamento.

     O casal foi viver em Ostrevant, nas Flandres, e tiveram quatro filhos, todos eles venerados como santos: Adalsinda, Closinda, Mauroncio e Eusébia.
     Amando os visitava com frequência; o casal levava uma vida “devota e feliz”, como descreve o seu biógrafo, Hucbaldo, em Vita Rictrudis, escrita em 907, a pedido da Abadia de Marchiennes.

     Infelizmente, a felicidade de dezesseis anos teve um fim trágico quando Adalbaldo foi assassinado presumivelmente como resultado ainda das hostilidades contra o matrimônio com Rictrude. Ele é honrado como mártir, embora a sua comemoração tradicional em 2 de fevereiro não seja relatada no Martirológio Romano.
     Devido à trágica perda do esposo, Rictrude expressou o desejo de se tornar monja, mas Amando aconselhou-a a aguardar que seu filho Mauroncio fosse grande o bastante para ser introduzido na vida da corte.

     Clóvis II tinha entretanto outros projetos para ela, desejando que desposasse um de seus protegidos. Santo Amando conseguiu persuadi-lo a deixá-la livre e ela pode assim recolher-se em Marchiennes, onde havia fundado um mosteiro masculino e feminino.

     Em 648 tornou-se abadessa daquele mosteiro, cargo que ocupou até sua morte, e as suas duas filhas mais velhas, Adalsinda e Closinda, se juntaram a ela. Mais tarde também o filho, Mauroncio, que estivera a ponto de casar-se, deixou a corte e ingressou na abadia. Posteriormente, São Mauroncio foi abade de Bruel.

     A primeira filha morreu jovem, mas a segunda sucedeu a mãe como abadessa de Marchiennes quando Rictrude faleceu, em 678. A última filha, Santa Eusébia, que fora enviada para a Abadia de Hamage após o assassinato do pai, onde sua avó era abadessa, mais tarde também foi eleita abadessa de Hamage.


     Venerada como santa pouco depois de sua morte, muitos milagres são atribuídos à intercessão de Santa Rictrude.
     
Foi sepultada na Abadia de Marchiennes, e em sua lápide foi inscrito "Virtutis ager, pietatis imago" - campo da virtude, imagem da piedade. O túmulo foi refeito por diversas vezes. As relíquias foram transladadas para Paris, onde foram perdidas durante a terrível 

Revolução Francesa, em 1793. Algumas fontes referem que parte das relíquias foi levada para Douai.
    
Esta família, quase toda ela elevada à honra dos altares, não é senão um dos muitos casos semelhantes que aconteceram nos dois mil anos de Cristianismo.

     O Martirológio Romano comemora Santa Rictrude no dia 12 de maio.



Abadia de Marchiennes
     

Esta Abadia foi fundada cerca de 630 por Santo Adalbaldo, Duque de Douai, e monges irlandeses, discípulos de São Columbano, sob a direção de Santo Amando. Santa Rictrude tornou-a mosteiro duplo em 643, sendo ela mesma abadessa durante anos.

     Por volta de 1024, tornou-se mosteiro masculino novamente e a Regra beneditina foi adotada. No nascimento da cidade de Marchiennes, a Abadia tornou-se seu motor econômico até sua supressão em 1791, durante a nefasta Revolução Francesa. Em 1814 foi demolida. Suas ruínas foram inscritas no inventário de monumentos históricos em 17 de maio de 1974.



ORAÇÃO PARA A FÉ


Pai Onipotente e Onipresente, recorremos a Vós neste instante e que o mundo se encontra sob a opressão dos desmandos causados pela inversão de valores que os mais incautos propagam, a fim de vos pedir que como Santa Rictrude que tinha fé inabalável, nós vossos filhos também consigamos solidificar nossa fé através de exemplos, combatendo desta forma pacífica a dominação da inversão de valores que se faz presente na Terra, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Virgem Maria vos imploramos.



