Seguidores

TRADUTOR

sexta-feira, 25 de março de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA ADELAIDE DE BURGUNDY


(16 DE DEZEMBRO)

Narrada por Santo Odilo, abade de Cluny, que conviveu com ela, a vida de Santa Adelaide emociona pelos sofrimentos que passou. De rainha tornou-se prisioneira, sofreu maus tratos e passou por diversas privações, para depois, finalmente assumir um império. Tudo isso dentro da honestidade, vivendo uma existência piedosa, de muita humildade e extrema caridade para com os pobres e doentes.

Nascida em 931, Adelaide era uma princesa, filha do rei da Borgonha, atual França casado com uma princesa da Suécia. Ficou órfã de pai, aos seis anos. A corte acertou seu matrimônio com o rei Lotário, da Itália, do qual enviuvou três anos depois. Ele morreu defendendo o trono, que acabou usurpado pelo inimigo vizinho, rei Berenjário. Então, a rainha Adelaide foi mandada para a prisão. Contudo ajudada por amigos leais, conseguiu a liberdade. Viajou para a Alemanha para pedir o apoio do imperador Oton. Esse, além de lhe devolver a corte, casou-se com ela. Assim, tornou-se a imperatriz Adelaide, caridosa, piedosa e amada pelos súditos.

Durante anos tudo era felicidade, mas o infortúnio atingiu-a novamente. O imperador morreu e Adelaide viu-se outra vez viúva. Assumiu seu filho Oton II, que aceitava seus conselhos, governando com ponderação. Os problemas reiniciaram quando ele se casou com a princesa grega, Teofania. Como não gostava da influência da sogra sobre o marido, conseguiu faze-lo brigar com a mãe, por causa dos gastos com suas obras de caridade e as doações que fazia aos conventos e igrejas. Por isso exigiu que Adelaide deixasse o reino.

Escorraçada, procurou abrigo em Roma, junto ao Papa. Depois passou um período na França, na corte de seu irmão, rei da Borgonha. Mas a dor da ingratidão filial a perseguia Viu também que ele reinava com injustiça, dentro do luxo, da discórdia e da leviandade, devido à má influência de Teofania. Nessa época foi seu diretor espiritual o abade Odilo, de Cluny. Ao mesmo tempo o abade passou a orientar Oton II. Após dois anos de separação, arrependido, convidou a mãe a visitá-lo e pediu seu perdão. Adelaide se reconciliou com filho e a paz voltou ao reino. Entretanto o imperador morreria logo depois.

Como o neto de Adelaide, Oton III, não tinha idade para assumir o trono, a mãe o fez. E novamente a vida de Adelaide parecia se encaminhar para o martírio. Teofania, agora regente, pretendia matar a sogra. Só não morreu, porque Teofania foi assassinada antes, quatro semanas depois de assumir o governo. Adelaide se tornou a imperatriz regente da Alemanha, por direito e de fato. Administrou com justiça, solidariedade e piedade. Trouxe para a corte as duas filhas de sua maior inimiga e as educou com carinho e proteção. O seu reinado foi de obrigações políticas e religiosas muito equilibradas, distribuindo felicidade e prosperidade para o povo e paz para toda a nação.

Nos últimos anos de vida Adelaide foi para o convento beneditino de Selz, na Alsácia, que ela fundara, em Strasburgo. Morreu ali com oitenta e seis anos de idade, no dia 16 de dezembro de 999.

ORAÇÃO A SANTA ADELAIDE DE BURGUNDY (1)

(para ajudar a resolvermos situações delicadas)

Santa Adelaide foste princesa, orfã, rainha, prisioneira, e o Pai Onipotente a vós devolveu a posição de imperatriz dando todo um povo para seres mãe, devido ao seu coração repleto de amor que com justiça agia e com humildade repartia o pão entre os pobres.


A vós que com fé a tudo venceste e continuaste amando seu próximo apesar de todas as injustiças sofridas.


Eu me posto aos vossos pés e vos peço a graça de agir com justiça e amor no impasse em que me encontro, que eu tome a atitude mais acertada para a ninguém prejudicar, vos prometo que de hoje em diante procurarei cultivar a verdadeira humildade e o verdadeiro amor ao próximo.


Exemplificando no meu dia a dia abraçando todas as oportunidades que aparecerem para levar o amor de Jesus adiante através de minhas ações.

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo eu vos imploro.

QUE ASSIM SEJA (2)

(diante de injustiças sofridas)

Santa Adelaide em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo eu vos imploro que me auxilie a manter minha fé não imaculando meu coração com o ódio, diante das injustiças que estou sofrendo, peço que eu possa aceitar com resignação e que consiga através desta atitude um novo caminho, que hoje e sempre eu saiba ter paciência na certeza que o Pai jamais me abandonará, vos imploro que afaste de mim o inimigo que me assombra, e que finalmente eu consiga viver em paz. 


Com a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que assim seja

terça-feira, 15 de março de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SÃO POLICARPO

SÃO POLICARPO
(23 DE FEVEREIRO)

ORAÇÃO A SÃO POLICARPO

Ó Deus, Pai de bondade, faça que minha palavra console os que sofrem e que minha presença sustente os que vacilam.

Faça, também, que eu seja capaz de imitar firmemente seu exemplo e que seja para meus irmãos fonte de alegria, esperança e paz.

Que assim seja.

VIDA DE SÃO POLICARPO

Foi um discípulo e convertido por São João, o apóstolo e evangelista, amigo e de Santo Inácio da Antióquia.

Foi bispo de Smyrna (moderna Izmir na Turquia). Muito reverenciando pelos cristãos como um líder que o escolheram para representar o Papa Anicetus na questão da data da celebração da Páscoa. O Papa Anicetus o admirava tanto que pediu que ele celebrasse a consagração em sua igreja. Uma das várias cartas escritas por Policarpo foi preservada e ainda partes de outra que ele escreveu, encontra-se na Igreja de Philippi, Macedonia. Aos 86 anos, durante as perseguições do Imperador Marcos Aurélio foi preso. Ele pediu a Santo Inácio que continuasse a construção das igrejas que não havia podido terminar. Foi torturado e martirizado para renegar a sua fé e como não o fizesse foi queimado vivo no Anfiteatro de Smyrna, mas, milagrosamente, as chamas não o atingiam e não o machucavam e ele continuava a cantar hinos de louvor a Jesus. Impressionado com o acontecimento os guardas chamaram um arqueiro para que ele perfurasse o santo com uma flecha. Ao ser atingido o seu sangue apagou as chamas. Os guardas tentaram de novo acender a pira, mas sem sucesso.

O pro cônsul encarregado do martírio, furioso ordenou que fosse decapitado. O atos do martírio de São Policarpo foram preservados e são considerados uma vívida e completa descrição do martírio deste grande santo.

Morreu no ano de 155 em Smyrna.

É invocado como protetor das dores de ouvido e das queimaduras.

Sua festa é celebrada no dia 23 de fevereiro.

Em sua carta para os Philippians ele diz:

“Fique firme e na sua conduta siga o exemplo do Senhor, firme e imutável em sua fé, ame seu irmão, amando a cada um e a todos unidos na verdade e ajudando a cada um com a bondade do Senhor Jesus, não desprezando a nenhum homem”.

Parte de uma carta descrevendo o martírio de São Policarpo:

Quando a pira estava pronta Policarpo tirou suas roupas ficando só com as de baixo e ele foi rodeado pelo material da pira. Quando tentaram pregá-lo com pregos ele disse: “deixe-me que não fugirei. Aquele que me ama me dará forças para resistir ao fogo e me dará forças para ficar quieto sem os seus pregos para me penderem”.

Então eles não o fixaram, mas apenas o amarraram. Olhando para o céu ele disse:

“Senhor Deus, pai de seu amado filho Jesus, Deus dos anjos e de todas as criaturas, poder de toda a criação, de todas as raças que vivem em sua vista, eu vos abençôo por me julgar digno deste dia, desta hora, de modo que em companhia dos mártires eu irei beber do cálice de Cristo que levantou-se de novo da morte para a vida eterna em corpo e alma pelo poder do Espírito Santo. Eu Vos venero por todas estas coisas e glorifico o eterno príncipe dos céus Jesus, Vosso amado Filho. Para a Vossa maior gloria e do Espírito Santo, Amem".

Quando ele disse Amem e terminou sua preces os guardas acenderam a pira mas quando uma grande chama levantou-se, alguns privilegiados puderam ver um estranho e maravilhoso acontecimento. Como um barco com as velas ao vento, a chama formava uma cúpula em volta do corpo de Policarpo, cercado pelo fogo seu corpo era como um pão que é tostado ou ouro ou prata branca no calor no forno, mas não como uma carne sendo queimada, seu rosto era de tranquilidade e paz. Uma suave fragrância saia daquela pira como se fosse um incenso sendo queimado e não um corpo. O odor era de uma doce fragrância de incenso dos mais caros e raros.

Segundo o historiador Euzébio, várias testemunhas foram convertidas por esse milagre de São Policarpo, após sua morte, seu túmulo passou a ser local de veneração e peregrinação, vários são os milagres creditados a sua intercessão.

sábado, 12 de março de 2011

VIDA E ORAÇÃO A SANTA GEMMA GALGANI






(11 DE ABRIL)


Gema Galgani nasceu a 12 de março de 1878 em Camigliano, um vilarejo situado perto de Lucca, na Itália.
Gema em italiano significa jóia.
Seu pai era um próspero químico e descendente do Beato João Leonardi.
A mãe de Gema era também de origem nobre.
Os Galgani eram uma família católica tradicional que foi abençoada com oito filhos.
Gema, a quinta a nascer e a primeira menina da família, desenvolveu uma atração irresistível pela oração enquanto ainda era muito pequena. Esse carinho pela oração lhe veio de sua piedosa mãe, que lhe ensinou as verdades da Fé da Igreja Católica.
Foi a sua mãe que infundiu em sua preciosa alma o amor pelo Cristo Crucificado.
A jovem santa aplicou-se com zelo à devoção. Quando Gema tinha apenas cinco anos, ela lia o Ofício de Nossa Senhora e o Ofício dos Defuntos no Breviário com tanta facilidade e rapidez quanto um adulto.
Quando a mãe de Gema tinha de se ocupar com suas tarefas diárias de dona-de-casa, a pequena Gema puxava a saia da mãe e dizia: “Mamãe, conte-me um pouco mais sobre Jesus”.
Infelizmente, a mãe de Gema deveria morrer em breve.
 No dia em que Gema recebeu o Sacramento da Confirmação, enquanto rezava ardentemente na missa pela recuperação de sua mãe (a Senhora Galgani estava gravemente doente), ela ouviu uma voz em seu coração que dizia, « Tu me darás a tua mãezinha ? »
“Sim", respondeu Gema, “contanto que Tu me leves também.” 
“Não," replicou a voz, "dá-Me a tua mãe sem reservas. Por ora, tu deves esperar com o teu pai. Vou te levar para o céu mais tarde.” 
Gema simplesmente respondeu “Sim”.
Este “sim” seria repetido ao longo de toda a breve vida de Santa Gema, como resposta ao convite de Nosso Senhor para que ela sofresse por Ele.
Após a morte da sua querida mãe, Gema foi enviada pelo pai para um semi-internato católico em Lucca, dirigido pelas Irmãs de Santa Zita.
Mais tarde, refletindo sobre seus dias na escola, Gema disse: “Eu comecei a ir à escola das Irmãs, eu estava no Paraíso”.
Ela era excelente em francês, aritmética e música e em 1893 ganhou o grande “Prêmio de Ouro” por conhecimento religioso.
Uma de suas professoras na escola resume melhor tudo isso, dizendo: “Ela (Gema) era a alma da escola”.
Gema tinha se preparado arduamente para sua Primeira Comunhão.
Ela costumava implorar: “Dá-me Jesus... e verás quão boa eu serei. Eu vou mudar bastante. Não vou cometer mais nenhum pecado. Dá-me Jesus. Eu o desejo tanto, e não posso viver sem Ele.
”Com nove anos (o que era mais cedo do que de costume) foi-lhe permitido receber sua primeira comunhão.
Com a permissão de seu pai, ela foi ao convento local por dez dias para preparar-se dignamente para esse acontecimento solene.
O seu dia chegou finalmente a 20 de junho de 1887, na festa do Sagrado Coração de Jesus. Com suas próprias palavras, ela assim descreveu o seu primeiro encontro íntimo com Cristo no Santíssimo Sacramento:“É impossível explicar o que se passou então entre mim e Jesus.
Ele se fez sentir, oh tão fortemente, na minha alma.” 
O acontecimento mais marcante que se seguiu na vida de Santa Gema foi quando seu pai morreu em 1897.
Como conseqüência de sua extrema generosidade, da falta de escrúpulos de seus interlocutores nos negócios e problemas com credores, os filhos foram deixados sem nada e não tinham nem mesmo meios de sobreviver.
Gema tinha apenas dezenove anos, mas já tinha uma grande experiência em carregar a cruz.
Gema começou cedo a ficar doente.


