Seguidores

TRADUTOR

sábado, 29 de setembro de 2012

FESTA DOS ARCANJOS MIGUEL, GABRIEL E RAFAEL




Hoje, dia 29 de Setembro, celebra a Igreja Católica os três Arcanjos: São Miguel, São Gabriel e São Rafael. (Antigamente esta data era dedicada sómente ao Arcanjo S. Miguel, tendo sido o PAPA JOÃO PAULO VI que determinou que passasse a ser o dia dos três Arcanjos já mencionados).


O Arcanjo São Miguel - reconhecido, liturgicamente, como o "Chefe dos Anjos", é considerado o padroeiro e protetor da Igreja Católica Universal. Durante oitenta anos por imposição (e autoria) do papa LEÃO XIII, rogou-se, no final da missa, a São Miguel, através de uma oração que foi retirada quando da reforma litúrgica, por volta de 1960. Contudo, ainda hoje é mantida em certos atos da Igreja.

Eis a oração:

"S. Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, cobri-nos com o vosso escudo contra os embustes e ciladas do demónio. - Ordene-lhe DEUS, instantemente o pedimos: e vós, Príncipe da Milícia Celeste, pelo Divino poder, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que vagueiam pelo Mundo para perdição das almas. Assim seja!"


Chefe dos exércitos celestiais, da milícia celeste ou dos exércitos de luz, São Miguel Arcanjo é o anjo da Paz, do Arrependimento e da Justiça, citado na bíblia como “o grande Príncipe que defende os filhos do povo de Deus”. Ainda na bíblia pode ler-se que “houve uma grande batalha no céu e que o Arcanjo São Miguel e os seus anjos lutaram contra Satanás e as suas legiões, que foram derrotados, banidos dos céus e atirados para a Terra”. Lê-se também que o Arcanjo Miguel enfrentou o diabo e disse: «Que o Senhor te repreenda». Daí, São Miguel Arcanjo ser representado, iconograficamente, a atacar o dragão infernal. É São Miguel que nos defende e protege, com o grande poder que Deus lhe concedeu, contra os Perigos, as Forças do Mal e os Inimigos.

O seu nome traduzido liturgicamente será: «Quem é como Deus», ou «Quem é semelhante a Deus» ou ainda «Aquele que é como Deus». Sinónimo de vindimas e de colheitas, São Miguel Arcanjo tem ainda a função de guiar e conduzir as almas para o céu, depois de tê-las pesado na balança da Justiça Divina.
Embora nos Anjos haja hierarquias a verdade é que DEUS tem sete anjos sempre presentes (Tob. 12,15; Apoc. 21,9). 
Os Anjos são mais notáveis do que os Homens, pois, como diz Santo Agostinho, ultrapassam em perfeição todos os outros seres Criados por DEUS.
Há alguma dúvida quanto ao nome de três dos sete Anjos de DEUS. Assim, tanto a Igreja Católica, como a Judaica e até o Islão, concordam com quatro nomes dos Anjos, a saber: S.Miguel, S. Gabriel, S. Rafael e S. Ariel(Aneal+Uriel).

Os três restantes Anjos são S. Jofiel, S. Samuel e S. Ezequiel, ou, S. Barachiel, S. Sealtiel e S. Jehudiel.(?).


O Arcanjo São Gabriel – (guardião da terra e dos seus habitantes) significa "Varão de Deus", "Fortaleza de Deus" ou ainda "Deus forte".
Ele foi o escolhido, por DEUS, para trazer uma mensagem a Maria (Virgem Maria), anunciando-lhe o mistério da Encarnação do Verbo.
S. Gabriel, tomando forma humana, aproximou-se de Maria, que estava em Nazaré, e disse-lhe:
"Avé, cheia de Graça, o Senhor é Contigo".
Maria questionou-o. E o Anjo disse:
"Não temas Maria, porque achaste Graça diante do Senhor. Conceberás no teu seio e darás à luz um filho ao qual chamarás JESUS. Ele será Grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo (Luc 1,26-31)".
Mas Maria voltou a questionar o Anjo:
-Como poderei ser mãe se sou virgem?
-"Conceberás por Obra do Espírito Santo".
Maria então deu o seu consentimento e disse:
"Eis aqui a Escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua Palavra".
Maria, segundo dados da própria fornecidos nas Aparições em "MEDJUGÓRIE", nasceu a 5 de Agosto do ano 16 a.C.; Gostava de José, um carpinteiro mais velho do que ela, que viria a salvá-la do "apedrejamento" e a casar com Ela, antes de Jesus nascer no ano 7 a.C. (segundo alguns escritos).

O Arcanjo São Rafael – chamado «Medicina de Deus» ou «Deus cura» – tem a seu cargo ajudar na cura dos doentes, sendo o guardião da saúde física e espiritual dos seres humanos.
...envolvido na cura de Tobias, um homem de negócios que havia ficado cego, ("teu pai recobrará a vista por meio do fel de um peixe"), e tendo-se verificado tal milagre, o filho deste, também de nome Tobias, querendo agradecer ao Anjo ouviu estas palavras:
"Bendizei ao Deus do Céu e Glorificai-O diante de todos os viventes".

Os três Arcanjos, São Miguel, São Gabriel e São Rafael representam o símbolo do Poder, da Fidelidade e a Glória dos Anjos.


