Seguidores

TRADUTOR

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

NOSSA SENHORA DA ALEGRIA (LIÈSSE)

N.SRA.DA ALEGRIA-VILA MOURA PORTUGAL
N.SRA.DA ALEGRIA CASTELO DE VIDE PORTUGAL
















Na diocese de Laon se acha o célebre santuário de Nossa Senhora de Lièsse. Este nome significa Nossa Senhora da Alegria, e foi dado em memória de um acontecimento feliz que o santuário de Lièsse recorda.

Durante o reinado de Fulco de Anjou, quarto rei de Jerusalém, três fidalgos de Laon, partidos para a Cruzada, foram feitos prisioneiros e conduzidos ao Cairo. O sultão tentava, por ameaças e seduções, fazê-los abjurar a sua fé. Não conseguiu abalar a piedosa fidelidade de seus prisioneiros; pelo contrário, estes converteram a filha do príncipe, que decidiu não só deixá-los evadirem-se, como também os acompanhou.

A evasão produziu-se sem embaraço, levando os fugitivos consigo uma imagem da Santíssima Virgem. Mas a sua situação era muito perigosa, e, uma noite, abatidos pela fadiga e incertos do futuro, adormeceram desanimados.

Ao despertarem, qual não foi a surpresa! Reconheceram sua terra natal. Estavam na França. Em uma noite foram transportados milagrosamente do Egito para a sua pátria. No outro dia, acharam no mesmo lugar a estátua de Nossa Senhora, que trouxeram na fuga.



Como demonstrar sua alegria e gratidão pelo milagroso livramento? Fizeram erigir à Maria um santuário onde aprouve à Virgem Santíssima multiplicar os benefícios e as graças.

Peçamos à Mãe de Deus que nos seja refúgio nas nossas tribulações, e confiemos todas as nossas alegrias àquela que a Igreja chama de Mãe da Esperança e de Santa Alegria.

(Mês de Maria, Pe. B. Bord – Editora Vozes Ltda, Petrópolis – 1ª. edição, 1940, pp. 72 – 74)
Nossa Senhora da Alegria tem festa própria (ou romaria) em duas terras portuguesas: Funchal e Castelo de Vide. Está também presente em pelo menos outras duas, nas respectivas igrejas: em Almalaguês, uma freguesia do concelho de Coimbra, e em Vilamoura.
Como Mãe soberana e cheia de carinho, que transforma as lutas em triunfos, as tristezas em alegrias, as preocupações em alívio e sabe conceder resignação cristã e paz de espírito ou tranquilidade de alma a todo o sofrimento, dúvida e inquietação - é também invocada como Poderosa Advogada das Dores de Parto, já que a Mulher anseia pela enorme alegria de ver o fruto do seu amor, embora, por vezes, receie as dores do nascimento."
Depois da segunda oração, está publicada a oração para pedir proteção para o parto.

1-Oração

Na calma deste momento, furtando-me do corre corre da vida, eu me recolho em Ti.
Senhora da alegria, olha a minha audácia: na singeleza da minha oração eu te dou a minha alegria.
Como é bom ser alegre. Obrigada Senhora. Foi teu dom. Como é agradável ter a alma em paz. Ela é Tua também. Como é maravilhoso ter a alma branda... Razão de ser de toda alegria.
Senhora, nos dias ensolarados e nas noites entreabertas, um sorrir sincero indique a alegria sempre em mim.
Que eu saiba sorrir a Ti em todas as circunstâncias da vida, nas festas, nas tormentas, no meu próximo.
Sorria eu, Senhora, para aprender com Teu salmista a servir a Senhora, na alegria.

Que assim seja em nome de Vosso Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo.


2- ORAÇÃO PARA UM BOM PARTO


 Virgem Mãe Santíssima, Nossa Senhora da Alegria, escolhida por Deus para a missão da divina maternidade, dando ao mundo, em parto misterioso, o seu Redentor e Salvador, alcançai-me de Jesus, fruto bendito do Vosso ventre, a graça de ser feliz no momento em que venha a ver a luz do dia o fruto que trago nas minhas entranhas e que, após o transe do parto para que suplico a Vossa especial proteção, prometo vir consagrar-Vos, junto desta imagem, a fim de que o cumuleis de abundantes favores celestes, acrescidos das Vossas bênçãos carinhosas e maternais. Pelo mesmo Cristo Senhor Nosso.

Que assim seja.