Que assim seja.


quinta-feira, 8 de maio de 2014

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA



O moço de 19 anos que chegava à Terra de Santa Cruz vinha com as melhores disposições espirituais possíveis para exercer sua missão. Embora tão jovem e  não tendo ainda sido ordenado sacerdote, Irmão José era dos primeiros missionários jesuítas que se estabeleciam na nova terra. Sua meta era conquistar almas para Cristo.

Ele fazia parte da comitiva do segundo Governador Geral do Brasil Dom Duarte da Costa e chegou a Salvador, na Bahia de Todos os Santos, no dia 13 de julho do ano de 1553.
Da Terra de dimensões continentais em que aportou nunca mais saiu. Amou a Terra, amou seu povo. Evangelizou as "gentes brasílicas", deu rumo a sua formação. Identificou-se com suas aspirações, sem perder sua própria identidade.

ORIGENS

Aquele jovem noviço tinha nascido em São Cristóvão, Tenerife, uma das ilhas do Arquipélago das Canárias, a 19 de março de 1534, dia da festa litúrgica de São José, fato determinante para que ele também recebesse esse nome no batismo: José de Anchieta.
José de Anchieta pertencia a uma próspera família. Seu pai, Juan Lopes de Anchieta, era da província de Guipuscoa, no País Basco. Por precaução, Juan havia mudado para as Canárias. E ele tinha lá suas razões para isso: ele tomou parte na Revolta dos Comuneiros, feita contra o imperador espanhol Carlos V e havia sido condenado à morte.
Juan Lopes acabou sendo salvo da pena capital por intercessão de um ilustre parente militar, o capitão Inácio de Loyola, que, mais tarde, veio a ser o fundador dos jesuítas, os religiosos da Companhia de Jesus. Sua mãe foi Dona Mência Dias de Clavijo y Llarena. Ela era natural das próprias Ilhas Canárias. Seu avô havia sido um dos conquistadores espanhóis.

FORMAÇÃO

Quando ainda criança, Anchieta teve oportunidade de estudar com religiosos. Ao completar 14 anos, juntamente com um irmão de maior idade, ele já estava iniciando seus estudos na célebre Universidade de Coimbra. Cursou ali o renomado Colégio de Artes. Recebeu nessa ocasião uma educação própria de seu tempo, com uma formação principalmente filológica e literária para que aperfeiçoasse a língua latina e já visando um aperfeiçoamento futuro. Maiores ciências ele as adquiriu nas escolas dos padres da Companhia de Jesus. Cresceu nelas de tal maneira que em breve tempo estava bem formado em todo gênero de humanidades.
Foi com 17 anos de idade que José de Anchieta ingressou na Companhia de Jesus, a Ordem Religiosa fundada por Santo Inácio em 1539 e que foi aprovada pelo Papa Paulo III com a publicação da bula "Regimini Militantis Eclesiae", de 1540. Também foi por essa ocasião que José de Anchieta --ainda estudante de 17 anos-- fez seu voto particular de castidade diante do Altar de Nossa Senhora, na Catedral de Coimbra.
Na época do estudante José de Anchieta o mundo ocidental estava vivendo uma crise: passava por uma autêntica e profunda revolução cultural e religiosa. O Renascimento, aproveitando-se de tendências latentes no homem decadente do fim da Idade Média, manejava as ideias, influenciando e marcando profundamente os acontecimentos nas artes e mentalidades. No campo religioso, a reforma protestante, codificada por um frade apóstata e seguindo a esteira da renascença, produzia devastações no seio da unidade do cristianismo.
Foi num mundo assim conturbado que no ano de 1553, no final de seu noviciado, José de Anchieta fez seus primeiros votos como jesuíta. Com esses votos, seus receios de não poder permanecer na Ordem de Santo Inácio foram dissipados.

MOTIVO DA VINDA AO BRASIL

Logo após seu ingresso na Companhia de Jesus, ele foi acometido por uma doença ósteo-articular. Se essa enfermidade continuasse a agredi-lo, suas esperanças de ser jesuíta cairiam por terra: ele não poderia continuar na Ordem. Os votos lhe garantiam que estava são e que poderia continuar entre os filhos de Santo Inácio.
Os médicos da época acreditavam que os ares do Novo Mundo seriam benéficos para sua total recuperação e aconselharam sua transferência para o outro lado do Oceano Atlântico. Então, seus superiores o enviaram para exercer uma missão em terras do domínio português, na América.
Ele era um bom religioso. Entusiasmado, obedeceu prontamente seus superiores: atravessou o oceano, chegou ao Brasil para evangelizar seu povo e daqui nunca mais saiu.
Na travessia do oceano o mais jovem dos jesuítas na esquadra do Governador Duarte da Costa dava mostras de que sua saúde estava sendo recuperada a cada instante. Quando aportou em Salvador, ele estava praticamente curado. O tempo na nova terra completaria a cura total.

AÇÃO PRETERNATURAL OU FATO PROVIDENCIAL?

As caravelas do novo Governador Geral Duarte da Costa traziam cerca de 250 pessoas. Além do noviço José de Anchieta, fazia parte da esquadra o também jesuíta Padre Manuel da Nóbrega que era seu superior e seria acompanhado por Anchieta no início de sua missão.
Os dois jesuítas já tinham destino certo. Eles apenas passariam por Salvador e logo deveriam dirigir-se para a Capitania de São Vicente. Ali exerceriam a missão de catequizar colonos e nativos.
A viagem até a "terra de missão" era difícil. Não havia outro meio de realizá-la a não ser por mar. Duas naus saíram de Salvador com destino a São Vicente levando Anchieta, Nóbrega e outros padres jesuítas. Ainda no Sul da Bahia uma tempestade gigantesca surpreendeu as duas embarcações. Uma delas foi arremessada contra os rochedos e espatifou-se. Por milagre, ninguém morreu. A nave em que estava Anchieta, acabou ficando encalhada nos recifes, ainda inteira.
Foi uma noite de terror para os viajantes. Gigantescas ondas ameaçavam destruir a nau que ainda havia restado. No dia seguinte, o mar amanheceu calmo e os viajantes conseguiram chegar à terra. Parece até que uma fúria de origem preternatural, diabólica, antevendo os sucessos que teriam os missionários, tentava impedir que eles chegassem a seu destino.
Pior para o demônio: Ali mesmo Anchieta começou sua missão... com sucesso. Ao procurar comida em terra firme, encontrou-se com índios do lugar. Ao chegar na aldeia deles, viu uma indiazinha muito doente, já à beira da morte. Anchieta a instruiu e batizou dando-lhe o nome de Cecília. Logo depois, a primeira indiazinha brasileira batizada por Anchieta morreu.
Enquanto o barco era consertado, Anchieta ainda esteve outras vezes na aldeia para ensinar o evangelho aos índios.  Chegando a hora da partida, com a consciência tranquila, Anchieta pensava: "O acidente com o barco foi uma obra permitida pela Providência Divina para salvar a inocente Cecília, que estava predestinada." E ele tinha razão.
Sua vida está cheia de fatos semelhantes que indicam os desígnios de Deus Nosso Senhor de tê-lo como instrumento de salvação para muitas almas. Aquele jovem franzino, doente, tinha a alma maior que o corpo. Sua fé exuberante, acalentava uma esperança que, por amor a Deus, seria capaz de evangelizar um país, formar um povo, salvar um país inteiro.