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ORAÇÃO PARA LIBERTAÇÃO DOS VÍCIOS ARCANJO RAFAEL




ORAÇÃO PARA LIBERTAÇÃO DE VÍCIOS

Iniciar na 4ª. feira com vela de 7 dias verde.

Arcanjo Rafael, médico celeste, derrame sobre ( mim) ou sobre ................. seu poder curador, para que cada célula de meu ( seu) corpo seja carregada de força vital, e que seu organismo se recupere curando corpo e espírito com a graça Divina.
Peço ainda, com a sua permissão, ao coletivo dos elementais, que dilua na chama desta vela (verde) todas as energias negativas ou intrusas que possam estar atuando no (meu) corpo físico e emocional ou de ...................... sendo, agora, totalmente desmaterializadas.

Peço sejam reconstituídas todas as células e átomos do (meu) seu corpo físico, voltando assim à perfeita saúde, manifestação da harmonia.

AFIRMAÇÃO: (em voz alta, voltada para o Leste).

Arcanjo Rafael (eu)................... está completamente são de corpo, alma e espírito. Está livre de miasmas, larva astral, obsessores e findas todas influências negativas. Todo desânimo, tristeza, cansaço, ansiedade e dores se foram, deixando em seu lugar boa disposição, ânimo, alegria de viver e força para o trabalho.

(Minha) Sua capacidade imunológica está perfeita e afastado todos os vícios e dependência.

Há confiança em Deus e no futuro. Esta realmente feliz ama e (sou) é amado.

Fazer 21 dias seguidos. Se esquecer, comece novamente.
OBS: Se for para você mesmo use o meu, minha, se for para outra pessoa fale o nome e use o seu, sua.



terça-feira, 18 de setembro de 2012

ARCANJO MIGUEL MANTRA DE PROTEÇÃO




 MANTRA DE PROTEÇÃO


Arcanjo Miguel, Senhor da espada de luz.
Com a tua espada, corta todo mal.
O mal não tem poder algum.
Por que tu o venceste desde a primeira hora.

Arcanjo Miguel, sê meu Guia sempre.
Em ti confio, pois defendes as causas justas.
Sei que estarás, a meu lado sempre.
Nada temerei, pois o Mestre, a ti me confiou.

Arcanjo Miguel, eis aqui a tua espada.
Afasta de mim os feitiços e a má sorte.

Que os meus inimigos tenham olhos e não vejam,
boca e não falem, ouvidos e não ouçam.

E eu, coberto com o teu manto, passo segura sem medo algum, pois não estarei só.

Assim se faça, está feito e selado.





quinta-feira, 13 de setembro de 2012

VIDA DE MADRE TEREZA DE CALCUTÁ


27-08



Agnes Gonxha Bojaxhiu (Skopje, 26 de agosto de 1910 — Calcutá,  05 de setembro de 1997), conhecida mundialmente como Madre Teresa de Calcutá ou Beata Teresa de Calcutá, foi uma missionária católica de etnia albanesa, nascida no Império Otomano, na capital da atual República da Macedônia e naturalizada indiana, beatificada pela Igreja Católica em 2003. Considerada, por alguns, a missionária do século XX, fundou a congregação "Missionárias da Caridade", tornando-se conhecida ainda em vida pelo cognome de "Santa das sarjetas".

Agnes Gonxha Bojaxhiu, nasceu em 26 de agosto de 1910, em Skopje, na Macedônia, filha de pais albaneses, numa família de três filhos, sendo duas moças e um rapaz. Embora ela tenha nascido a 26 de agosto, ela considerava o 27 de Agosto, o dia em que foi batizada, como o seu “verdadeiro aniversário". Ela nasceu em Skopje, hoje capital da República da Macedônia, mas na época de seu nascimento era parte do Império Otomano.

Começou por fazer votos aos 18 anos nas Irmãs de Nossa Senhora do Loreto (Instituto Beatíssima Virgem Maria), na Irlanda, onde pouco tempo viveu.
Já na Índia, a serviço dessa congregação como professora, ao primeiro lar infantil ou "Sishi Bavan" (Casa da Esperança), fundada em 1952, juntou-se ao "Lar dos Moribundos", em Kalighat. 

A princípio, ela teve alguns problemas de ordem religiosa, com alguns grupos que professavam outra fé, e consequentemente, outra religião e cultura, mas com o passar do tempo, todos foram notando, que ela tinha realmente boas intenções, e que sua obra tinha verdadeiramente um caráter nobre. Assim, ela começa a receber donativos de hindus, muçulmanos, budistas, etc. E assim também foi ocorrendo em relação às outras situações difíceis e problemáticas, tais como: crianças abandonadas, pessoas sofrendo de AIDS/SIDA, mulheres que haviam sido abusadas e engravidaram, leprosos...

Mais de uma década depois, em 1965, a Santa Sé aprovou a congregação Missionárias da Caridade e, entre 1968 e 1989, estabeleceu a sua presença missionária em países como Albânia, Rússia, Cuba, Canadá, Palestina, Bangladesh, Austrália, Estados Unidos da América, Ceilão, Itália, antiga União Soviética, China, etc.

O reconhecimento do mundo pelo seu trabalho concretizou-se com o Prêmio Templeton, em 1973, e com o Nobel da Paz, no dia 17 de outubro de 1979.

Em outubro de 1985 Madre Tereza falou no quadragésimo aniversário da Assembleia Geral das Nações Unidas. Na vigília de Natal do mesmo ano, abriu em Nova York o “Dom de Amor”, a primeira casa para os doentes de AIDS. Nos anos seguintes, outras casas seguiram esta casa de acolhimento nos Estados Unidos e alhures, sempre especificadamente para doentes de AIDS.

No final dos anos 80 e durante os anos 90, não obstante os crescentes problemas de saúde, Madre Tereza continuou a viajar pelo mundo para a profissão das noviças, para abrir novas casas de missão e para servir aos pobres e àqueles que tinham sido atingidos por diversas calamidades. 

Foram fundadas novas comunidades na África do Sul, Albânia, Cuba e Iraque, que estava dilacerado por causa da guerra. Em 1997 as irmãs eram cerca de 4000, presentes em 123 países do mundo nas mais ou menos 600 fundações.

Depois de ter viajado por todo o verão a Roma, New York e Washington, em condições de saúde delicadas, Madre Tereza voltou a Calcutá em 1997. Às 09h30min da noite do dia 05 de setembro de 1997, ela morreu na Casa Geral. O seu corpo foi transferido para a Igreja de São Tomas, adjacente ao Convento de Loreto, exatamente onde tinha chegado 69 anos antes. Centenas de milhões de pessoas de todas as classes sociais religiões, da Índia e do exterior lhe renderam homenagem.

 No dia 13 de setembro recebeu o funeral de Estado e o seu corpo foi conduzido em um longo cortejo através das estradas de Calcutá, sobre uma carreta de canhão que tinha trazido também os corpos de Mohandas Gandhi Jawaharlal Nehru. Chefes de nações, primeiros Ministros, Rainhas e enviados especiais chegaram para representar os países de todo o mundo.

Morreu em 1997 aos 87 anos, de ataque cardíaco, quando preparava um serviço religioso em memória da Princesa Diana de Gales, sua grande amiga, que faleceu num acidente de automóvel em Paris. Tratado como um funeral de Estado, vários foram os representantes do mundo que quiseram estar presentes para prestar a sua homenagem. As televisões do mundo inteiro transmitiram ao vivo durante uma semana, os milhões que queriam vê-la no estádio Netaji. Encontra-se sepultada em Motherhouse Convent, Calcutá, Bengala Ocidental na Índia. No dia 19 de outubro de 2003, o Papa João Paulo II beatificou Madre Teresa.

O seu trabalho missionário continua através da irmã Nirmala, eleita no dia 13 de março de 1997 como sua sucessora.

Um de seus pensamentos era este: “Não usemos bombas nem armas para conquistar o mundo. Usemos o amor e a compaixão. A paz começa com um sorriso”. Criou as missionárias da caridade, onde todas as freiras iriam ajudar não a ela, mas sim a todos os necessitados.

A "NOITE ESCURA" DE MADRE TERESA

Uma coleção de cartas dirigidas a uns poucos conselheiros espirituais e recolhidas no livro "Madre Teresa venha, seja minha luz" (Mother Teresa: Come Be My Light) publicado em 4 de setembro de 2007, traduzido e publicado no Brasil pela editora Thomas Nelson, organizado pelo Padre Brian Kolodiejchuk, postulador da causa da sua canonização revelaram, segundo alguns, dúvidas profundas de madre Teresa sobre sua fé em Deus, provocando discussões sobre uma possível posição agnóstica.

Madre Teresa, em suas cartas, descreveu como sentia falta de respostas de Deus. Em 1956 escreveu: "Tão profunda ânsia por Deus - e ... repulsa - vazio - sem fé - sem amor - sem fervor. Almas não atrai - O céu não significa nada - reze por mim para que eu continue sorrindo para Ele apesar de tudo." Em 1959: "Se não houver Deus - não pode haver alma - se não houver alma então, Jesus - Você também não é real."

Uma de suas cartas ao Padre Neuner dizia: "Pela primeira vez ao longo de 11 anos - cheguei a amar a escuridão. - Pois agora acredito que é parte, uma parte muito, muito pequena da escuridão e da dor de Jesus neste mundo. O Senhor ensinou-me a aceitá-la como um 'lado espiritual de sua obra', como escreveu. - Hoje senti realmente uma profunda alegria - que Jesus já não pode passar pela agonia - mas que quer passar por mim. - Abandono-me a Ele mais do que nunca. - Sim - mais do que nunca estarei à disposição”.

No entanto, o texto de suas cartas não deve afetar a campanha por sua santificação, já que a Igreja defende que outros santos também demonstraram dúvidas em relação a sua fé, como por exemplo São Tomé.

A CRISE ESPIRITUAL

Segundo o postulador da causa da canonização de Madre Teresa e autor do livro, a sua crise espiritual começou nos anos 50, logo após a fundação da ordem das Missionárias da Caridade; a partir daí "viveu uma grande fase de escuridão interior que se prolongou até a sua morte". "Sabia que estava unida a Deus, mas não conseguia sentir nada". Este fenômeno é conhecido na tradição e na teologia mística cristã, e foi São João da Cruz quem o chamou de noite escura do espírito, o que considera uma etapa no caminho de alguns santos no caminho de identificação com Deus.

SILÊNCIO DIVINO

Bento XVI comentando as cartas disse que este silêncio serve para que os crentes percebam a situação daqueles que não acreditam em Deus. Falando sobre as experiências místicas da beata disse que "tudo aquilo que já sabíamos se mostra agora ainda mais abertamente: com toda a sua caridade, a sua força de fé, Madre Teresa sofria com o silêncio de Deus".

ANTÍDOTO CONTRA O SENTIMENTALISMO

Kolodiejchuk enxerga na atitude da beata um antídoto contra o sentimentalismo: "A tendência em nossa vida espiritual, e também na atitude mais geral relativamente ao amor, é que o que conta são os nossos sentimentos. Assim a totalidade do amor é o que sentimos. Mas o amor autêntico a alguém requer o compromisso, fidelidade e vulnerabilidade. Madre Teresa não "sentia" o amor de Cristo, e poderia ter cortado, mas levantava-se às 04h30min cada manhã por Jesus e era capaz de escrever-lhe: Tua felicidade é o único que quero. Este é um poderoso exemplo, inclusive em termos não puramente religiosos”.



ORAÇÃO DE MADRE TEREZA DE CALCUTÁ


Senhor,

Ajuda-me a derramar Tua fragrância onde quer que eu vá.

Inunda a minha alma com Teu Espírito e Vida.

Penetra em mim e apossa-Te tão completamente de mim que toda a minha

vida seja uma irradiação Tua.

Ilumina por meu intermédio e apossa-Te de tal maneira de mim que cada

Alma com que eu entre em contato

possa sentir Tua Presença em minha Alma.

Que, ao ver-me, não me veja a mim, mas a Ti em mim.

Permanece em mim.

Assim resplandecerei com Teu próprio resplendor,

para que meu resplendor sirva de luz para os outros.

E minha luz virá toda de Ti; nem o mais leve raio será meu.

Tu és quem estarás iluminando os outros em meu redor.

Que eu não Te pregue com palavras, mas com meu exemplo,

com o influxo do que eu realize,

com o fulgor visível do Amor que meu coração de Ti retira.

Madre Tereza de Calcutá







terça-feira, 4 de setembro de 2012

VIDA E ORAÇÃO DE SÃO PEREGRINO



01 DE MAIO

Em 1283, o papa Martinho IV enviou a Forli um santo frade de nome Filipe Benizi, então prior geral da Ordem dos Servos de Maria.

Era sua missão pregar a paz e reconduzir os habitantes da cidade à concórdia e à obediência papal.São Filipe já cumprira com êxito idênticas missões em Bolonha, Florença e Arezzo. Forli, porém, foi bem menos acolhedora.

São Filipe pregava ao povo com sua palavra inspirada, um bando de fanáticos, entre os quais o jovem Peregrino, então com 18 anos, prorrompeu em gritos e vaias contra o santo homem. Bateram nele e o expulsaram da cidade. Mais tarde, Peregrino, arrependido do que fizera, correu ao encalço do santo homem e pediu-lhe perdão.  São Filipe acolheu-o afavelmente e deu-lhe o perdão em nome do Senhor Jesus.

A partir de então, desprezando as vaidades terrenas, desde jovem, decidiu seguir o caminho das virtudes e, conservando-se no caminho reto durante toda a sua vida, a morte mesma ele a tinha como um ganho. De fato, costumava dizer abertamente que esta vida mortal não passa de sombra e lama.

Certo dia, entrou na igreja de Santa Maria da Cruz. Permaneceu longamente em oração diante da imagem da Virgem Maria, suplicando-lhe que se dignasse mostrar-lhe o caminho da salvação. De repente, apareceu-lhe visivelmente a santa Virgem, ornada de vestes ricas e festivas, que assim lhe falou: "Meu filho, eu também desejo guiar os teus passos nos caminhos da salvação".

Enquanto meditava em seu coração por qual motivo a Virgem Maria, tão ricamente vestida, lhe teria falado tão prontamente, Peregrino, simples como uma pomba, temeu estar sendo induzido ao erro pelo enganador e inimigo do gênero humano.

Vendo-o titubeante e assustado, a Virgem voltou a falar-lhe com mais ternura ainda: "Não tenhas medo, filho. Eu sou a mãe daquele que tu adoras na cruz, e por ele fui enviada para mostrar-te o caminho da felicidade eterna"
.
A essas palavras, Peregrino respondeu: "Eis-me aqui. Estou pronto para obedecer às tuas ordens. Acima de qualquer coisa, sempre desejei executar fielmente o que ordenares. Ordena, pois, ó Rainha. De minha parte, cumprirei de boa vontade a tua vontade".

A gloriosa Senhora então lhe perguntou: "Conheces os religiosos chamados Servos de Maria?"

Peregrino respondeu: "Lembro-me de ter ouvido muitas pessoas falar deles, com elogios à sua Ordem e à sua santa vida; mas não sei onde moram".  Ele assim falava porque não havia então em Forli nenhum convento dos Servos da Virgem Maria.

Disse-lhe então a Virgem: "Tu te chamas Peregrino. Pois bem, serás peregrino de nome e de fato. É preciso que vás à cidade de Sena.
Aí, chegando encontrarás estes santos homens em oração. Insiste com eles para que te recebam em seu convívio".
Ouvindo isso, Peregrino pôs-se logo a caminho, acompanhado por um anjo, e chegou a Sena. Foi ao convento e bateu à porta.
O frade porteiro, de venerando idade, abriu e perguntou: "A quem procuras”? E logo acrescentou que nessa hora os frades estavam guardando o silêncio prescrito.

Enquanto o porteiro assim falava, Peregrino, vencido pelo cansaço, atirou-se aos pés do bom velhinho, suplicando que não lhe fechasse a porta, principalmente porque tinha alguns segredos para contar ao prior. Ao ouvir isso, o porteiro o fez entrar e, terminado o tempo de silêncio, conduziu-o à presença do prior. Este, depois de examiná-lo de alto a baixo, perguntou-lhe finalmente de que cidade era.
E Peregrino respondeu: "Sou de Forli".

Depois, tendo-se inteirado do que se tratava e conhecido o propósito de Peregrino, o prior e seus confrades, que a esta altura se encontravam reunidos, convenceram-se facilmente que ele lhes fora enviado pela Virgem Maria. Consideraram o fato como um milagre da Virgem, que costuma iluminar os seus devotos e, com grande solicitude, os torna participantes da sua bem-aventurança.
Por isso, estando todos de acordo, acolheram-no de bom grado e o vestiram com o santo hábito que recorda a viuvez da Virgem Maria.
Terminado o rito, uma auréola luminosa envolveu-lhe a cabeça, como prova de que ele haveria de guardar íntegras a castidade, a obediência e a pobreza, mantendo-se fiel até o fim ao compromisso que havia professado. Aos trinta anos de idade, era para todos o exemplo de vida santa.
Depois, por ordem do superior, voltou para Forli, sua cidade natal, para pôr fielmente em prática a lei do Senhor. Domava de maneira extraordinária o corpo com vigílias, jejuns e cilícios. Parece incrível, mas por trinta anos nunca foi visto sentar-se. Comia sempre de pé e rezava ajoelhado.
Vencido às vezes pelo cansaço ou pelo sono, apoiava por algum tempo a cabeça numa pedra ou, se estivesse no coro, no banco. Durante a noite, não se deitava: passava o tempo rezando hinos e salmos. Meditava sem cessar a lei de Deus. Empenhava-se com todas as forças para imitar os exemplos de Cristo.
Todos os dias fazia o exame de consciência de suas ações, chorava as ofensas e os erros que acreditava ter cometido e contava-os ao confessor com lágrimas nos olhos. Movido pelo desejo ardente de observar integralmente a lei divina, o santo homem de muitas coisas se recriminava.
Foi vítima de uma chaga incurável, um inchaço numa perna provocou-lhe a erupção de uma chaga infecciosa. Todos que o visitavam por dever não conseguiam conter as lágrimas. À chaga e ao inchaço da perna juntou-se a terrível doença conhecida pelo nome de câncer, que exalava um mau-cheiro insuportável para os que o assistiam e para ele próprio. Por isso, passou a viver isolado dos confrades.
Era visto pelo povo como um novo Jó, tão graves eram as suas dores e sua debilidade física. No entanto, apesar de encontrar-se nessa situação, não se queixava da sorte, mas suportava a enfermidade e o sofrimento com ânimo forte, confiante na palavra do Apóstolo que diz: "Quando sou fraco, então é que sou forte".
O médico Paulo Salaghi, que lamentava profundamente a doença de Peregrino, fez-lhe uma consulta.Examinou cuidadosamente a perna para avaliar a gravidade do mal. Por fim, com o consentimento de todos, chegou à conclusão que de nada adiantavam os remédios e que, com o passar dos dias, a chaga se propagaria até contaminar toda a perna, se esta não fosse amputada.
Na véspera do dia marcado para a operação, durante a noite, depois de refletir longamente sobre a decisão tomada, Peregrino resolveu apelar a Jesus Cristo, seu Salvador. Com as forças que lhe restavam, arrastou-se sozinho até à sala capitular, onde havia uma imagem do Crucificado.
Aí chegando, pôs-se a rezar:
Oh! Redentor do gênero humano, para apagar os nossos pecados, aceitaste ser submetido ao suplício da cruz e a uma morte atroz.
Quando estavas neste mundo, no meio dos homens, curastes muitas pessoas de toda a sorte de doença.
Purificaste o leproso (Mt 8,2), devolveste a vista ao cego que suplicava: Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim!.
Digna-te, pois, Senhor meu Deus, livrar a minha perna deste mal incurável. Se não o fizeres, será preciso amputá-la.
Enquanto rezava, atormentado violentamente pela dor, acabou adormecendo.

 No sono, viu Jesus descer da cruz e curar a perna, apagando qualquer vestígio da doença. Ao acordar, deu-se conta que a perna estava curada e tão robusta como se jamais tivesse estado doente.

Deu então graças ao Deus misericordioso por tão grande Dom e voltou para a sua cela. Ao clarear o dia, chegou o médico com os instrumentos e as pomadas, necessárias para a operação. Peregrino então lhe disse: “Ó tu que vieste operar-me, pode voltar para casa”.

O médico que me curou totalmente assim me falou: "Sou  eu que dou aos homens a saúde e a doença e as retiro deles. Sou eu que cuido da alma e do corpo. Devolvi a vista aos cegos, limpei os leprosos, curei os paralíticos e ressuscitei os mortos. Nenhuma fadiga, nenhum opróbrio, nem sequer a morte mais atroz recusei pela vossa salvação". “Aquele que assim me falou, ele mesmo, o Príncipe dos Médicos, curou-me totalmente”.

Ao ouvir essas palavras, o médico pensou que Peregrino estivesse delirando devido às fortes dores que sofria e disse: "Mostra-me a perna, para que eu possa livrar-te desta chaga que ameaça contagiar todo o teu corpo".

Mas Peregrino respondeu: "Médico, cura a ti mesmo! Não preciso mais dos teus serviços. O Príncipe dos Médicos e autor da salvação humana, com o seu poder, afastou de mim toda enfermidade".
E, mostrando a perna, acrescentou: "Olha e vê que grande médico eu tive!" O doutor ficou sobremodo estupefato ao ver a perna limpa e robusta, sem qualquer vestígio da chaga e do tumor maligno. Voltou-se então para os presentes e exclamou: "É um milagre!"

Ao sair, pôs-se a contar a todos que encontrava no caminho o grande prodígio que Deus havia feito em favor do seu servo, e divulgou o fato por toda a cidade. A notícia deste evento singular espalhou-se rapidamente por toda a parte, suscitando grande veneração de todos pelo amigo de Deus Peregrino.

Peregrino morreu com a idade de quase oitenta anos, vítima de febre alta. Sua alma foi levada às honras do reino celeste pela Virgem Maria e pelos bem-aventurados Filipe de Florença e Francisco de Sena, ambos da mesma Ordem. Após a morte, do seu corpo inanimado fluía um suavíssimo perfume, de tal sorte que os presentes sentiram-se sobremodo admirados diante dessa fragrância extraordinária.

Enquanto a morada corpórea de sua alma já triunfante, segundo costume, jazia deitada no caixão, exposto no coro da igreja, a notícia de sua morte chegou ao conhecimento de todos os habitantes da cidade, como se houvesse sido anunciada por mensageiros. Todos queriam ver as santas relíquias expostas no coro da igreja. De todas as partes e por todas as portas da cidade acorriam os habitantes do condado, atraídos pela fama do servo de Deus. Naquela noite, devido à grande afluência de gente, não foi possível fechar as portas da cidade.
Ao bem-aventurado Peregrino não faltou a confirmação celeste de sua santidade por meio dos milagres.

Enquanto o corpo do bem-aventurado Peregrino jazia exposto no coro da igreja, um pobre homem, mendigo e cego, aproximou-se timidamente do caixão e pôs-se a implorar do fundo do coração que lhe fosse devolvida a vista. Oh! infinito poder e graça de Deus que se manifesta nos seus servos! De repente, diante da multidão estupefata, o bem-aventurado Peregrino levantou-se do caixão onde jazia e traçou o sinal da cruz sobre o cego. Logo lhe caíram dos olhos umas escamas e o que fora cego começou a gritar exultante de alegria, mostrando a todos que estava enxergando.

Um dentre os piores diabos ou talvez um legião deles se havia apoderado de uma mulher da cidade. Dominada pelo furor, ficava tão feroz que ninguém conseguia segurá-la, nem a amarrando a um tronco, nem com correntes. Era dotada de uma força sobre-humana tal que conseguia romper qualquer tipo de amarra e desvencilhar-se. Tendo-se espalhado pela região a fama dos milagres do santo, seus familiares arrastaram-na até o caixão do bem-aventurado Peregrino, exposto na igreja.

Ao tocar o caixão, o espírito maligno, com grande alarido, afastou-se dela. Os que aí estavam viram sair da boca da mulher toda sorte de animais e ouviram estas palavras: "Tuas preces, Peregrino, me causam tormentos atrozes”!A mulher, liberada totalmente do domínio do diabo, agradeceu muito a Deus e ao bem-aventurado Peregrino.

Certo homem precipitou-se do alto de uma árvore muito alta e caiu estatelado no chão. Na queda, ficou gravemente ferido, com as vísceras expostas, de tal sorte que já não havia nenhuma esperança de vida para ele. Mas, por intercessão do bem-aventurado Peregrino, recuperou totalmente a saúde.

No ano de 1726 a Santa Sé aprovou três milagres operados pela intercessão de São Peregrino: a cura de um menino paralítico; a cura de uma religiosa e de um sacerdote, ambos vítimas de câncer. No mesmo ano, o papa Bento XIII elevou Peregrino à glória dos altares, declarando-o santo.
Seu corpo, até hoje incorrupto, é venerado na basílica dos Servos de Maria, de Forli.

Oração I

São Peregrino, humilde servidor do Senhor e de Santa Maria, vem em minha ajuda e sustentai-me em minha debilidade.
A enfermidade invade meu corpo e faz a vida incerta, a tristeza enche meu coração e minha fé desfalece.
Por tuas súplicas, alcançai-me uma fé viva, e uma esperança firme, a fim de que Deus tenha compaixão de mim, me livre de todo mal, cure meu corpo e se cumpra sua vontade em mim.
Que em Sua ternura, seja eu fortalecido, nas provas e angustias que Ele me chame a viver para ser sempre testemunha de sua presença em minha vida.
Oh! São Peregrino, meu irmão na fé, sede meu protetor e rogai por mim a Deus, Nosso Senhor, o Bom Pastor, a fim de que me conduza um dia a sua morada de paz e de alegria, onde celebrarei seu amor, pelos séculos dos séculos! Que assim seja.
Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.
São Peregrino, rogai por nós!

Oração II

Oh! Deus, que deste a São Peregrino um anjo como companheiro, a Mãe de Deus como sua mestra, e Jesus como médico para sua enfermidade; vos suplicamos nos concedas pelos méritos deste santo, que enquanto vivamos neste mundo amemos intensamente a nosso Anjo da Guarda, a Virgem Santíssima, e a nosso Salvador, e logo no céu vos bendigamos para sempre.
Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Assim seja.

Rezar um Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória e a invocação:

São Peregrino, rogai por nós!





Fonte:www.oracoes.info




NOVENA PARA OS DOENTES SÃO PEREGRINO




Orações iniciais todos os dias

Invocação ao Espírito Santo.

Vem oh! Santo Espírito, enchei os corações de teus fiéis e acendei neles o fogo de seu Divino Amor.
Enviai vosso Espírito e serão criadas todas as coisas.
E se renovará a face da terra.
Oração:
Oh! Deus que vos haveis dignado instruir os corações de vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, vos pedimos que por este mesmo Espírito consigamos agir corretamente, e nos alegremos com seu celestial consolo, por Jesus Cristo Nosso Senhor. Que assim seja. 

Oração Preparatória.

Senhor meu Jesus Cristo que desejas que São Peregrino seja invocado como Patrono daqueles que sofrem de (fala o nome da doença) e que prometes curar por sua intercessão.
Vos dou graças Senhor, por vossa compaixão para com a humanidade doente e por conceder-nos vossa misericórdia pela intercessão de vosso servo São Peregrino.
Concedei-nos que seus rogos ajudem a tantas almas que sofrem aflitas em seus corpos pelo terrível mal (nome da doença).
Benignamente dignai-Vos Senhor escutar as súplicas de São Peregrino, assim como as de vossa Santíssima Mãe, Saúde dos enfermos, em favor daqueles que encomendamos a compaixão e amor de vosso Sacratíssimo Coração.
Dai-lhes paciência para sofrer sua aflição e resignação a vossa divina vontade.
Dai-lhes o consolo que necessitam, especialmente a cura que tanto desejam, se é vossa santa vontade.
Concedei-nos que adoremos e imitemos vossas sagrados dores com verdadeiro amor para que possamos merecer um dia à recompensa eterna de estar Convosco na Glória que vives e reinas com o Pai em unidade do Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém.

Orações Finais todos os dias

Oração a Nossa Mãe Dolorosa.

Oh! minha muito amada Mãe Maria, Mãe das Dores, olhai-me, sou vosso filho, prostrado em oração a vossos pés.
Tenho vindo suplicar este favor especial por intercessão de vosso fiel servo São Peregrino.
( Se faz o pedido).
Oh! Mãe Dolorosa, vos rogo apresentes meu pedido a vosso Divino Filho.
Se vos intercedeis por mim não a afastará.
Eu sei, minha boa Mãe, que Vós desejais que eu aceite em tudo a vontade de Deus.
Por isto com confiança de filho me abandono à santa vontade de Deus.
Se o que peço não convém que me seja concedido, fazei-me digno de receber aquilo que seja de maior benefício à minha alma.
Doce Mãe Dolorosa, eu vos amo, eu ponho toda a minha confiança em Vós, pois vossos rogos ante Deus são muito poderosos.
Pela maior glória de Deus, em nome de Cristo e por intercessão de São Peregrino, a quem vós levastes à santidade, ouvi-me e concedei-me o que vos peço. Que assim seja. 

Oração a São Peregrino.

Oh! São Peregrino, a quem a Santa Mãe Igreja tem declarado Patrono daqueles que sofrem de câncer e úlceras, venho com grande confiança para que me ajudes na presente enfermidade (se diz a situação).
Olhai que aflito no corpo e na alma já meu valor começa a decair e a impaciência e a tristeza me oprimem, por isso vos rogo intercedais por mim Bom São Peregrino, peçais a Deus me alivie desta enfermidade se é sua Santa vontade.
Advoga ante a Santíssima Virgem das Dores, a quem vós amastes tão ternamente e em união de quem sofreu as dores do câncer, para que ela me ajude com sua poderosa súplica e doce consolo.
Mas, se é a vontade de Deus que eu sofra esta enfermidade, obtêm valor e fortaleza para aceitar com resignação e paciência todas estas provas da amorosa mão de Deus.
Possam estes sofrimentos levar-me a uma vida melhor e me permitam expiar meus pecados e os pecados do mundo.
São Peregrino, ajudai a imitar em seu sofrimento, a unir-me a Jesus Crucificado e a sua Mãe Dolorosa e a oferecer minhas penas e dores a Deus com todo o amor de meu coração para sua Glória e a salvação das almas, especialmente da minha. Que assim seja.

Primeiro Dia

Oh! glorioso São Peregrino, perfeito modelo de virtude, vos que tão prontamente respondestes ao divino chamado deixando honras, comodidades e riquezas deste mundo, quando prostrado ante uma imagem de Maria Santíssima na Catedral de Forli imploravas sua poderosa intercessão e fostes chamado por Ela para que fosses seu servo, obtêm, vos suplico, que eu corresponda prontamente a todas as inspirações divinas, que desprendido de todos os bens e prazeres deste mundo, esteja sempre pronto a cumprir sua divina vontade. Que assim seja.

Segundo Dia

Oh! venturoso São Peregrino que por vossa prontidão e fervor em responder ao divino chamado mereceste receber um anjo como guia em vosso caminho a Siena quando ias pedir para ser admitido entre os Servos de Maria; obtêm, vos suplico, que eu seja assistido por meu bom anjo em todos os meus trabalhos e seja iluminado, guiado e dirigido por ele em meu caminho a vida eterna. Que assim seja.

Terceiro Dia

Aceito pelo céu, Oh! glorioso São Peregrino! foi o sacrifício que fizestes de vossa alma e corpo a Deus, abraçando a pobreza evangélica na vida religiosa, renunciando a vossa própria vontade e os prazeres do mundo.
Deus se dignou demostrar-vos o quão aceito havia sido este renunciamento vosso quando recebendo a sagrada insígnia de servo de Maria milagrosamente se viu sobre vossa cabeça uma bola de fogo, emblema de eminente santidade com que brilhais na Igreja de Jesus Cristo.
Obtêm, vos rogo, Oh! grande santo! participar deste santo fogo, que consuma em mim todo afeto terreno para que eu possa desejar e  buscar só o amor de meu Deus. Que assim seja. 

Quarto Dia

Oh! São Peregrino! fiel servo de Maria, quão generosamente perseveraste no verdadeiro caminho da virtude e da santidade.
Constante na oração, rígido no jejum e abstinência, austero para dominar seu corpo, foste para vossos irmãos exemplo vivente de penitência.
Arrependido uma vez por todas dos pecados de sua juventude, odiastes o pecado merecendo viver sempre puro até o fim de vossos dias na terra.
Possa eu imitar-vos, Oh! glorioso santo! e sinceramente arrependido de meus graves pecados, obtêm por vossa intercessão, de meu Deus misericórdia e perdão e a graça de não perecer ao império de minhas baixas paixões; que, constante em minhas resoluções, sirva sempre ao meu Deus para continuar fiel até à morte e merecer a coroa da vida eterna. Que assim seja. 

Quinto Dia

Humilde São Peregrino, grande em verdade foram vossos méritos cumprindo rigorosamente os mais servis deveres para com vossos irmãos.
Não haveríeis chegado a dignidade sacerdotal se não houvesse tido que cumprir, pelos voto de obediência, a ordem de vossos superiores.
Obtêm, vos suplico, verdadeira humildade de coração para que livre das honras e prazeres do mundo, minha vida possa esconder-se com Cristo em Deus e seja assim digno de sua graça e glória no Céu. Que assim seja.

Sexto Dia

Oh! São Peregrino! cuja paciência foi tão admirável que sofrestes, sem murmurar jamais, as contradições e insultos dos homens, e não contente com vossos rigorosas penitências, pedias ao Senhor maiores sofrimentos que suportavas em silêncio: a aguda dor de uma úlcera incurável dada por Deus como resposta a vossas muitas orações e pedidos por sofrimentos.
Quão amorosamente nosso Criador recompensou sua fé e largos sofrimentos, quanto em milagre, como jamais se havia ouvido, o curou dessa cruel úlcera tocando-a com sua divina mão!
Concedei-me vos suplico, que eu também pratique a paciência e mortifique meus sentidos como expiação por meus pecados e assim possa participar daqueles consolos que vos já gozais no paraíso eterno. Que assim seja.

Sétimo Dia

Oh! bendito apóstolo São Peregrino, cheio de zelo pela conversão dos pecadores e incansável pregador da palavra divina, vos que levastes tantas almas ao caminho da penitência promovendo a glória e honra de Deus em todo o mundo e que o Senhor se dignou confirmar com estupendos milagres.
Obtêm, vos suplico, que não contente com trabalhar para minha própria salvação, possa também fazê-lo para a santificação de outras almas por meio do bom exemplo, constante oração, bons conselhos e apostolado incansável.
Que feliz seria se eu pudesse estender a glória de Deus na terra e assim ter minha parte convosco e todos os santos na eterna glória. Que assim seja. 

Oitavo Dia

Oh! Deus que destes a São Peregrino um anjo por companheiro, a Maria Santíssima por Mestra e a Jesus por médico de sua terrível enfermidade, concedei-nos, vos pedimos, pelos méritos de São Peregrino, que amemos ardentemente aqui na terra a nosso anjo custódio, a nossa Mãe Imaculada e a nosso Divino Salvador para no céu bendizer-vos por toda a eternidade.
Vos suplicamos pelos méritos de Jesus Cristo Senhor nosso. Que assim seja.

Nono Dia

Oh! Deus Todo-poderoso, benigno escutai as preces que vos elevamos em honra de São Peregrino, vosso amante servo e patrono dos que padecem de câncer, para que nós, que não podemos confiar em nossos próprios méritos, possamos receber seu misericordioso auxílio em nossas necessidades pela intercessão de seu servo cuja vida foi tão entregue à Vós.
Vos pedimos esta graça por Jesus Cristo Nosso Senhor. Que assim seja. 

Fazer as orações finais citadas acima. 
Fonte: http://www.oracoes.info/