Oração de Agradecimento - Consagração

(Agradecendo um parto feliz e consagrando o filho)

Ó doce Mãe do Céu, Nossa Senhora da Alegria, eis-me prostrada a Vossos pés para agradecer, jubilosa e devotamente, as graças e bençãos que Vos dignastes conceder-me de Vosso Divino Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, no momento em que viu a luz do dia este meu filho querido (ou: esta minha filha querida) que hoje trago até junto de Vós para Vo-lo(la) consagrar irrevogavelmente, a fim de que, o(a) protejais durante todos os dias da sua peregrinação pelo mundo, livrando-o (a) dos perigos da alma e do corpo, e o (a) acumuleis de abundantes bênçãos celestes. Pelo mesmo Cristo Senhor Nosso.


Que assim seja.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

BEATA LINDALVA JUSTO DE OLIVEIRA


07-01

Lindalva nasceu no Sítio Malhada da Areia, no município de Assu, no Rio Grande do Norte. Filha do segundo matrimônio do agricultor João Justo da Fé – viúvo com três filhos – com a jovem Maria Lúcia da Fé. Lindalva foi a sexta, dos treze filhos do casal.
Foi batizada no dia 7 de janeiro de 1954, na Capela de Olho D'Água, da Paróquia de São João Batista, pelo Monsenhor Júlio Alves Bezerra.


Em 1961 a família muda-se para a sede do município de Assú, para possibilitar o estudo regular dos filhos do casal. João e Maria adquiriram uma casa e nela se estabeleceram.

Educada e orientada pelos pais na prática da piedade, da devoção e da caridade, manifestou precocemente sua inclinação para a vida de oração e para a prática da caridade para com os empobrecidos. Ainda jovem deu mostras de sua sensibilidade para com as necessidades alheias.  Certa vez, a todos surpreendeu ao doar as próprias roupas aos pobres.

Teve uma adolescência e juventude comum – considerando a realidade rural do nordeste brasileiro – entre atividades escolares, brincadeiras e atividades domésticas. Cuidava dos sobrinhos, dos irmãos mais novos e de outras crianças. Ajudava também, nos finais de semana, na lavoura.
Era constante sua inclinação para ajudar os pobres, doentes e idosos.

Lindalva transferiu-se para Natal para continuar os estudos. Passou a residir com a família de seu irmão Djalma.

Em 1979, concluiu o ensino médio na Escola Helvécio Dahe. Cooperava na educação de seus sobrinhos e nos afazeres da casa. Entre seus amigos teve alguns namoros.

De 1978 a 1988 trabalhou em algumas empresas. O dinheiro que ganhava, enviava á família em Assu, ficando com pouco para o seu uso pessoal.

Nos anos que morou em Natal frequentou a casa das Irmãs da Caridade e trabalhou como voluntária no Instituto para os Anciãos.

Em 1982 seu pai faleceu de um câncer no abdômen, tendo tido a assistência de Lindalva nos últimos meses de vida. Após a morte do pai, iniciou um curso de técnica em enfermagem, bem como de violão.

As irmãs da Casa de Caridade, que frequentava, notaram sua natural propensão a ajudar as crianças e marginalizados. Era tomada de uma sincera alegria quando servia os anciãos e exortava aqueles que os serviam a fazê-lo com sincero amor.

A partir de 1986 passou a frequentar o movimento vocacional das Filhas da Caridade, iniciando o seu processo de discernimento vocacional à vida religiosa.

No final do ano de 1987, pediu ingresso na congregação. No dia 28 de novembro de 1987 recebeu o sacramento da crisma das mãos de Dom Nivaldo Monte, arcebispo de Natal. No dia 28 de dezembro do mesmo ano recebe carta da madre provincial das Filhas da Caridade aceitando-a ao postulando da congregação.

Lindalva inicia seu postulado – que é um período preparatório ao noviciado – no dia 11 de fevereiro de 1988, em Recife, na Casa Provincial das Irmãs da Caridade.

Pediu seu ingresso no noviciado no dia 3 de junho de 1989, “com o mais profundo ideal de servir a Cristo através dos pobres.”
No dia 16 de julho de 1989, dia de Nossa Senhora do Carmo, Lindalva e outras cinco companheiras iniciaram o noviciado em Recife. Tendo encerrado o noviciado, Irmã Lindalva emite votos simples de pobreza, castidade e obediência.
No dia 29 de janeiro de 1991, Irmã Lindalva é enviada para a Bahia, onde trabalhará no Abrigo Dom Pedro II, no bairro do Roma, na cidade baixa, em Salvador. Esta instituição, fundada em 1887, presta assistência a idosos empobrecidos.