UM APÓSTOLO NA CAPITANIA DE SÃO VICENTE

O missionário José de Anchieta chegou a Salvador em junho de 1553 e logo se dirigiu a São Vicente.
Em pouco tempo ele já estava colocado no centro das atividades da missão. Com seus dotes inatos de comunicador, e com sua sede de almas, conseguiu com os índios um amplo entendimento. Tornou-se logo amigo de indígenas e colonizadores e por ambos era respeitado.
Não limitou seu trabalho às redondezas da pequena São Vicente. Subiu a Serra que costeava a Capitania e chegou ao planalto que estava depois dela. O Planalto de Piratininga era povoado por milhares de índios que viviam em aldeias distintas. Para Anchieta elas eram almas redimidas pelo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e sua missão consistiria em conquistá-las para Cristo, conduzi-las para a Igreja para serem instruídas, formadas, civilizadas.
Sua ação era ligeira, meticulosa, apostólica, eficiente. Tinha metas audaciosas, plantava bases para o futuro. Assim foi que em 1554, no dia 25 de janeiro, festa da Conversão de São Paulo Apóstolo, Anchieta participou da fundação do colégio da vila de São Paulo de Piratininga, onde também foi professor. Junto ao colégio foi edificada uma capela provisória na qual foi celebrada a primeira missa em 25 de agosto.
Estava nascendo o núcleo de uma cidade que se tornaria uma das maiores metrópoles do mundo: São Paulo. Anchieta construiu ainda um seminário perto do Colégio de Piratininga e nele também dava aulas. Tanta ação, tanto fruto já colhido e não havia passado seis meses desde que ele chegara à Capitania.

ELA FALAVA O PORTUGUÊS, O CASTELHANO, O LATIM E A LÍNGUA BRASÍLICA.

Decifrar o tupi foi uma das tarefas que Nóbrega deu a Anchieta. Em apenas seis meses, ele conseguiu entender e falar a língua dos índios. Em um ano ele a dominava com perfeição a ponto de criar uma gramática. Além da gramática indígena, Anchieta dedicava seus dias a ensinar o latim e o português a curumins e índios adultos. Aos irmãos jesuítas, ensinava a língua tupi.
Depois de cumprir suas obrigações religiosas e de exercer todo o trabalho que tocava a ele executar, ainda estava longe a hora do repouso para ele. Era à noite, quando todos já dormiam, que ele escrevia manuais para os alunos, cartas sobre o trabalho dos jesuítas e obras diversas, entre elas um dicionário de tupi e um tratado sobre a flora, a fauna e o clima da Capitania de São Vicente.

LUTOU CONTRA INVASORES, UNIFICOU PELA FÉ

No ano de 1555, o Brasil enfrentou graves problemas com a tentativa de franceses calvinistas de estabelecer uma colônia na região do Rio de Janeiro. Os invasores contavam com o apoio de índios da região.
Anchieta participou ativamente da luta pela expulsão dos franceses. A confiança que os índios tinham nele foi decisiva. Nas batalhas finais, no Rio de Janeiro, ele estava animando os combatentes brasileiros. Era amigo de Estácio de Sá e esteve junto dele nas últimas batalhas.
Ele agia em todos os setores do tecido social e religioso da nascente nação. No campo ele exerceu o cargo de provincial da Companhia de Jesus entre os anos de 1577 a 1587.  O trabalho de Anchieta foi decisivo para a implantação do catolicismo no Brasil. Com seu conhecimento, fé e vontade de evangelizar, percorreu a pé, a cavalo, em embarcações, boa parte do território brasileiro. Assim contribuiu para manter unificado o país naquela época e nos séculos seguintes.
Ele foi quem lançou os fundamentos da catequese e educação dos jesuítas no Brasil. Foi ele também quem começou a reverter o quadro iniciado desde o descobrimento, em que os nativos eram vistos apenas como propriedade da Coroa e, como tal, passíveis de serem escravizados.

AGINDO COMO APÓSTOLO, PLANTOU CULTURA

Anchieta deixou sua marca também no campo cultural. Sua obra de conteúdo eminentemente religioso constituiu-se na primeira manifestação literária na Terra de Santa Cruz contribuindo fortemente para a formação da nascente cultura brasileira.  Além de suas cartas, sermões e poesias, ele escreveu uma Gramática da língua tupi, idioma que ele dominava perfeitamente. Escreveu "De Gestis Mendi de Saa", um livro que tratava dos feitos do Governador Geral Mem de Sá.
É famoso seu "Poema da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus", que foi escrito originariamente nas areias da praia de Iperoig, no litoral da costa da Capitania. Nele se manifesta não só a erudição e inspiração do poeta, mas, refulgem no texto as melhores doutrinas sobre a Virgem Maria e a expressão de uma devoção e de um amor extraordinário à Santa Mãe de Deus. São também de autoria de Anchieta peças de teatro de cunho religioso e formativo. Entre elas está o "Auto da Pregação Universal" e ainda o "Na Festa de São Lourenço", também chamada de "Mistério de Jesus".

VIVEU COM MISSIONÁRIO, AGIU COMO HERÓI, MORREU COMO SANTO

A vida do Beato José de Anchieta é como um sopro encorajador: é exemplo. Entusiasma e arrasta os que têm Fé. Convida os católicos a viver na caridade e no ardor missionário que evangeliza e santifica. Para os índios, ele foi médico, professor, foi amigo e defensor. Tornou-se o elo de ligação dos índios e colonos com os padres jesuítas, com a Igreja e a nação que estava sendo forjada.
Mas, o Beato José de Anchieta foi sobretudo sacerdote. Cuidava das doenças e feridas das almas, da espiritualidade de todo o povo. Por isso mesmo é que lhe foram dados vários títulos que o homenageavam, sendo que o que melhor lhe cai é o de "Apóstolo do Novo Mundo", que para nós pode ser "traduzido" como "Apóstolo do Brasil".
Com 63 anos, Anchieta faleceu no povoado que ele mesmo havia ajudado a edificar em 1569: Iritiba (a atual Anchieta), na Capitania do Espírito Santo. Era o dia 9 de junho de 1597 quando José de Anchieta entregou sua alma a Deus. Foi beatificado pelo Papa João Paulo II, em 1980, quando então foi nomeado "Apóstolo do Brasil". 


José de Anchieta foi canonizado pelo papa Francisco em 03 de abril de 2014, a missa de agradecimento a sua canonização foi realizada pelo papa Francisco em 24 de abril de 2014.


 Fizeram uma nova imagem, onde ele aparece mais jovem.

Oração a Anchieta

Bem-aventurado José de Anchieta, missionário incansável e Apóstolo do Brasil, abençoai a nossa Pátria e a cada um de nós. Inflamado pelo zelo da glória de Deus, consumistes a vida na promoção dos indígenas, catequizando, instruindo, fazendo o bem. Que o legado de vosso exemplo frutifique novos apóstolos e missionários em nossa terra.
Professor e mestre,  abençoai nossos jovens, crianças e educadores. Consolador dos doentes e aflitos, protetor dos pobres e abandonados, velai por todos aqueles que mais necessitam e sofrem em nossa sociedade, nem sempre justa, fraterna e cristã. Santificai as famílias e comunidades, orientando os que regem os destinos do Brasil e do Mundo. Através de Maria Santíssima, que tanto venerastes na terra, iluminai os nossos caminhos, e nome de Nosso Senhor Jesus Cristo,  hoje e sempre. 

Que assim seja.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

ORAÇÃO DE ENTREGA A DEUS



Deus, não consinta que eu seja o carrasco que sangra as ovelhas, nem uma ovelha nas mãos dos algozes.

Ajuda-me a dizer sempre a verdade na presença dos fortes, e jamais dizer mentiras para ganhar os aplausos dos fracos.

Meu Deus, se me deres a fortuna, não me tires a felicidade; se me deres a força, não me tires a sensatez; se me for dado prosperar, não permita que eu perca a modéstia, conservando apenas o orgulho da dignidade.

Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas, para não acusar meus adversários com mais severidade do que a mim mesmo.

Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando bem sucedido, e nem pelo desespero, quando derrotado. Lembra-me que a experiência de uma queda poderá proporcionar uma visão diferente do mundo.
Ó Deus!

Faze-me sentir que o perdão demonstra força, e que a vingança é prova de fraqueza.
Se me tirares a fortuna, deixe-me a esperança.
Se me faltar à saúde, conforta-me com a graça da fé.
E quando me ferir a ingratidão e a incompreensão dos meus semelhantes, cria em minha alma a força da desculpa e do perdão.
Finalmente Senhor, se eu Te esquecer, Te rogo que nunca Te esqueças de mim.



 Paulo Coelho