Ela desenvolveu uma curvatura na espinha.
Uma meningite também deixou-a temporariamente surda.
Grandes abscessos se formaram em sua cabeça, seus cabelos caíram e finalmente ela teve paralisia nos membros.
Um médico foi chamado e tentou vários remédios, mas nada adiantou.


Ela estava apenas piorando.
Gema tornou-se devota do Venerável Gabriel Possenti de Nossa Senhora das Dores (agora São Gabriel).
Acamada pela doença, ela leu a história de sua vida.
Mais tarde ela escreveu a respeito de São Gabriel:
“... eu comecei a admirar as suas virtudes e seus hábitos.


Minha devoção por ele crescia.


À noite eu não dormia sem ter sua imagem debaixo do travesseiro e, depois disso, passei a vê-lo perto de mim.


Não sei como explicar isso, mas eu sentia a sua presença.


Em todos os momentos e em cada ação, o Irmão Gabriel vinha à minha mente.” 
Gema, agora com 20 anos, estava aparentemente em seu leito de morte.
Uma novena lhe foi sugerida como a única chance de cura.
Dia 23 de fevereiro de 1899, à meia-noite, ela ouviu o chocalhar de um rosário e se deu conta de que o Venerável Gabriel estava aparecendo para ela.
Ele falou a Gema:
“Queres ficar curada? Reza com fé toda noite ao Sagrado Coração de Jesus.


Eu virei a ti até a novena terminar, e rezarei contigo a este Sacratíssimo Coração”.
Na primeira sexta-feira de março a novena terminava.


A graça tinha sido concedida; Gema estava curada.


Quando ela levantou-se, os que estavam à sua volta choraram de alegria.
Sim, um milagre havia acontecido!
Gema, agora em perfeita saúde, tinha sempre desejado tornar-se freira, mas isto não devia acontecer.
Deus tinha outros planos para ela.
A 8 de junho de 1899, depois de receber a comunhão, Nosso Senhor deu a conhecer a Sua serva que Ele lhe daria uma graça muito grande.
Gema voltou para casa e rezou.


Ela entrou em êxtase e sentiu um grande remorso por seus pecados.

A Mãe Santíssima, de quem Santa Gema era extremamente devota, apareceu-lhe e disse:
“Meu filho Jesus te ama sem medida e deseja dar-te uma graça.
Eu serei uma mãe para ti. Serás uma verdadeira filha?” A Santíssima Virgem abriu então o seu manto e cobriu Gema com ele.
Eis como Santa Gema relata como ela recebeu os estigmas:
“Naquele momento, Jesus apareceu com todas as suas chagas abertas, mas daquelas chagas não mais saía sangue, mas chamas de fogo.
Num instante aquelas chamas vieram tocar minhas mãos, meus pés e meu coração.
Senti como se estivesse morrendo, e eu teria caído no chão, se minha Mãe não me tivesse segurado, enquanto todo esse tempo eu permanecia sob o seu manto.
Tive de ficar várias horas naquela posição. Finalmente ela beijou minha testa, tudo desapareceu e eu me vi de joelhos.
Mas eu ainda sentia uma forte dor nas minhas mãos, pés e coração.


Levantei para ir para a cama, e percebi que saía sangue dessas partes onde sentia dor.


Cobri-as o melhor que pude, e, ajudada então pelo meu Anjo, pude ir para a cama...”
Muitas pessoas, incluindo respeitosos membros da Igreja, testemunharam este milagre dos estigmas, que se repetiu praticamente até o fim da vida de Santa Gema.
Uma testemunha ocular afirmou:
“Saía sangue dos ferimentos dela (St. Gema) abundantemente.
Quando ela estava de pé, ele caía no chão, e quando ela estava na cama, ele não apenas molhava os lençóis, mas encharcava o colchão todo.
Eu medi alguns desses fluxos ou poças de sangue, e tinham entre cinqüenta e sessenta centímetros de comprimento e aproximadamente cinco centímetros de largura”.
Como São Francisco de Assis e recentemente Padre Pio, Gema pode dizer também: Nemo mihi molestus sit. Ego enim stigmata Domini Jesu in corpore meo porto: Que ninguém me faça mal, pois eu levo as marcas do Senhor Jesus no meu corpo.
Com 21 anos, Gema foi acolhida por uma generosa família italiana, os Giannini.
A família tinha já 11 filhos, mas estava feliz em receber esta jovem e piedosa órfã em sua casa. A mãe da família, a Senhora Giustina Giannini, diria mais tarde sobre Gema: “Posso jurar que, durante os 3 anos e 8 meses em que Gema esteve conosco, eu nunca soube do menor problema em nossa família que fosse provocado por ela e nunca vi nela o menor defeito.
Repito, nem o menor problema, nem o menor defeito”.
Santa Gema ajudava diligentemente com as tarefas da grande casa.


Ela também tinha tempo para rezar, o que era a sua atividade favorita.
Pela Providência, ela obteve como diretor espiritual o Passionista Pe. Germano, C.P., a quem ela era totalmente obediente.
PE. Germano, um teólogo eminente no tocante à oração mística, percebeu que Gema tinha uma profunda vida de oração e conseqüente união a Deus.
Ele estava convencido de que esta “Jóia de Cristo” tinha passado por todos os nove clássicos estágios da vida interior.
Gema assistia à Missa duas vezes por dia, recebendo a comunhão uma vez.
Ela rezava o rosário com fé, e à noite, com a Senhora Giannini, ia às Vésperas.
Com todos os seus exercícios espirituais, Gema nem mesmo uma vez negligenciou suas obrigações domésticas diárias na casa Giannini.
O Anjo da Guarda de Gema aparecia freqüentemente para ela.


Eles tinham uma conversa da mesma maneira que alguém conversa com o seu melhor amigo.


A pureza e inocência de Gema devem ter trazido este Glorioso Anjo do céu para o seu lado. Gema e seu Anjo - este com suas asas abertas ou ajoelhado ao lado dela - recitavam orações ou salmos alternadamente.


Quando meditavam a Paixão de Nosso Senhor, o seu Anjo inspirava-lhe as mais sublimes reflexões neste mistério.

Seu Anjo da Guarda uma vez falou-lhe sobre as Agonias de Cristo:


“Olha para o que Jesus sofreu pelo homem. Considera uma por uma estas Chagas.

É o Amor que abriu-as todas.


Vê como execrável (horrível) é o pecado, já que para expiá-lo, tanta dor e tanto amor foram necessários”.
Em 1902 Gema, em boa saúde desde a sua cura milagrosa, ofereceu-se a Deus como vítima pela salvação das almas.
Jesus aceitou a sua oferta.
Ela então ficou extremamente doente.
Seu estômago não suportava nenhum tipo de comida.
Apesar de ter recuperado sua saúde rapidamente, pela Providência Divina, ela adoeceu novamente.
Em 21 de setembro de 1902 ela começou a expelir sangue com as violentas palpitações de amor de seu coração.
Enquanto isso ela passava por um martírio espiritual, pois ela experimentava aridez e nenhum consolo em seus exercícios espirituais. Além disso, seu inimigo, o demônio, multiplicava seus ataques contra a jovem “Virgem de Lucca”.
O Inimigo reforçava sua guerra contra Gema, pois ele sabia que o fim estava próximo.


Ele esforçava-se para persuadi-la de que ela tinha sido totalmente abandonada por Deus. Usava suas diabólicas aparições e até mesmo violência física, batendo no frágil corpo de Gema.
Uma testemunha ocular que cuidava de Gema disse :
“Aquela besta abominável vai ser o fim da nossa querida Gema - golpes atordoantes, formas de animais ferozes etc. - eu a deixei com lágrimas nos olhos porque o demônio a está esgotando.” 

Gema clamava incessantemente os nomes Santos de Jesus e Maria, mas a batalha continuava.

O seu Diretor Espiritual, o Venerável Germano, vendo o esforço final de Gema, disse:
“A pobre sofredora passou dias, semanas e meses desse modo, dando-nos um exemplo de paciência heróica e razões para um medo saudável pelo que pode acontecer conosco, que não temos os méritos de Gema, na terrível hora da morte”.
Ainda assim, mesmo passando por essas provações, Gema nunca se queixou, ela apenas rezava.


Gema estava no fim.


Ela era praticamente um esqueleto vivo, mas ainda linda, apesar da devastação da doença.
Ela recebeu o “Viático”.
Em suas últimas palavras, disse:

 “Eu não procuro mais nada; sacrifiquei tudo e todos a Deus; agora eu me preparo para morrer”.
Ela falava com dificuldade.


“Agora é mesmo verdade que não me resta mais nada, Jesus.


Eu recomendo a minha pobre alma a Ti... Jesus !” 


Gema então sorriu um sorriso celestial e deixando pender a cabeça para um lado, deixou de viver.
Uma das irmãs presente na hora da morte vestiu o corpo de Gema com o hábito dos Passionistas, que era a ordem à qual Gema sempre aspirou.
Essa morte abençoada aconteceu no Sábado Santo, dia 11 de Abril de 1903, quando Gema Galgani tinha 25 anos.
As autoridades da Igreja começaram a estudar a vida de Gema em 1917 e ela foi beatificada em 1933.


O decreto aprovando os milagres para a canonização foi lido a 26 de março de 1939 - Domingo de Ramos.
Gema Galgani foi canonizada a 2 de março de 1940, apenas trinta e sete anos depois da sua morte.
Há um verso do poema de Dante (Paraíso, c. XXX, 19-21) no qual a beleza sobrenatural é admiravelmente recordada e exaltada.
Ele também se adapta bem à pequena Jóia de Cristo, verdadeira Beatriz, que o Senhor com tanta alegria enfeitou para Si mesmo:
Fulgia de tal modo o resplendor de sua formosura, que sustido pudera ser tão só por seu Fautor.


Santa Gema, rogai por nós.


ORAÇÃO A SANTA GEMMA GALGANI


Eis-me aqui aos vossos santíssimos pés, oh meu querido Jesus!
Manifestar-Vos-ei a cada momento o meu reconhecimentos e a minha gratidão por tantos e tão contínuos favores, que tendes feito, e que quereis ainda fazer-me.
Quantas vezes Vos tenho invocado, oh Jesus! Tendes-me sempre contentado; recorri muitas vezes a Vós e sempre me consolastes.
Como exprimir-me para convosco, oh meu caríssimo Jesus! Eu Vos agradeço.
Mas outra graça vos peço, (concede-me que ...) oh meu Deus, atendei-me!
Se for do Vosso agrado.
Se não fosseis onipotente, não faria este pedido.
Oh Jesus, tende piedade de mim.
Seja feita a vossa santíssima vontade.


Que Assim Seja.