Irmã Lindalva é destinada a um pavilhão que atende a 40 anciãos.
Todos os testemunhos colhidos para o processo de beatificação relatam sua simplicidade, cordialidade e alegria com que tratava a todos. Realiza serviços simples e humildes para os idosos internos.

Durante um retiro espiritual, em janeiro de 1993, parafraseando São Vicente de Paulo, afirma sentir-se mais realizada e feliz no seu trabalho que o Papa em Roma.

Quando indagada sobre sua constante alegria, ela responde : : "O coração é meu e pode sofrer, mas o rosto pertence aos outros e deve ser sorridente".

Em janeiro de 1993, devido a uma recomendação, o abrigo teve que acolher entre os anciãos Augusto da Silva Peixoto, homem de 46 anos, que não tinha direito de ser interno, em virtude de sua idade. Ele passou a assediar Irmã Lindalva, tornando-se insistente e inconveniente. A religiosa, com medo, procurou afastar-se o mais que pode de Augusto. Narrou a situação a outras irmãs e intensificou sua vida de oração. Seu amor aos idosos a mantiveram no abrigo, e chegou a confidenciar a uma coirmã: “prefiro que meu sangue seja derramado a afastar-me daqui”.
Os internos repreendem Augusto e insistem para que Irmã Lindalva relate o fato ao diretor do serviço social do abrigo. No dia 30 de março a funcionária Margarita Maria Silva de Azevedo, repreende Augusto.

Augusto dirigiu-se à Feira de São Joaquim no dia 5 de abril, segunda-feira e comprou uma faca peixeira que amolou ao chegar no abrigo.
No amanhecer do dia 9 de abril, Sexta-Feira Santa, Irmã Lindalva participou da Via-Sacra, na paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem. Ao regressar, serviu o café da manhã aos idosos, como de costume. A irmã – ocupada com o serviço – não percebeu que Augusto se aproximava. Foi surpreendida com um toque no ombro. Ao virar-se, recebeu os golpes que lhe tiraram a vida. Um senhor ainda tentou intervir; mas Augusto ameaçou de morte quem ousasse se aproximar. Após o crime, o assassino foi esperar a polícia, sentado em um banco, na frente do abrigo. Após condenação, foi internado em um manicômio judiciário.
Os médicos legistas identificaram 44 perfurações no corpo da religiosa.
Imediatamente seu assassinato foi identificado pela comunidade católica como martírio, e associaram a tragédia às celebrações da Sexta-Feira da Paixão.

Irmã Lindalva foi beatificada em 07 de dezembro de 2007, pelo Santo Padre Bento XVI, anunciada por mensagem do Cardeal  José Saraiva Martins na cidade de São Salvador-BA.
Parte da mensagem do Cardeal quando no anuncio de sua beatificação:
“É para mim uma alegria verdadeiramente grande poder presidir durante a celebração eucarística, em nome do Santo Padre Bento XVI, ao solene rito da Beatificação da Irmã Lindalva: a primeira Filha da Caridade brasileira, a ser elevada às honras dos altares.
Desejo alegrar-me vivamente com a Igreja de Deus que está em São Salvador da Bahia, com as Filhas da Caridade das seis províncias brasileiras e, particularmente, com todo o Povo de Deus que encontrará nesta jovem religiosa do nosso tempo, o sentido de uma forte pertença, porque Lindalva é uma de nós. A sua família é uma das nossas famílias e hoje está aqui conosco. Uma mártir dos nossos dias, a ter como exemplo, em particular os jovens, pelo seu testemunho de simplicidade, de pureza, de alegria de viver, de doação a Cristo”. 


ORAÇÃO PARA A BEATA LINDALVA JUSTO DE OLIVEIRA




Ó Deus, que infundistes no coração de Lindalva a chama da caridade e da fidelidade à vocação junto aos mais abandonados, concedei-nos a graça que vos pedimos (…..) para que em breve seja reconhecida oficialmente entre os santos do céu. Sua vida ganhou, numa sexta-feira santa, a coroa do martírio. Sua morte é a do justo e do inocente como a de Cristo. Na hora do holocausto, doloroso, mas fecundo ela se apresenta a servir tal qual o Mestre que disse: “Não vim para se servido, mas para servir”.  Conceda-nos, Senhor, por intercessão da Bem-aventurada Lindalva, a oportunidade de sermos útil, servindo a  Cristo através dos irmãos menos afortunados.  Isto Vos pedimos, pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor.

 Que assim seja.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai.